Seleccione Edição
Login

Soon-Yi Previn sai em defesa de Woody Allen e seus irmãos a atacam

Mulher do cineasta e filha adotiva de Mia Farrow concede uma entrevista em que o defende das acusações de abuso sexual e tacha sua mãe de cruel

Woody Allen e Soon-Yi Previn em Cannes.
Woody Allen e Soon-Yi Previn em Cannes. AP

Há um novo capítulo na novela da família Allen-Farrow. Soon-Yi Previn, a filha adotiva de Mia Farrow e atual esposa de Woody Allen, falou sobre sua relação com o cineasta numa entrevista publicada neste domingo na New York Magazine. Soon-Yi Previn está casada com Allen há duas décadas e sempre buscou levar uma vida discreta. Agora, saiu em defesa do diretor contra as acusações de abuso feitas por Dylan Farrow, sua irmã adotiva, e atacou sua mãe, Mia Farrow. Acusa-as de se aproveitarem do movimento #MeToo para prejudicar Allen.

Previn tem 47 anos. Faz 25 que se tornou pública sua relação com o famoso cineasta, 35 anos mais velho que ela. Mas só agora ela decidiu romper seu silêncio, porque considera “preocupante” e “injusto” o que está acontecendo com Allen. O artigo se baseia em várias conversas que a jornalista Daphne Merkin manteve com ela em sua residência no bairro nova-iorquino do Upper East Side.

Woody Allen y Mia Farrow con sus hijos (Soon-Yi à direita). ampliar foto
Woody Allen y Mia Farrow con sus hijos (Soon-Yi à direita). Getty

Woody Allen participou de um dos encontros, no qual disse ter se tornado “um pária”. “As pessoas acham que sou o pai de Soon-Yi, que a estuprei e me casei com minha filha menor de idade e retardada”, argumenta em sua defesa. Sua esposa diz que toda uma geração escutou essas histórias, e que Mia Farrow está tratando de apresentar Dylan —que hoje tem 32 anos— como uma “vítima”.

Soon-Yi Previn foi adotada em 1978, quando Mia Farrow estava casada com Andre Previn. Um ano depois, a atriz iniciou sua relação com Woody Allen. Soon-Yi admite na entrevista que todos os irmãos inicialmente odiavam Allen e não o viam como um pai. Também confessa que sua relação com Farrow era como “água e óleo”, e descreve-a com um caráter abusivo, habituada a gritar, insultar e bater nos filhos. Moses Farrow, outro dos filhos adotivos, contou algo similar em maio, quando saiu em defesa do diretor.

Soon-Yi afirma que nunca gostou de Mia Farrow. “Lembro a primeira vez que olhei nos olhos dela”, diz. Também conta pela primeira vez que tem um problema de aprendizagem, e diz que nunca antes revelou isso porque sua mãe adotiva a induzia a sentir vergonha. “Ela me agarrava pelos pés e me colocava de cabeça para baixo para que o sangue me chegasse à cabeça, como se assim fosse me tornar mais inteligente”, relata. Entretanto, diz que sua relação com Woody Allen era como a de dois ímãs.

Woody Allen e Soon-Yi Previn em um jogo dos New York Knicks, em uma foto de arquivo. ampliar foto
Woody Allen e Soon-Yi Previn em um jogo dos New York Knicks, em uma foto de arquivo. Getty

Lamenta que Farrow tenha encontrado as fotos que Allen fez dela nua. “Deve ter sido horrível para ela. Foi uma traição por parte dos dois”, admite. Relata que seu instinto a levou a negar a relação num primeiro momento, mas, quando Farrow lhe disse que tinha as fotos, sentiu-se flagrada. “É óbvio que me deu uma bofetada”, recorda, “e depois chamou todo mundo. Não conseguiu conter a situação, a fez se espalhar como fogo”.

O abuso denunciando por Dylan Farrow ocorreu antes que Woody Allen e Soon-Yi Previn iniciassem sua relação. A filha de Mia Farrow o revelou numa entrevista à revista Vanity Fair há cinco anos, e voltou a relatá-lo por carta ao The New York Times um ano depois. Mas só em janeiro deste ano, falando ao programa This Morning, da CBS, que a denúncia retumbou com força. O cineasta sempre negou essas acusações. Tampouco foi processado nos Estados Unidos.

A entrevista com a mulher dele sai algumas semanas depois do anúncio de que o cineasta está numa pausa criativa, a primeira desde 1981. O famoso diretor, que tem atualmente contrato com os estúdios da Amazon, está tendo dificuldades para encontrar dinheiro para financiar seus próximos projetos.

Em todo caso, a entrevista foi recebida com algum ceticismo, porque é sabido que Daphne Merkin e Woody Allen são amigos há mais de 40 anos. O artigo não contém entrevistas nem com Mia Farrow nem com Dylan. Tampouco com Ronan Farrow, ganhador do Pulitzer por revelar as acusações contra o produtor Harvey Weinstein.

Mia Farrow e sua filha Dylan no evento 100 TIME, em abril de 2016. ampliar foto
Mia Farrow e sua filha Dylan no evento 100 TIME, em abril de 2016.

“Woody Allen abusou de mim quanto tinha sete anos”, insiste Dylan Farrow em uma nota à imprensa, em que qualifica como “asqueroso” que a revista tenha concordado publicar um artigo escrito “pela amiga de um predador” com o propósito de “atacar a credibilidade de sua vítima”. Seu irmão Ronan também se pronunciou contra a mulher de seu pai. “Como irmão e filho, estou irritado com o fato de a New York Magazine ter participado desse tipo de trabalho. Como jornalista, surpreende-me a falta de cuidado com os fatos, a recusa em incluir depoimentos de testemunhas que contradigam falsidades nessa matéria, e a impossibilidade de publicar as respostas de minha irmã”, afirma na nota o único filho biológico de Allen e Farrow. “Devo tudo o que sou a Mia Farrow”, acrescenta. Em seu comunicado, Ronan Farrow afirma que se trata de “vilipendiar” a sua mãe biológica. “Amamos e apoiamos a nossa mãe, sempre foi carinhosa e generosa. Nenhum de nós foi testemunha de outra coisa que não fosse o trato familiar em nosso lar, razão pela qual os tribunais outorgaram à nossa mãe a custódia exclusiva de todos os seus filhos”, conclui um texto assinado conjuntamente por sete dos filhos da atriz, que teve quatro biológicos e adotou outros dez.

MAIS INFORMAÇÕES