Mulheres lideram multidão contra Bolsonaro em São Paulo, Rio e Recife

Protestos foram organizados para este sábado em diferentes cidades do Brasil e do mundo

Manifestação em São Paulo faz percurso do Largo da Batata até Av. Paulista.Carla Jiménez / epvundefined
Mais informações
Opinião | "#EleNão. #NósSim", por Eliane Brum
No Brasil polarizado, a convergência das candidatas à vice-presidência nas pautas para mulheres
“Não aceito resultado diferente da minha eleição”, desafia Bolsonaro na TV aberta

As mulheres se tornaram um empecilho ao crescimento das intenções de voto do candidato à presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro. Além de uma mobilização massiva nas redes sociais, com milhões de seguidoras reproduzindo a hashtag #EleNão, atos públicos tomam as ruas de diversas cidades do Brasil – e de outras pelo mundo – neste sábado (29).

Líder nas pesquisas de intenção de voto desde o início da campanha, Bolsonaro se envolveu em discussões públicas com mulheres e fez declarações que tem dividido opiniões e alimentado movimento contrários e em apoio ao candidato por parte do eleitorado feminino.

O evento montado no Facebook para a manifestação que acontecerá em São Paulo tem 83 mil pessoas confirmadas. As criadoras da página afirmam que o ato foi organizado por mulheres que se conheceram no grupo 'Mulheres Unidas Contra Bolsonaro'. Segundo elas, a ideia surgiu de forma espontânea e "está sendo construída por ativistas, militantes políticas que apoiam candidatos e candidatas e que assumem suas posturas políticas com respeito".

Acompanhe a cobertura em tempo real:

Heloísa Mendonça
Janaina Paschoal acaba de discursar no carro de som da manifestação. “Vamos libertar o Brasil. Queremos um país de paz e democracia”, afirmou a recém eleita deputada estadual com votação recorde.
Heloísa Mendonça
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
A forte chuva vai dando fim ao ato em apoio de Bolsonaro na avenida Paulista. O inflável do general Mourão já foi desinflado. Os apoiadores do deputado se concentram debaixo do vão do MASP e em bares e restaurantes da região.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Dispersão após o inicio da chuva na avenida Paulista.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
A chuva começa a desmobilizar boa parte dos apoiadores de Bolsonaro na avenida Paulista.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Os apoiadores de Bolsonaro se concentram principalmente na região da avenida Paulista ao redor do MASP. Por esse trecho da avenida é difícil de caminhar.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
O ator Alexandre Frota fala no caminhão do PRTB. Diz que esse vai ser o processo eleitoral mais difícil dos últimos tempos. Começa a chover.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Do carro de som onde está o deputado Eduardo Bolsonaro, um dos filhos do candidato à presidência, parte um apelo aos eleitores de João Amoêdo (Novo), Álvaro Dias (Podemos), Henrique Meirelles (MDB) e Geraldo Alckmin (PSDB) para que concentrem seus votos em Bolsonaro, para que a eleição se encerre no primeiro turno.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
"Lula cachaceiro, devolve meu dinheiro", gritam os eleitores de Bolsonaro reunidos na avenida Paulista em torno de um dos quatro carros de som espalhados pelos apoiadores do deputado do PSL em quatro quarteirões, da Rua Peixoto Gomide à Alameda Joaquim Eugênio de Lima. Entre os carros de som, contudo, há espaços sem aglomerações.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Em mensagem gravada por Bolsonaro e transmitida em carro de som (sem imagem, porque o telão não está funcionando), o candidato do PSL diz que a diferença de votos a seu favor no primeiro turno será tão grande que não haverá margem para fraude na eleição.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Aqui, Mourão de frente.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Próximo ao MASP, o boneco inflável é dedicado ao general Mourão, vice na chapa de Bolsonaro. O carro de som ao lado dele promove o PRTB, partido a que Mourão é filiado.
Rodolfo Borges

Em Curitiba, cerca de 50 carros se reúnem próximo ao palácio do Governo com pessoas em defesa de Jair Bolsonaro. Algumas com a camiseta verde e amarelo com o nome do candidato andam ao redor

Por: Carla Jiménez

Érica Saboya
Rodolfo Borges
Entre os carros de som de apoio à Bolsonaro na avançada Paulista, há militantes do partido novo. Eles se concentram entre dois carros de som menores, mas defendem a candidatura de João Amoêdo.
Rodolfo Borges
Rodolfo Borges
Na avenida Paulista, também tem fila para tirar fotos com banner do juiz Sérgio Moro, responsável por julgar os processo da Operação Lava Jato em Curitiba.
Rodolfo Borges

Brasília tem atos pró-Bolsonaro com forte adesão

As manifestações pró-Bolsonaro realizadas neste domingo em Brasília tiveram a cara da campanha do capitão reformado do Exército: atos difusos e desorganizados, mas que conseguiram mobilizar um grande número de brasilienses que, principalmente de carro, saíram pelas ruas do Plano Piloto para defender a candidato do PSL.

De acordo com a Polícia Militar do Distrito Federal, 25.000 veículos passaram pela Esplanada dos Ministérios entre 8.40 da manhã e 13.45, período em que ocorreram as carreatas. 

Houve pouca coordenação entre os organizadores das manifestações, que fizeram a convocação pelas redes sociais. Um grupo se concentrou em frente ao gramado do Congresso Nacional; outros apoiadores se reuniram na região do Museu Nacional, enquanto que uma outra carreata saiu do final da Asa Sul. Depois de percorrerem trechos distintos, um grande número de veículos convergiu para a Esplanada dos Ministérios.

Seja dentro dos seus veículos ou a pé, os apoiadores de Bolsonaro gritavam palavras de ordem como “eu vim de graça”, “fora PT” e “mito”. Muitos simulavam armas com as mãos, um dos gestos mais característicos do militar reformado do Exército.  

A forte adesão aos atos pró-Bolsonaro em Brasília não é por acaso. No Distrito Federal, unidade da Federação de maior renda em todo o País, o candidato do PSL conta com alta popularidade. De acordo com o último Ibope, Bolsonaro tem 41% das intenções de voto no DF, bem à frente do segundo colocado, o petista Fernando Haddad (14%).

Ricardo Della Coletta

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS