Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Maioria dos brasileiros quer que Temer controle o preço da gasolina

Greve dos caminhoneiros abriu debate sobre política de preços da Petrobras. Levantamento aponta que 66,8% é a favor de controle na bomba

Manifestante em frente a uma refinaria no Rio de Janeiro.
Manifestante em frente a uma refinaria no Rio de Janeiro. AFP

A crise aberta pela longa greve dos caminhoneiros em maio deixou sequelas difíceis de conter, como o debate sobre a política de preços flutuantes dos combustíveis aplicada pela Petrobras. Na queda de braço com os grevistas, o Governo Temer decidiu subsidiar o preço do diesel, mas segue negando que vá forçar uma alteração na forma de calcular o valor da gasolina. O desconforto com a alta na bomba, que alcançou 21,48% nos últimos 12 meses segundo o IBGE, segue em alta. De acordo com levantamento da consultoria Atlas Intelligence, 66,8% dos brasileiros acreditam que o Planalto deveria controlar os preços ao invés de deixá-lo flutuar segundo as oscilações do mercado internacional (opção escolhida por 25,5%).

No estudo, há ainda outras más notícias para o Governo e para os aspirantes ao Planalto que pretendem manter a atual política da Petrobras: a maioria dos entrevistados relaciona a alta dos combustíveis à política econômica de Temer (56,8%), e só uma minoria liga a mudança à escalada do preço internacional do barril do petróleo e outras condições de mercado (10,3%).

A pesquisa foi feita entre os dias 1 e 3 de junho pelo Atlas Intelligence usando uma metodologia que recruta aleatoriamente 2.000 entrevistados na Internet - uma modalidade ainda pouco usada no Brasil. As respostas são, então, rebalanceadas utilizando um modelo estatístico que considera sete características, que incluem região, gênero, renda ou ser beneficiário do Bolsa Família. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

Maioria dos brasileiros quer que Temer controle o preço da gasolina

Eleições 2018 e greve dos caminhoneiros

Maioria dos brasileiros quer que Temer controle o preço da gasolina

O levantamento perguntou ainda sobre o apoio dos eleitores (brasileiros com mais de 16 anos) a um golpe militar no lugar de eleições ( 64,9% foram contra, 17,7% a favor e 17,4% não respondeu). Perguntou ainda sobre o respaldo aos políticos após a greve dos caminhoneiros. Apesar da proeminência de Jair Bolsonaro durante a paralisação e da maior circulação de bandeiras ligadas ao candidato de extrema direita, como a defesa de uma intervenção militar,  segundo Andrei Roman, diretor-executivo do Atlas Intelligence, as cifras mostram um quadro sem grandes alterações na corrida eleitoral propriamente dita. Em resposta à pergunta, "quem é o político que você apoia mais após a greve", 28,4% responderam Lula (PT), contra 17,3% Bolsonaro (PSC), 7,1% Marina Silva (REDE) e 6,3% Ciro Gomes (PDT). "Essa pergunta serve para revelar uma espécie de piso para os candidatos na intenção de voto. A partir do nosso tracking diário interno sobre a intenção de voto nos candidatos, a nossa expectativa é que o próximo Datafolha vai mostrar que o Bolsonaro estagnou, mesmo no contexto do seu protagonismo na recente greve dos caminhoneiros. Ciro vai marcar entre 11% e 12% no cenário sem Lula", diz Roman.

MAIS INFORMAÇÕES