“Nossa relação com Bolsonaro é de convergência de propósito”, diz presidente da frente evangélica

Bancada da Bíblia, símbolo dos grupos que o futuro Governo pretende privilegiar em relação aos partidos, aplaude indicação para o MEC

O professor Ricardo Vélez vai assumir o Ministério da Educação no novo Governo
O professor Ricardo Vélez vai assumir o Ministério da Educação no novo GovernoReprodução/Redes Sociais

MAIS INFORMAÇÕES

Membros da bancada evangélica do Congresso Nacional aplaudiram a indicação de Ricardo Vélez Rodríguez para o Ministério da Educação de Jair Bolsonaro. Dada a centralidade da pasta para a agenda ultraconservadora de Bolsonaro, a escolha de Vélez acabou servindo como um primeiro teste da relação do eleito com seus apoiadores no futuro Congresso. O professor colombiano naturalizado brasileiro não era o nome preferido de todas as lideranças neopentecostais  - o cotado do pastor Silas Malafaia e de outros nomes era o procurador Guilherme Schelb -, mas nem por isso há agora ânimo de criticar a decisão final do futuro Governo. “De um a dez, a nota para essa indicação é dez. Não dava para ser melhor”, diz o deputado Hidekazu Takayama (PSC-PR), presidente da Frente Parlamentar Evangélica, que deve ter em torno de 90 deputados na nova Legislatura.

Segundo Takayama, um dos pontos positivos do futuro ministro é ser contra "a ideologia de gênero", o termo pejorativo que usam para criticar o que chamam de desvios no ensino sobre diversidade e educação sexual nas escolas, e a favor do projeto Escola Sem Partido, que combate uma suposta doutrinação esquerdista no ensino. “O que algumas pessoas não estão entendendo é que a nossa relação com o Bolsonaro não é da velha política. Ela é de convergência de propósito. Confiamos nele e em seus indicados”, disse.

A declaração do presidente da bancada da Bíblia vai na direção sonhada por Bolsonaro, que sinaliza que pretende buscar o apoio do Congresso via frentes temáticas, principalmente nas que ficaram conhecidas como bancadas BBB (Bíblia, boi e bala). Nem todos, porém, estão contentes com esse método de relacionamento que não privilegia os partidos e o primeiro grande teste para o futuro será na escolha do comando da Câmara e do Senado no ano que vem. "É um novo modelo e, se isso vai dar certo, só o tempo vai dizer", advertiu o senador Ciro Nogueira, presidente nacional do PP, que elegeu a terceira maior bancada na Câmara, no começo do mês.

Outro membro da bancada da Bíblia, José Carlos Aleluia (DEM-BA), também não poupou elogio a Vélez. Disse que o ministério estava precisando de um gestor conservador. “O MEC foi progressivamente levado a uma posição divergente da média do povo brasileiro, com a introdução de ideias exóticas do Brasil. Estava na hora de isso mudar”. Para ele, o grande desafio do novo titular da Educação será acabar com as ideologias implantadas pela esquerda no ensino superior. “Nossas universidades se transformaram em bunkers dos extremismos de esquerda. Não aceitam o diálogo, a contraposição de ideias.”

As reações fora dos círculos bolsonaristas estiveram distantes desse entusiasmo. A maior parte dos especialistas apontou a falta de experiência de Vélez na gestão educacional e apontaram que a prioridade para temas como combate à suposta doutrinação ideológica pode roubar tempo e recursos de questões importantes, como melhoria da carreira de professor.

A oposição também lamenta. A deputada Margarida Salomão (PT-MG), ex-reitora da Universidade Federal de Juiz de Fora e colega do futuro ministro Vélez, diz que ele deixou de ser um liberal clássico para se tornar um liberal autoritário. “O professor Vélez defendia muito o PSDB. Nos últimos anos se aproximou do pessoal mais radical e regrediu. É tudo o que há de antimoderno na educação. É o que o Brasil não precisa”, opinou. No mesmo sentido, seguiu o líder do PCdoB na Câmara, o deputado Orlando Silva (SP). “Alguém que propõe comitês de censura para professores nas escolas é de um obscurantismo medieval, completamente inepto para o cargo”.

Arquivado Em: