Seleccione Edição
Login

Beto Richa, ex-governador do Paraná e candidato ao Senado, é preso em Curitiba

O tucano é suspeito de envolvimento em irregularidades em um programa estadual

Além disso, ele também foi alvo, nesta manhã, de uma nova fase da Lava Jato

Beto Richa em evento quando era governador do PR, em janeiro de 2016
Beto Richa em evento quando era governador do PR, em janeiro de 2016 ANPr

O ex-governador do Paraná e candidato ao Senado pelo PSDB Beto Richa foi preso na manhã desta terça-feira, 11, em uma operação realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado que apura fraudes em licitações de um programa rural. Além disso, também nesta manhã, a casa do tucano foi alvo de um mandado de busca e apreensão de uma outra operação, ligada à Lava Jato, por suspeita de favorecimento da Odebrecht em uma licitação para a obra de uma estrada estadual em 2014. 

Pela operação do Gaeco, pela qual foi preso, Richa é suspeito de envolvimento em irregularidades no programa Patrulha do Campo, implantado entre os anos de 2012 e 2014 para recuperar estradas rurais do Paraná, com viaturas 4x4. A operação, segundo o Ministério Público estadual, tem como objetivo apurar indícios de direcionamento de licitação para beneficiar empresários e pagamento de propina para agentes públicos, lavagem de dinheiro e obstrução da Justiça. Até o momento, o Ministério Público não forneceu maiores detalhes sobre a operação. Os representantes de Richa ainda não foram localizados.

Além do ex-governador, a operação também expediu mandados de prisão para outras 14 pessoas, incluindo a mulher dele, Fernanda Richa, e um irmão —ambos trabalharam na gestão dele. O ex-chefe de gabinete de Richa, Deonilson Roldo, também está na lista. Ele, além disso, foi alvo também da uma nova fase da Operação Lava Jato, chamada Operação Piloto, que se aproximou de um grupo bastante próximo ao ex-governador tucano.

Esta fase da Lava Jato tem o objetivo de investigar o envolvimento de funcionários públicos e empresários com a empreiteira Odebrecht no favorecimento de licitação para obras na rodovia estadual PR-323.

Cerca de 180 policiais federais cumprem 36 ordens judiciais de busca e apreensão, de prisão preventiva e também prisão temporária em Salvador, São Paulo, Lupianópolis, Colombo e Curitiba. Eles apuram denúncias de corrupção ativa e passiva, fraude à licitação e lavagem de dinheiro. De acordo com a Agência Brasil, Beto Richa também é alvo desta operação.

As irregularidades teriam ocorrido em 2014 e envolvem o chamado Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht para beneficiar agentes públicos e privados no Paraná.

Em contrapartida, a construtora seria favorecida no processo de licitação para duplicação, manutenção e operação da rodovia estadual PR-323 na modalidade parceria público-privada.

O nome de Operação Piloto remete ao codinome atribuído pelo Grupo Odebrecht em seus controles de repasses de pagamentos indevidos a investigados nesta ação policial. Os detidos serão conduzidos à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde permanecerão à disposição da Justiça.

MAIS INFORMAÇÕES