Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Coreia do Norte concorda em enviar atletas a Jogos de inverno na Coreia do Sul

Países se reuniram pela primeira vez em dois anos, depois de uma etapa de fortes tensões

Os líderes das delegações da Coreia do Sul e do Norte, antes de começar o encontro.
Os líderes das delegações da Coreia do Sul e do Norte, antes de começar o encontro. Getty Images

A Coreia do Norte participará dos Jogos Olímpicos de Inverno na Coreia do Sul no mês que vem. A informação foi confirmada pelo vice-ministro da Unificação do Sul, Chun Hae-sung, na conclusão da primeira rodada de negociações entre os dois países depois de dois anos. Conversas que, com o objetivo declarado de abordar o tema dos Jogos Olímpicos, tinham como pano de fundo a vontade, pelo menos por parte do Sul, de encerrar uma fase de enorme tensão e de começar um degelo gradual entre dois países que, tecnicamente, continuam em guerra. Pyongyang, segundo Chun declarou a repórteres, enviará uma delegação composta por atletas, altos oficiais, artistas e torcedores.

Uma das propostas apresentadas pela Coreia do Sul durante a reunião, que durou quase duas horas e meia, foi que ambas as delegações desfilassem juntas na abertura dos jogos de PyeongChang.

Outra proposta é que as duas Coreias realizem um encontro de seus corpos militares para tentar reduzir a tensão que gerou o desenvolvimento do programa nuclear norte-coreano. Uma terceira proposta permitiria, durante o Ano Novo da Ásia, em meados de fevereiro e coincidindo com os Jogos, uma reunião de famílias separadas pela guerra.

A reunião, que gerou uma grande expectativa e começou às 10h (23h de Brasília da segunda-feira), durou quase duas horas e meia e ocorreu em um ambiente tranquilo. Os presidentes das respectivas delegações, o ministro da Unificação sul-coreano, Cho Myoung-gyon, e Ri Son-gwon, que lidera o Comitê norte-coreano para a Reunificação Pacífica da Coreia, iniciaram a reunião com um aperto de mãos. Cada equipe tinha cinco pessoas.

O encontro histórico aconteceu depois de vários gestos de aproximação entre os dois países, desencadeados por uma surpreendente mudança no tom do líder norte-coreano, Kim Jong-un, que defendeu melhorar as relações com o Sul e enviar uma delegação aos Jogos que começam em 9 de fevereiro.

"Venho com a esperança de que as duas Coreias mantenham as conversas com uma atitude sincera e fiel", disse o representante norte-coreano em seu discurso de abertura. O enviado de Pyongyang enfatizou que o povo coreano "possui grandes expectativas" em relação ao encontro. O ministro da Unificação sul-coreano pediu que as conversas sejam conduzidas "com determinação e persistência" e lembrou que a reunião ocorre em um contexto em que as relações bilaterais estão "muito desgastadas", informou a agência Yonhap. "As pessoas têm um forte desejo de ver o Norte e o Sul trabalhando para a paz e a reconciliação", acrescentou.

MAIS INFORMAÇÕES