Seleccione Edição
Login

Guerra comercial provoca a primeira queda da economia alemã desde 2015

Redução das exportações levou o PIB do país a uma contração de 0,2% no terceiro trimestre

A chanceler (primeira-ministra) alemã, Angela Merkel, em um evento nesta terça-feira, 13
A chanceler (primeira-ministra) alemã, Angela Merkel, em um evento nesta terça-feira, 13 EFE

A economia da Alemanha registrou no terceiro trimestre uma contração de 0,2% enquanto nos três meses anteriores houve uma expansão de 0,5%, o que marca o primeiro declínio no PIB desde o primeiro trimestre de 2015, como consequência da queda das exportações no contexto da guerra comercial desencadeada pelos EUA, de acordo com informações do Escritório Federal de Estatísticas, Destatis.

Em relação ao terceiro trimestre do ano anterior, o PIB da Alemanha registrou crescimento de 1,1%, ante à expansão de 2,3% do trimestre anterior.

"O ligeiro declínio trimestral do PIB se deve principalmente ao comércio exterior", explicou o escritório alemão de estatísticas, depois que as exportações caíram no terceiro trimestre e as importações aumentaram em comparação com os três meses precedentes.

Quanto à demanda interna, foram observados sinais contraditórios, uma vez que a formação bruta de capital fixo em máquinas e equipamentos, bem como na construção, foi superior à do trimestre anterior, enquanto os gastos das famílias diminuíram. Por outro lado, a despesa final do Governo em consumo foi ligeiramente superior ao observado nos três meses anteriores.

No terceiro trimestre, a Alemanha tinha 45 milhões de empregados, um número que representava um aumento de 556.000 trabalhadores ou 1,3% em um ano.

Carsten Brzeski, economista-chefe do ING Alemanha, disse que os dados ruins do PIB no terceiro trimestre podem ser explicados por vários fatores temporários, tais como o impacto da norma de emissões na indústria automobilística e a elevação do custo da energia que praticamente "eliminou" os aumentos salariais, bem como fatores com caráter mais estrutural.

Nesse sentido, o especialista acredita que a indústria automobilística vai se recuperar nos próximos meses e a moderação dos preços de energia reativará o consumo das famílias, embora a fraca evolução do comércio, apesar da fraqueza do euro, indique que as tensões comerciais e a debilidade das economias emergentes continuam afetando o crescimento da Alemanha.

"As perspectivas para a economia alemã ainda são positivas e o canto do cisne terá um efeito curto, embora a reputação de homem (ou mulher) forte e invencível da Europa tenha sofrido alguns arranhões", disse Brzeski, acrescentando que não se pode dar como garantidos a estabilidade política e o crescimento.

MAIS INFORMAÇÕES