Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine
Embu das Artes

Subsecretário de comunicação é suspeito de atentado contra jornalista

Polícia Civil indiciou Renato Oliveira e seu segurança, o agente penitenciário Lenon Roque, por atentado contra jornalista Gabriel Binho, em Embu das Artes (Grande SP)

Renato Oliveira (esquerda), ao lado do prefeito Ney Santos, em visita a Brasília.
Renato Oliveira (esquerda), ao lado do prefeito Ney Santos, em visita a Brasília. Foto do Facebook

A Delegacia Seccional de Taboão da Serra, na Grande SP, indiciou nesta sexta-feira (16/2) o subsecretário de comunicação da Prefeitura de Embu das Artes, Renato Oliveira, e o agente penitenciário Lenon Roque, segurança de Renato, como suspeitos de serem os autores de um atentado contra o jornalista Gabriel Binho, ocorrido em 28 de dezembro do ano passado.

O inquérito policial, conduzido pelo delegado seccional Antônio José de Correia Sampaio, aponta que o subsecretário Oliveira dirigia o veículo Hyundai i30 no momento do ataque contra o jornalista. O motorista foi o responsável por jogar o automóvel contra a moto de Gabriel quando ele voltava de Embu pela rodovia Régis Bittencourt. O segurança de Oliveira, Lenon Roque, teria sido o autor de três tiros disparados contra o jornalista.

Os dois foram indiciados por lesão corporal grave. A pena para este tipo de crime é de um a cinco anos de reclusão. Até o momento, a Polícia Civil pediu a prisão de nenhum dos suspeitos.

Binho, logo após o ataque a tiros, em 28 de dezembro.
Binho, logo após o ataque a tiros, em 28 de dezembro. Foto: arquivo pessoal

Em seu Facebook, o subsecretário se apresenta como “Marketeiro por vocação. Irônico de . Detestado pelos petralhas desde 1993”.

“Suposto atentado”

Em 4 de fevereiro, o secretário de comunicação Jonas Donizette disse à Ponte que as reportagens de Binho “não incomodam nem um pouco” a gestão de Ney Santos. Disse também que “os supostos crimes já são conhecidos como marketing do PT” no município de Embu das Artes. E também afirmou que a prefeitura não tinha nenhum envolvimento no caso.

No dia 19 de janeiro, Donizette fez uma transmissão ao vivo em seu Facebook onde diz que, em época de eleição, sempre surgem atentados como este na cidade. Além de dizer que Binho é filiado ao PT.

O vídeo também lembra um atentado nos anos 2000 ao então prefeito e atual deputado estadual, Geraldo Cruz (PT). “Quem não se recorda no ano 2000 do suposto atentado à bomba na casa de Geraldo Cruz? Posteriormente, em outro ano eleitoral, um possível assalto à casa do deputado colocou ele como vítima, e mais uma vez nada ficou provado” e relaciona a violência do político com a contra o jornalista. “Agora em outro ano eleitoral, o petista Gabriel Binho sofre um suposto atentado novamente.”

Porém, após a polícia confirmar que pessoas que fazem parte da Prefeitura seriam indiciadas pelo atentado, Jonas limitou-se a dizer que “o posicionamento oficial da prefeitura será feito depois que nosso departamento jurídico tiver acesso ao processo na segunda-feira [amanhã]”.

Gabriel Binho nega que tenha envolvimento político: “Não sou filiado e não tenho qualquer partido”. Ele também informa que “[Jonas] tenta me desqualificar e o jornal ao qual pertenço, porque temos feito muitas matérias críticas à atual gestão”.

O jornalista ainda afirma que “não existe nenhuma possibilidade de não ter pessoas ligados ao governo” no atentado. “Os tiros e a mensagem horas depois dizendo que ‘os próximos tiros seriam na minha cara’ pra eu ‘aprender a parar de ser falador’ deixam claro isso”, afirma.

A assessoria de Geraldo Cruz disse que o ex-político não tem envolvimento próximo com Binho e que o relacionamento entre os dois é de jornalista e político.

O atentado

O jornalista voltava de Embu em sua moto pelo Km 279 da rodovia Régis Bittencourt, quando um automóvel i30, de cor prata, o derrubou da motocicleta. O veículo de Binho foi arremessado para um barranco existente na via. A vítima conseguiu se levantar. Neste momento, o carro retornou e um homem armado efetuou três disparos contra ele.

Horas depois da violência, ele recebeu uma ameaça no Facebook afirmando que os próximos tiros seriam “na cara” dele.

Colaborador do site Verbo Online, Gabriel acredita que o atentado tem a ver com reportagens críticas feitas por ele ao prefeito Ney Santos (PRB). Desde agosto do ano passado, o jornalista vem fazendo matérias sobre a taxa de lixo, que foi aprovada pela Câmara de vereadores de Embu em regime de urgência no dia 27 de setembro de 2017.

MAIS INFORMAÇÕES