Seleccione Edição
Login

“É preciso ter a coragem de assumir o sofrimento que causamos aos animais”

Filósofa francesa Corine Pelluchon defende que o maltrato aos animais possa ser um sinal precursor da violência contra os seres humanos, especialmente contra os mais frágeis

A filósofa Corine Pelluchon
A filósofa Corine Pelluchon

A filósofa Corine Pelluchon, parisiense de 50 anos, representa um novo paradigma do movimento animalista mundial. Embora não deixe de apelar às nossas consciências e de denunciar energicamente a violência que, segundo ela, nossa sociedade exerce contra os animais, inclusive com tons dramáticos que deixariam no chinelo as histórias de Dumbo e Bambi, afasta-se das colocações mais veementes e radicais (como as dos vegansexuais, que se abstêm de relações íntimas com os consumidores de carne) em nome do pragmatismo. É um animalismo amigável. Defende caminhos realistas, serenos e de educação e consenso para obter um mundo no qual o sofrimento animal desapareça de maneira paulatina, ou pelo menos se reduza substancialmente em prazos concretos.

Pelluchon apresentou recentemente em Barcelona seu Manifeste Animaliste (inédito no Brasil), um livro intenso, “de ação”, que tem como subtítulo “Politizar a questão animal” e que, apesar da sua brevidade, tem tudo para marcar época. A obra, ao mesmo tempo em que analisa a situação atual desse assunto, faz uma declaração de intenções e apresenta uma proposta clara e concisa para avançar de maneira decisiva em nossa relação com os animais. O seu libelo, que se baseia formalmente no Manifesto Comunista de Marx e Engels, embora neste caso se trate de propor um combate contra a exploração dos bichos, e não dos humanos, termina com uma conclamação reconhecível e sonora: “Animalistas de todo o mundo, de todos os partidos e de todos os credos, uni-vos”. E acrescenta que, se fizermos justiça aos animais, “salvaremos nossa alma e garantiremos nosso futuro”. Professora e doutora em filosofia prática na Universidade do Franco-Condado (Besançon), Pelluchon é especialista em filosofia política, moral e ética aplicada.

Pergunta. A senhora descreve nossa relação com os animais em termos dramáticos. Fala de vergonha, de injustiça, de que estamos perdendo nossa alma, de uma “era da desolação”. Afirma que os operários da pecuária industrial precisam tampar os ouvidos para não ouvir os porcos guinchando enquanto os castram.

Muita gente dá as costas para o que acontece nos matadouros, criamos o inferno para os animais

Resposta. Muita gente dá as costas para o que acontece nos matadouros, o inferno que criamos para os animais. Acho que se deveria explicar o que realmente acontece na pecuária industrial, dizer às pessoas o que realmente acontece nos locais de sacrifício, retirar o véu que faz com que muitas pessoas vivam na ignorância do terrível sofrimento que se causa a eles e nos desumaniza.

P. A senhora escreve que por trás de cada fatia de salame “há transportes intermináveis, a espera e o pânico no corredor da morte”. É uma linguagem de genocídio.

R. Temos de admitir que estamos causando uma dor tremenda a outros seres sencientes, termo que designa a capacidade de sentir de maneira individual e subjetiva. Deve haver uma consciência geral do que implica o nosso atual modelo de operação, um modelo cruel que, além disso, está esgotado e é insustentável. A pecuária intensiva não é viável. O custo ambiental e social do consumo de carne é muito alto. Estamos em uma encruzilhada. Precisamos ampliar a base do movimento pelos direitos dos animais. Aumentar o número de pessoas que entendam o quanto o sistema é cruel e absurdo. Isso é o que dá força à causa animal e a tira de seu isolamento. Até agora, o movimento é integrado por membros muito convencidos, ativistas muito comprometidos, mas é preciso incorporar uma parte muito maior da sociedade. Não se cresce com aqueles que já estão conscientizados. É preciso dar um passo adiante, mudar a estratégia, fazer um apelo mais amplo. Entre os defensores dos direitos dos animais, todos nós estamos de acordo e não há nenhuma discussão, mas nós sozinhos não ganhamos nada. Devemos estabelecer regras de coexistência, lançar pontes, construir um amplo consenso para avançar nos direitos dos animais.

Precisamos conseguir a supressão de algumas práticas que são um claro maltrato. As touradas, que são de uma crueldade inaudita, as lutas entre animais, a caça, o comércio de peles e os espetáculos em que são humilhados

P. Qual é a chave para sensibilizar mais gente?

R. Convencer é essencial. Não impor. Devemos ser muito didáticos, menos dogmáticos, menos intransigentes com aqueles que têm opiniões diferentes. Abrir os olhos deles. É preciso ter paciência. Os animalistas exaltados realmente prejudicam a causa. O discurso deve ser firme e moderado ao mesmo tempo. As pessoas devem entender que o bem-estar dos animais e o seu caminham juntos, que construindo uma sociedade mais justa com os não humanos ela se torna melhor para os seres humanos. Sua libertação será a nossa. Trata-se, em suma, de se comprometer a fazer um mundo melhor. Não é nada marginal e todos nós podemos fazer alguma coisa. A causa animal é uma oportunidade para aprofundar o humanismo. É um projeto político e de emancipação que completa a herança do Iluminismo, o Século das Luzes. É necessário ampliar a ideia de que o limite da minha liberdade é a liberdade do outro: que esse outro pode não ser humano, mas de outra espécie. Compreender que isto implica uma mudança muito grande, claro. Mas, insisto, não se pode correr. Devemos construir um consenso.

P. Mostrando o que acontece nos matadouros é possível avançar?

R. É preciso mostrar os maus-tratos, sem dúvida. Há vídeos de associações que fazem esse trabalho. Mas não basta. Porque há pessoas que os veem e querem esquecê-los. O que eles mostram é tão horrível... Devemos ser corajosos para assumir o sofrimento e a vergonha de ver o que fazemos aos animais. É uma experiência que abre uma ferida imensa. Mas não é suficiente apenas o trabalho no plano das emoções. Devemos estar dispostos a dar um passo para além do horror e da indignação. E para isso devemos fornecer ferramentas políticas, filosóficas e éticas. Explicar que esta é uma oportunidade de regeneração social, política e até mesmo espiritual. Essa é a minha missão, que as emoções se cristalizem em algo mais sólido e racional que ajude a dar o passo da tomada de consciência para a ação. Hoje, infelizmente, poucas pessoas dão esse passo.

P. Existem resistências.

R. Claro. Os resultados só serão alcançados se os exploradores dos animais também encontrarem outro lugar no mundo. Você não pode pedir às pessoas que deixem seu trabalho sem ter uma alternativa, é preciso reciclá-las. E você não pode pretender que as pessoas deixem de comer carne sem oferecer a elas facilidades para mudar o cardápio. A maioria não o fará se isso exigir sacrifícios, não sejamos ingênuos. Só vamos comer de outra maneira se for fácil e agradável fazê-lo. Isso requer repensar os refeitórios das empresas, das escolas, os cardápios dos restaurantes. Os cardápios dos hospitais são particularmente terríveis: se você é vegano e for hospitalizado, você morre de fome.

P. Você não exorta a arrancar os hambúrgueres dos dentes dos carnívoros.

R. Claro que não, as pessoas podem ficar tranquilas. Nem para libertar os hamsters. Não falo em obrigar. Sou muito democrática. É necessário que as pessoas queiram essas mudanças e desfrutem delas.

P. Qual prazo imagina?

R. Nesta geração, não veremos a eliminação da exploração dos animais, que é um objetivo de longo prazo, mas as seguintes o farão melhor. Agora se trata de não piorar a situação e ir avançando. Deveria haver um período amplo de transição. Numa primeira fase, conseguir melhorar a condição animal, a supervisão rigorosa de matadouros e de toda a linha de produção, eliminar o sofrimento desnecessário, que se atordoem bem os animais. E a supressão de algumas práticas que são um claro maltrato. As touradas, que são de uma crueldade inaudita, as lutas entre animais, a caça, o comércio de peles e os espetáculos em que são humilhados. Deveríamos avançar gradualmente de um bem-estar para um abolicionismo. 

P. Os animais têm um peso importante na comida da França. O que devem pensar de você, uma mulher francesa, questionando a cozinha tradicional!

R. Nos restaurantes clássicos é difícil que te ofereçam algo mais do que verduras austeras. Há uma enorme falta de imaginação nos chefs, pouco importa quantas estrelas tenham. É preciso ser capaz de apresentar substitutos atrativos às proteínas animais e bons pratos vegetarianos. A cozinha é prazer e deve continuar sendo. Não se deve proibir nada, com alguma exceção, como o foie-gras. Imagino que alguns considerarão isso um anátema. Mas o que se faz aos gansos, deixando seu fígado doente, é de uma crueldade indefensável.

P. A senhora acha que o dano que causamos aos animais ainda é pouco explicado?

R. O sentido de dominação está profundamente enraizado no ser humano. Praticamos uma violência sem complexos com aqueles que não são como nós. Para mudar nosso modelo de relação, baseado na vaidade e no complexo de superioridade, devemos atuar em camadas muito profundas e arcaicas do nosso psiquismo. Somos pouco capazes de nos relacionar com a natureza sem dominá-la. É preciso aprender a fazer isso. Há uma crueldade intrínseca no homem. Com tudo. Uma vontade destrutiva que deve ser analisada. Dizer o contrário é idealista e estúpido. Devemos estudar como canalizar esses impulsos. Essa destrutividade irracional e sem complexos contra os mais vulneráveis, os que não falam e não irão à polícia.

P. Em seu manifesto, a senhora menciona o abolicionismo e a proclamação da igualdade dos direitos das mulheres como precedentes do animalismo. Não é perigoso equiparar essas causas, a luta contra o racismo e o sexismo com o animalismo? Negros, mulheres e animais...

R. Não confundo em absoluto essas batalhas. Jamais disse que os animais são como os negros antes da abolição da escravidão. Nem como as mulheres. O que digo é que são causas históricas que podem servir para marcar um caminho. E que a estratégia pragmática de Lincoln pode ser um exemplo. No caso das mulheres, aqueles que relacionam as duas violências não estão equivocados: os que maltratam os animais muitas vezes maltratam mulheres e crianças. O maltrato aos animais pode ser um sinal precursor da violência contra os seres humanos, especialmente contra os mais frágeis. Existe uma relação indubitável entre a violência contra os animais e contra as mulheres.

P. Você tem uma perspectiva feminista sobre o animalismo?

R. Há feministas que consideram a dominação um assunto falocrático. Deixo isso para elas. O que me interessa é o ecofeminismo, com sua reivindicação da vulnerabilidade do planeta.

P. Você diz que o animal é o outro, o diferente.

R. Os animais são nossos professores na alteridade. Mas eles também são sujeitos políticos, embora não sejam plenamente cidadãos. A cidadania exige uma percepção do interesse geral de uma comunidade que eles não possuem. Na comunidade mista que formamos com eles, somos nós que temos de nos ocupar dos direitos deles, é um modelo semelhante ao que se aplica às pessoas em situações de dependência.

P. E as plantas, que também sentem? Posso ser denunciado por maltratar uma figueira?

R. É um caso diferente, não há primeira pessoa nas plantas, a percepção do eu, o medo da morte, a expressão do prazer. Com elas devemos falar de respeito, não de justiça.

P. O animalismo não está renegando o Neolítico e tudo o que nos tornou humanos?

R. A domesticação foi importante para a humanização, ninguém duvida disso, mas eram outros tempos e o número de seres humanos era infinitamente inferior. Nós simplesmente não podemos manter o mesmo esquema de exploração. O contexto mudou. E agora podemos nos alimentar de outra maneira. De fato, as necessidades da pecuária intensiva para fornecer carne ao Ocidente contribuem para a fome e a desnutrição no resto do mundo. E nós não precisamos mais de animais tampouco como força motriz e nem de suas peles. A propósito, você sabe que a indústria da moda é a segunda mais poluidora do mundo e prejudica a saúde ambiental? As condições de trabalho nos curtumes são terríveis. Meu pai tinha vacas...

P. Que coisa! Mas se você critica, no manifesto, beber o leite de uma mãe cujos filhotes lhe foram arrebatados assim que nasceram.

R. Também estamos falando de outra época, meu pai conhecia cada uma de suas vacas pelo nome. E essas vacas viviam quatorze anos e não quatro como agora, que a pecuária foi industrializada.

P. Até onde vão chegar os direitos dos animais? Se os dermos aos grandes macacos e elefantes, mas não aos ratos?

R. A justiça para com eles coloca a questão básica de quais direitos devemos lhes dar. Isso levanta um questionamento dos nossos limites. É claro que seus direitos são diferentes daqueles dos seres humanos, e deve ser assim para cada espécie de animal. Não se deve cair no absurdo. As abordagens maximalistas são ruins para a causa. Até onde podemos ir? O que devemos fazer com os animais que nos prejudicam ou incomodam? Algumas espécies nocivas foram atraídas por nós ao nosso ambiente. O problema de impedir sua proliferação surge, mas matá-los deve sempre ser algo excepcional. Devemos estudar caso a caso. Os mamíferos devem ter os mesmos direitos que os insetos? Certamente não. Mas devemos lembrar que na Suíça é proibido ferver as lagostas vivas desde que se proibiu que elas sofressem. E poucas pessoas percebem a dor dos peixes simplesmente porque não os ouvimos gritar.

P. Algumas espécies deveriam aspirar à soberania? Nem os catalães resolveram isso...

R. Existem aqueles que consideram que podem viver livremente em um território, os animais, e que regras específicas sejam respeitadas. Mas as relações entre animais e seres humanos não podem ser comparadas às dos nossos Estados ou sociedades entre elas.

P. Você é contra zoológicos, golfinhários e circos com animais.

R. Os animais selvagens não querem estar conosco. E o fato de prendê-los é moralmente problemático. Mas tudo isso exige muita sutileza. Nas discussões, muitas vezes se misturam muitas coisas, se junta tudo. Somos acusados de querer conceder direitos humanos aos animais, não, não, existe uma assimetria básica insuperável. Isso, naturalmente, agrava nossa responsabilidade para com eles.

P. E quanto à equitação? Devemos parar de montar a cavalo e nunca mais será possível rodar faroestes?

R. Devemos distinguir entre exploração e utilização. Existem animalistas que se opõem inclusive a ter um cachorro ou um gato. Eu acho que você pode tê-los se você não os explorar. Cães-guia são um assunto delicado, seu treinamento é muito duro. O adestramento de cavalos de hipismo é a mesma coisa. Eu tenho uma gata, Tess, adotada há sete anos, ela tinha sido abandonada.

P. Então deveríamos perguntar a opinião dela?

R. Ela parece feliz. Mas não se espante, ela me cria problemas: eu a impeço de matar pássaros, mas ela não é vegana. Com animais de estimação você não pode ser perfeito.

MAIS INFORMAÇÕES