O adeus a Barbara, a matriarca da dinastia Bush

Primeira-dama entre 1989 e 1993, esposa e mãe de presidentes dos EUA, morreu aos 92 anos. Era considerada a “arma secreta” de Bush pai

A ex-primeira-dama Barbara Bush em um evento público na Virginia em outubro de 2007.
A ex-primeira-dama Barbara Bush em um evento público na Virginia em outubro de 2007.REUTERS
Mais informações
Aversão às elites castiga dinastias na campanha eleitoral dos EUA
Bono visita Bush em seu rancho no Texas

Barbara Bush, matriarca de uma das grandes dinastias políticas norte-americanas, morreu aos 92 anos em sua casa em Houston (Texas). Foi uma primeira-dama carismática e popular. Durante o mandato do marido, George H. W. Bush (1989-1993), ela chegou a ser chamada de “arma secreta” do republicano, que, por outro lado, foi pouco reconhecido durante seu tempo na ativa e não se reelegeu. Tiveram seis filhos, um dos quais, George, também seria presidente (2001-2009) e outro, Jeb, pré-candidato nas últimas eleições à Casa Branca. Nas primárias ela compareceu em um ato público para tentar reforçar a figura do filho diante do vendaval Donald Trump. Foi, novamente, a “arma secreta” de Bush; mas, novamente, a simpatia de Barbara não mudou as coisas.

A família anunciou no domingo que a ex-primeira-dama tinha passado a receber apenas cuidados paliativos na fase terminal de uma doença que não foi especificada no comunicado, depois de várias hospitalizações. Deixa o marido George H. W. Bush, de 93 anos, cuja saúde está muito debilitada.

Os dois se conheceram muito jovens, adolescentes, e se casaram aos 20 e 21 anos de idade. Barbara Pierce (seu sobrenome de solteira) nasceu na cidade de Nova York em 1925, no seio de uma família pertencente à igreja episcopal. O pai era um rico empresário. Até agora ela é a única mulher, junto com Abigail Adams (1744-1818), esposa e mãe de presidentes dos Estados Unidos.

É impossível desligar sua lembrança do cabelo que embranqueceu precocemente e dos colares de pérolas dos quais não se separava, fosse em um jantar de Estado ou usando um boné em uma partida de beisebol. Chegou à Casa Branca depois de uma primeira-dama icônica e influente, a também republicana Nancy Reagan, e tentou construir um perfil próprio no que definiu como um meio-termo entre um papel muito político como o de Rosalyn Carter — era sabido que assessorava o marido em todo tipo de decisões — e o papel protagonista, mas alheio à ação de Governo, de sua antecessora.

“Deem-lhe uma trégua”, disse defendendo Hillary Clinton

Embora em casa fosse ela quem impunha a disciplina, o público via em Barbara Bush uma atitude mais suave e mais cálida do que em seu marido, que, de fato, costumava se referir à primeira-dama para enfatizar o trabalho mais social ou humanitário de seu Governo. E, apesar disso, Barbara Bush demonstrava firmeza (assim como senso de humor). Na campanha eleitoral, atacou Bill Clinton por suas supostas infidelidades: “nunca negou que teve uma aventura, não?”, despachou em uma entrevista. No entanto, depois da vitória do democrata, saiu em defesa de Hillary Clinton quando esta desembarcou na Casa Branca e recebeu as primeiras críticas da imprensa (sim, começaram no primeiro dia). “Deem-lhe uma trégua”, reclamou aos meios de comunicação.

Costumava falar abertamente e sem cerimônias. Em 2014, durante uma entrevista, perguntaram o que achava de ter outro Bush presidente e disparou que já tinha havido “Bushes suficientes” na Casa Branca. “É uma absurdo se não encontrarmos mais de duas ou três famílias para concorrer à presidência”, disse.

A imprensa lembrou bem disso quando, um ano depois, seu filho Jeb, ex-governador da Flórida, se lançou à corrida pela candidatura republicana. E então, em uma festa do político em Bonita Springs, de repente apareceu em um vídeo projetado em uma tela grande. “Ei... Jeb, escute, é a mamãe. O que você quer dizer com ‘Bushes demais’? Eu mudei de opinião!”. E o público desatou a rir com a matriarca.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS