Lula: “Querem inventar uma democracia sem povo”

PT dobra a aposta na candidatura de ex-presidente preso em Curitiba e mantém suspense sobre vice

Petistas formalizam Lula como candidato à presidência em São Paulo.
Petistas formalizam Lula como candidato à presidência em São Paulo.NACHO DOCE (REUTERS)
Mais informações

O PT cogitava o nome de Manuela D’Ávila (PCdoB), também candidata à presidência, como companheira de chapa e esperava-se que a decisão fosse anunciada em breve, mas na sexta a cúpula partidária, que visitou Lula em Curitiba, anunciou que pretendia deixar a decisão para daqui a alguns dias. Além de Manuela, Gleisi Hoffmann voltou a dizer que o Ciro Gomes, candidato do PDT, como vice - horas antes, o cearense havia lançado uma carta que parecia rechaçar a ideia, mas elogiava Lula.

Seja como for, o partido pode não conseguir empurrar a decisão tanto quanto gostaria.  Uma sinalização controversa do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) pode obrigar o partido a fechar a chapa até domingo. Lideranças do partido deram a entender que esta questão será discutida internamente após a convenção - após o rito de aclamação de Lula, o encontro foi fechado para a imprensa. O PROS e o PCO anunciaram apoio à chapa petista, sem, no entanto, pleitear a vice presidência.

O mantra da legenda foi repetido à exaustão pelos presentes: “Não existe plano B, não existe plano C, nosso plano é Lula”. Detido há mais de cem dias, o petista já demonstrou que o cárcere não é um obstáculo para suas articulações políticas. Resta ver até onde o partido pretende levar sua candidatura, que pode fazer água em breve quando o Tribunal Superior Eleitoral ou o Supremo Tribunal Federal julgarem a legalidade de sua candidatura.

O senador Lindbergh Faria (PT-RJ) defendeu que Lula seja mantido como candidato do PT independente de qualquer decisão da Justiça. “Se ele impugnarem a candidatura do Lula, por mim, a gente vai até o fim. Mesmo que ele seja eleito sub judice. Quero ver o povo eleger o Lula e o Judiciário não aceitar a vontade do povo. Esse povo se levantará!”, gritou. A tese defendida pelo parlamentar divide a legenda: parte da executiva nacional prefere que o partido troque o nome do ex-presidente pelo de outro candidato às vésperas do pleito.

O nome de Fernando Haddad, possível candidato do partido no lugar de Lula, foi um dos mais ovacionados pela militância. Na plateia uma dezena de cartazes com os dizeres “Marília [Arraes] governadora do Pernambuco” lembravam a todos que o acordo do PT com o PSB, que rifou a jovem candidata pernambucana, ainda era uma ferida não cicatrizada. O nome dela chegou a ser anunciado como a primeira a falar no evento, mas posteriormente a ordem foi trocada. Quando a lista com o nome de todos os candidatos a governador do partido foi lida, um coro de apoio a ela tomou conta do auditório por alguns minutos: “Marília! Marilia!”. O grito se repetiria por ao menos mais três vezes ao longo da convenção.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: