Angela Merkel

Merkel apoia proposta francesa de criar Exército europeu

Chanceler alemã defende uma política externa e de defesa comum que coroe a integração política alcançada na UE

Angela Merkel, ao início do debate no Parlamento Europeu.
Angela Merkel, ao início do debate no Parlamento Europeu.Jean-Francois Badias (AP)

Mais informações

Mais aplausos e mais vaias que nenhum outro líder europeu. A chanceler (primeira-ministra) alemã, Angela Merkel, conseguiu nesta terça-feira encantar e irritar por igual os diferentes grupos políticos do Parlamento Europeu durante um discurso solene que já esboça o testamento político da líder que marca desde 2005 a história da União Europeia.

Merkel defendeu sem rodeios uma política externa e de defesa comum, que coroe a integração política alcançada durante os últimos 60 anos em áreas como a política monetária e a eliminação de fronteiras. A moeda única e o espaço Schengen foram “projetos visionários” em sua época, recordou a chanceler. “Agora, continuaremos trabalhando na visão de ter um dia um verdadeiro Exército europeu”.

A líder alemã se soma assim à proposta lançada pelo presidente francês, Emmanuel Macron. Uma ideia que provocou a ira do presidente dos EUA, Donald Trump, que nesta mesma terça-feira lembrava a Macron, pelo Twitter, que o inimigo tradicional da França sempre foi a Alemanha. Merkel, como se respondesse a esse tuíte, ressaltou no Parlamento que a criação de um Exército europeu “demonstrará ao mundo que uma guerra entre países europeus nunca mais será possível”.

As palavras da chanceler provocaram aplausos dos grupos mais europeístas e vaias dos eurocéticos e soberanistas. “Não me assustam, eu também sou parlamentar", reagiu calmamente Merkel aos sinais de protesto. “As vaias me honram e demonstram que tenho razão”, acrescentou, enquanto continuavam os gritos de desaprovação. Muito menos diplomática foi a reação do presidente do Parlamento, Antonio Tajani. “Precisamos de um veterinário na sala?”, alfinetou o italiano diante da atitude dos eurocéticos.

As manifestações de apoio e rejeição demonstraram que o comparecimento de Merkel, provavelmente a última no Parlamento Europeu, não era apenas uma participação a mais na série de encontros que o Parlamento Europeu está realizando com os chefes de Governo para analisar o futuro da Europa (para janeiro é aguardado o chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez).

A chanceler chegou a Estrasburgo pouco depois de anunciar que começará a se retirar em dezembro da política (abandonando a Secretaria-Geral da CDU, seu partido). Sua saída, como a própria Merkel assinalou no Parlamento, coincide com uma grave crise de identidade da União Europeia, desconcertada com as rachaduras na ordem internacional forjada na segunda metade do século XX e com o distanciamento de um aliado essencial como os EUA.

Nesse cenário de temor e mudança, a chanceler aproveitou para assumir o papel de autoridade moral e política frente à tendência autoritária e antieuropeia de um crescente número de Governos da UE. Ela fez críticas à esquerda e à direita — contra executivos de sua própria família política (Partido Popular Europeu) e de partidos esquerdistas.

“Quem põe em perigo a liberdade e o Estado de direito em seu país está pondo ambos em perigo em toda a Europa”, advertiu Merkel, em uma mensagem claramente dirigida à Hungria de Viktor Orbán e à Polônia de Jaroslaw Kaczynski.

As críticas também alcançaram a Itália do Movimento 5 Estrelas e da Liga Norte pela falta de respeito às normas da União Monetária, imprescindíveis, disse Merkel, para preservar o euro. O puxão de orelhas chega no mesmo dia em que termina o prazo concedido pela Comissão Europeia para que a Itália apresente um novo projeto de orçamento, depois da rejeição do anterior. O Governo de Giuseppe Conte não parece disposto a modificar sua proposta, o que ameaça romper o Pacto de Estabilidade.