Banco Central

Trump, depois da forte queda da Bolsa: “O Federal Reserve ficou louco”

Presidente investe de novo contra a estratégia de elevação de juros do banco central norte-americano depois da maior desvalorização no mercado de ações em meses

O presidente Donald Trump ao chegar ao aeroporto de Erie, Pensilvânia.
O presidente Donald Trump ao chegar ao aeroporto de Erie, Pensilvânia.Evan Vucci / AP

Mais informações

Donald Trump não é de fazer rodeios ao mostrar sua insatisfação com a estratégia do Federal Reserve de elevar as taxas de juros. Diz isso toda vez que surge a oportunidade, embora até agora estivesse tentando se mostrar compreensivo com a política de Jerome Powell, o presidente do Federal Reserve, banco central dos EUA, que ele mesmo indicou. Mas nesta quarta-feira Trump levou sua linha crítica ao extremo quando indagado sobre a queda acentuada de Wall Street durante o pregão. "Acho que o Fed está cometendo um erro", disse, "acho que o Fed ficou louco".

O Dow Jones se despediu do dia com uma queda de mais de 3,1%, a pior desde fevereiro. A Nasdaq sofreu um baque ainda mais robusto, de mais de 4%, o maior desde o Brexit, em junho de 2016. Foi como se todos os desequilíbrios tivessem aparecido ao mesmo tempo, apenas uma semana depois de o próprio Powell ter afirmado em discurso que as taxas de juros ainda estavam longe de atingir uma posição neutra – aquela em que não afetam o crescimento econômico. "É uma correção que vinha vindo há bastante tempo", disse o magnata republicano.

Bolsas de valores de todo mundo reagiram ao forte declínio de Wall Street. Em Tóquio, a bolsa despencava nesta quinta-feira por volta da metade do pregão, mais de 4%. O índice geral da Bolsa de Xangai, principal indicador do mercado chinês, registrou nesta quinta-feira fortes quedas na abertura, de 3,04%. No Brasil, o Ibovespa abriu em alta, apesar do cenário externo negativo, ainda influenciado pela divulgação da pesquisa Datafolha, que coloca Bolsonaro à frente de Haddad no segundo turno. Às 11h17 subia 0,47%.

A taxa de juros dos EUA está agora em uma faixa entre 2% e 2,25%, após o terceiro aumento no ano, decidido há duas semanas. Em seus últimos discursos, Powell deixou claro que está determinado a seguir em frente com a retirada gradual dos estímulos monetários, para impedir o superaquecimento da economia. Mas os membros do banco central consideram até possível um novo aumento em dezembro. "Eu realmente discordo", insistiu Trump.

O presidente dos Estados Unidos considera que o Fed "está indo rápido demais" com o aumento da taxa e que a baixa inflação, em princípio, lhe dá margem para seguir com mais calma. Ele também diz que essa estratégia pode colocar pedras em seu plano de reativação econômica, porque eleva o custo da dívida dos consumidores, ao pagarem os financiamentos de suas casas ou carros. Mas também reconhece que, se a retirada de estímulos está em andamento, é precisamente porque a economia dos EUA está indo de vento em popa.

O aumento das taxas de juros é, de fato, um dos fatores por trás da forte correção sofrida nesta quarta-feira no pregão em Nova York, e isso também se reflete nos mercados dos países emergentes, atingidos pelo fortalecimento do dólar. O encarecimento do dinheiro aumenta em grande medida o atrativo dos títulos e da renda fixa corporativa em detrimento das ações. Uma moeda forte, por sua vez, afeta os resultados das multinacionais.

O índice de volatilidade (VIX), uma espécie de 'termômetro do medo' do mercado financeiro, subiu mais de 35% durante a sessão, embora ainda esteja na metade dos níveis registrados no final de fevereiro, quando o mercado de ações também foi afetado. Os juros pelo título de 10 anos, outro dos indicadores para medir o estresse do mercado, são de 3,2%.

Mas por trás do impacto em Wall Street há, porém, uma série de fatores além do Federal Reserve: os índices de referência (renda fixa e renda variável) estão atingindo níveis históricos e, na mente dos investidores, também pesa a incerteza dos litígios comerciais com a China. Este jogo de forças ficou bem evidente em ações específicas, como a da Nike, que perderam quase 7% em apenas um dia, ou as da Boeing, que caíram 4,7%. As empresas de tecnologia sofreram muito: a Amazon caiu 6,1%, a Microsoft, 5,4% e a Apple, mais de 4,6%.

Powell, que assumiu há oito meses o lugar de Janet Yellen – também criticada por Trump – , deixou claro que sua estratégia responde à evolução da economia e não a questões políticas. Mas os comentários do presidente, que os repete desde meados do ano, são vistos como um claro ataque à independência do banco central mais poderoso do mundo. E a autonomia é o valor por excelência do guardião da política monetária.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete