Queda de ponte mata nove pessoas na Colômbia

Estrutura que ligaria Bogotá a Villavicencio caiu com 20 operários em cima. Inauguração seria em março

A ponte que ligaria Bogotá a Villavicencio, após o desabamento
A ponte que ligaria Bogotá a Villavicencio, após o desabamentoJAIME SALDARRIAGA (REUTERS)
Mais informações
Versões desencontradas sobre morte de turista espanhola no Peru tornam caso nebuloso
Um avião turco com 162 passageiros cai num barranco, mas ninguém se fere
Um ano após morte de Zavascki, relatório parcial da PF descarta sabotagem

Pelo menos nove pessoas morreram e três ficaram feridas após o desabamento de uma ponte em construção que ligaria Bogotá a Villavicencio, no sudeste da Colômbia. A Unidade de Gestão de Riscos, presente no local, confirmou que não há mais desaparecidos sendo buscados. A estrutura seria inaugurada em março.

O acidente ocorreu na segunda-feira na região montanhosa conhecida como Chirajara, onde está sendo duplicada a rodovia Bogotá-Villavicencio. A obra inclui a construção de dezenas de viadutos e pontes ao longo dos 120 quilômetros de percurso, numa área com orografia complexa. A ponte que caiu tinha 446 metros de comprimento, a mais de 280 metros de altura. As vítimas eram soldadores que estavam na parte baixa da estrutura. No momento da tragédia, dezenas de outros operários estavam no horário de almoço.

A empresa Coviandes, encarregada das obras no trecho afetado, disse que “as causas [do desmoronamento] ainda são desconhecidas e serão tema de investigação”. O ministro dos Transportes, Germán Cardona, viajou ao local do acidente e comentou que há exatamente um mês esteve com o presidente Juan Manuel Santos visitando as obras. “É uma ponte estaiada e faltavam só 20 metros para terminar o fechamento definitivo”, disse Cardona.

Bombeiros de Villavicencio e das localidades próximas de Guayabetal e Cáqueza foram mobilizados para os trabalhos de socorro. Através da Unidade de Gestão de Risco de Desastres, o Governo enviou uma equipe de 64 especialistas em busca e resgate em grandes alturas, para prestar apoio à Agência Nacional de Infraestrutura nos trabalhos de socorro aos operários.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS