Itália abandona no mar outro barco com 224 imigrantes

Matteo Salvini, ministro de Interior italiano, chamou as pessoas resgatadas de "carne humana"

Agências
Um grupo de imigrantes é resgatado pela equipe do navio 'Aquarius', no dia 9 de maio.
Um grupo de imigrantes é resgatado pela equipe do navio 'Aquarius', no dia 9 de maio.Óscar Corral

O ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, negou a entrada em seu país de um barco com bandeira holandesa da ONG alemã Lifeline com 224 imigrantes resgatados em frente à costa da Líbia. Em seus já habituais vídeos ao vivo nas redes sociais, Salvini explicou nesta quinta-feira o que está acontecendo com o navio e acusou à ONG de não respeitar as ordens da Guarda Costeira italiana e líbia: "A Guarda Costeira italiana avisou-lhes que não se movessem, que a Líbia se responsabilizaria [de resgatar os imigrantes], mas eses desgraçados, inclusive colocando em risco a vida dos imigrantes nesses botes, não escutaram a ninguém e intervieram carregando à força essa grande quantidade de seres humanos, de carne humana a bordo". Salvini advertiu que "as ONGs não pisarão nunca mais os portos italianos".

Há dez dias, o navio Aquarius, das ONGs Médicos sem Fronteiras e SOS Mediterranée teve que desviar seu rumo até Valência (Espanha), acompanhado de dois barcos da guarda costeira italiana, depois que o país negou a entrada dos 630 refugiados resgatados no mar.

Mais informações

Salvini acrescentou que mandou uma nota oficial à Embaixada dos Países Baixos em Roma para saber se a embarcação da Lifeline pertence ao país. E agregou: "Itália vai ver esse barco em cartões postais, porque as regras devem ser respeitadas. Queremos acabar com a máfia da imigração clandestina que causa milhares de vítimas". Salvini, que também é líder do partido de ultradireita Liga, acrescentou que não permitirão a existência dos "táxis marítimos que depois desembarcam na Itália". O ministro do Interior atacou as ONGs, afirmando que elas "não fazem voluntariado", senão que "ajudam ao tráfico de seres humanos". Sobre os resgates, Salvini afirmou: "Esses falsos socorristas ligam mais para a própria carteira do que para salvar vidas". Ao falar dos países aos que pertencem os barcos, indicou: "Levem toda essa carga de seres humanos à Holanda, ou a Gibraltar, ao Reino Unido, à Espanha, à França ou onde queiram. Itália não pode assumir o fardo dos custos econômicos e sociais de uma imigração fora de controle".

Por sua parte, o ministro de Infraestruturas e Transportes, Danilo Toninelli, também informou que o barco de Lifeline está atuando "em águas líbias fora das regras do direito internacional" e que "embarcaram a 250 náufragos sem ter os meios técnicos para garantir sua segurança".

Mission Nr. 6 126 Menschen: gerettet! Unterstütze uns weiter. ❤️

Gepostet von LIFELINE am Mittwoch, 20. Juni 2018

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete