Tom Wolfe contra Chomsky

Em seu último ensaio, o jornalista e escritor, que morreu em maio, ataca o revolucionário linguista

Noam Chomsky fuma um cachimbo em seu escritório do MIT, em 1969.
Noam Chomsky fuma um cachimbo em seu escritório do MIT, em 1969.Lee Lockwood (LIFE collention / Getty)

Mais informações

Ninguém na academia jamais tinha visto ou mesmo ouvido falar de um desempenho como esse. Em apenas cinco anos, no começo da década de cinquenta, um aluno de pós-graduação da Universidade da Pensilvânia – um aluno, na faixa dos 20 anos – havia se apoderado de todo um campo de estudos, a linguística, a revirou de ponta-cabeça e a endureceu, transformando essa suposta ciência social tão esponjosa em uma ciência de verdade, uma ciência dura, à qual deu seu nome: Noam Chomsky.

Na época, Chomsky ainda estava concluindo sua tese de doutorado na Universidade da Pensilvânia, onde havia feito os créditos da sua pós-graduação. Mas de noite, na cama, e no fundo do seu coração, ele estava morando em Boston e era membro recém-admitido da Harvard’s Society of Fellows, forjando para si um nome digno de Harvard.

Era o auge da “cientificalização” que havia entrado na moda logo depois da Segunda Guerra Mundial. Endureça! Não importa o que você faça, tem que soar científico! Livre-se do estigma de estudar uma “ciência social”! Até então, “social” significava “de miolo-mole”. Os sociólogos, por exemplo, estavam dispostos a qualquer coisa para evitar esse estigma. Eles tentavam observar e registrar cada hora das conversas, reuniões, correspondências e até trajetos feitos pelos indivíduos, e endureciam essa informação transformando-a em algoritmos cheios de símbolos de cálculo, que lhe davam a aparência de exatidão matemática. E fracassaram totalmente. Só Chomsky conseguiu, na linguística, transformar todos – ou quase todos – os miolos-moles em cientistas puros e duros.

Mesmo antes de concluir o doutorado, Chomsky foi convidado a proferir uma conferência em Yale e na Universidade de Chicago. Ele apresentou uma teoria da linguagem radicalmente nova. A linguagem não era algo que se aprende. Já se nasce dotado de um “órgão da linguagem”, que funciona desde a hora em que se vem ao mundo, assim como o coração e os rins já pulsam, filtram e excretam.

Para Chomsky, não importava qual era a língua materna de uma criança. Qualquer que fosse ela, o órgão da linguagem de cada criança seria capaz de utilizar a “estrutura profunda”, a “gramática universal” e o “dispositivo de aquisição da linguagem” com os quais nascera para expressar o que tivesse a dizer, sendo irrelevante se da sua boca saía inglês, urdu ou naga. Por isso – dizia Chomsky repetidamente – as crianças começavam a falar tão cedo… e tão corretamente em termos gramaticais. Nasciam com o órgão da linguagem pronto e já ligado. Em geral, aos dois anos de idade eram capazes de articular frases inteiras e criar orações completamente originais. O “órgão”… a “estrutura profunda”… a “gramática universal”… o “dispositivo”… – do jeito que Chomsky falava, o sistema era físico, empírico, orgânico, biológico. O órgão da linguagem impulsionava a gramática universal a percorrer os dutos linguais da estrutura profunda a fim de alimentar o LAD, a forma [sigla em inglês] como todos nesse campo se referiam agora ao “dispositivo de aquisição da linguagem” que Chomsky havia descoberto.

Não havia nada de elegante no carisma de Chomsky. Falava em tom monocórdico e nunca erguia a voz, mas seus olhos fulminavam qualquer desafiante

Dois anos depois, em 1957, aos 28 anos, Chomsky reuniu tudo isso num livro com o opaco título de "Estruturas Sintáticas" – e assim estava a caminho de se tornar o maior nome na história da linguística. Deu um teto para a disciplina e a virou de cabeça para baixo. Havia milhares de línguas na Terra, o que para os terráqueos soava como uma impossível Babel de proporções bíblicas.

Aí que entra o linguista marciano de Chomsky, que logo ficaria famoso. Um linguista marciano que chegasse à Terra, dizia ele muitas vezes…, muitas…, muitas…, imediatamente compreenderia que todas as línguas do planeta eram a mesma, apenas com ligeiros sotaques locais. E esse marciano chegava à Terra em quase todas as palestras de Chomsky sobre a linguagem.

Só a contragosto Chomsky tolerava os linguistas tradicionais que consideravam o trabalho de campo essencial e iam parar em lugares primitivos, saindo do meio do mato enquanto subiam o zíper da calça. Eram como os papa-moscas comuns da época de Darwin, voltando do meio do nada com sacolas cheias de fatos insignificantes e alardeando sua adorada fluidez poliglota. [...]

Chomsky tinha uma personalidade e um carisma semelhantes aos do Georges Cuvier na França do começo do século XIX. Cuvier orquestrava sua beligerância a partir de raciocínios meigos para chegar à fúria no momento calculado e com elegância retórica. Por outro lado, não havia nada de elegante no carisma de Chomsky. Falava em tom monocórdio e nunca erguia a voz, mas de seus olhos fulminavam qualquer desafiante com um olhar de autoridade absoluta. […]

A ideia chomskiana do “órgão da linguagem” gerou grande excitação entre os jovens linguistas. Com ele, a disciplina parecia mais nobre, mais rigorosamente estruturada, mais científica, mais conceitual, mais platônica, e não só uma enorme pilha de páginas com dados que os estudiosos de campo traziam de lugares dos quais necessariamente ninguém nunca tinha ouvido falar... A linguística já não significava mais fazer trabalho de campo entre raças nat... – ops – povos indígenas... cuja existência ninguém nem sequer imaginava. […]

Noam Chomsky se tornou uma autoridade que, em seu âmbito científico, ninguém se atrevia a levar na brincadeira. Num raro caso registrado de alguém que o confrontou sobre essa questão do órgão da linguagem, Chomsky deu um jeito de sair brioso. O escritor John Gliedman lhe formulou A Pergunta. Estava ele dizendo que havia encontrado uma parte da anatomia humana sobre a qual nenhum anatomista, clínico geral, cirurgião ou patologista do mundo tinha jamais posto os olhos?

Não se tratava de pôr os olhos, respondeu Chomsky, porque o órgão da linguagem ficava dentro do cérebro.

Estava ele então dizendo que um órgão, o da linguagem, ficava dentro de outro órgão, o cérebro? Mas os órgãos são por definição entidades separadas. “Há um lugar especial no cérebro e uma espécie peculiar de estrutura neurológica que inclua o órgão da linguagem?”, questionou Gliedman.

“Pouco se sabe sobre os sistemas cognitivos e sua base neurológica”, disse Chomsky. “Mas, ao que parece, a representação e o uso da linguagem implicam estruturas neurológicas específicas, embora sua natureza ainda não seja bem compreendida”.

Extrato de “O Reino da Fala” (Rocco).