Seleccione Edição
Login

O filósofo que analisa as virtudes do fracasso, de Thomas Edison a Steve Jobs

O francês Charles Pépin acredita que errar é necessário para entender nossos desejos

Charles Pépin.
Charles Pépin.

O fracasso é, desde o início da nossa civilização, uma fonte de medo e vergonha. O filósofo Charles Pépin (Saint-Cloud, França, 1973) pensa, ao contrário, que experimentar o fiasco e a frustração inerente a ele é o que, no fundo, nos torna humanos. De acordo com o pensador francês, a inteligência de um indivíduo é quantificada pela capacidade de analisar e corrigir seus erros. Nesse sentido, cometer erros não é apenas inevitável, mas necessário para entender nossos desejos e prioridades. Professor do Instituto de Estudos Políticos de Paris e conferencista muito solicitado, Pépin desenvolve essas teses em As Virtudes do Fracasso (cuja edição brasileira deve sair neste ano), um tratado que defende uma mudança de atitude em relação ao desapontamento. No livro, o autor elabora uma lista de personagens que tiveram êxito depois de terem falhado, de Thomas Edison a Steve Jobs, e também de invenções que surgiram a partir de erros de apreciação bem conhecidos, como o Viagra ou as cápsulas de café. O objetivo de Pépin, como ele relata em um café parisiense, é aprofundar um assunto que a maioria dos grandes filósofos ignorou obstinadamente.

Pergunta: Por que o fracasso foi um assunto tão pouco abordado pela sua disciplina?

Resposta: Na filosofia ocidental se falou pouco sobre os aspectos concretos da existência. O fato de fracassar não é mencionado nos Diálogos, de Platão, nos escritos de Descartes ou de Kant, nem nos tratados dos existencialistas. Existe alguma exceção, como a filosofia dos estoicos, que falaram da necessidade de aceitar a frustração inerente à vida. Mais tarde, Hegel também considerou que as experiências negativas eram necessárias: assim como não há tese sem antítese, o sucesso não existe sem o fracasso. Já no século XX, a epistemologia refletirá a pontuação sucessiva que é própria do método científico, o que implica erros sucessivos até atingir um resultado satisfatório. Qualquer êxito pode ser considerado, nesse sentido, um fracasso corrigido.

P. Em seu livro, o senhor define o fracasso como um problema filosófico, mas também social. O que nos impede de aceitar, socialmente falando, o fato de falhar?

R. Para começar, o fracasso de um projeto particular é muitas vezes confundido com o de nossa pessoa em sua totalidade. Eu não conheço bem a situação espanhola, mas diria que é semelhante à francesa. Nossa sociedade está doente porque é incapaz de aceitar o erro. Conheço jovens traumatizados por um sistema escolar que não favorece a singularidade, o que os obriga a se adaptar ao que foi definido como a norma. Nas empresas, há muitos trabalhadores marginalizados por terem cometido um único deslize ao longo de suas carreiras. Na França, o atípico é punido para preservar um sistema muito homogêneo, no qual se aspira a que todo mundo se pareça.

P. Em seu livro o senhor faz um inventário dos mitos franceses que ressurgiram das cinzas depois de pronunciados fracassos. Por exemplo, quase todos os presidentes desde Charles de Gaulle viveram longas travessias do deserto...

R. Uma exceção é Emmanuel Macron, embora ele certamente viveu algum fracasso durante a infância. Estes são geralmente os que deixam uma marca mais profunda. Como eu disse, a origem do problema reside no modelo fundador da escola pública, que exige que todos os alunos sejam iguais. Que respondam às mesmas regras, que falem a mesma língua, que aprendam a mesma história e depois a repitam com a mesma retórica. Nem tudo é ruim nesse modelo: é o sistema em que se baseia a igualdade republicana e, como tal, é intocável. Mas não há como negar que mais de 30% dos empresários experimentaram o fracasso escolar. Nas carreiras artísticas e no esporte a porcentagem é semelhante. São números que devem nos levar a refletir.

P. Diante da rigidez europeia, o senhor parece defender o modelo norte-americano, que considera mais tolerante com o fracasso. Não era o contrário?

R. Um banco norte-americano aceita dar uma oportunidade a um empresário que, em determinado momento, cometeu um erro. Na maioria dos países europeus te fecham a porta. Na França, te colocam em uma lista negra quando você tem um problema financeiro. Desde 2013, isso não é mais possível, mas a percepção do fracasso continua sendo a mesma. Nos Estados Unidos, o espírito aventureiro é favorecido por causa da mentalidade pioneira. O próprio descobrimento da América foi um erro de navegação... Dito isto, tampouco idealizo esse sistema. Lá tudo é pensado para que o sucesso acabe chegando, cedo ou tarde. Mas, no caso de não chegar, o Estado ignora totalmente esse indivíduo. Na Europa, pelo contrário, você sempre tem uma rede de segurança.

P. Algumas pessoas interpretam as suas teses como um elogio da mediocridade.

“Nas empresas, há muitos trabalhadores marginalizados por terem cometido um único deslize ao longo de suas carreiras”

R. Não é o meu raciocínio. Não digo que todos os fracassos sejam positivos. O que digo é que é preciso fracassar de uma maneira interessante, com vontade de ser corajoso e original. Acho que chegamos ao fim do ciclo de obsessão pelo sucesso. Há anos Michael Jordan se dedica a dar palestras sobre os fracassos de sua carreira. E o tenista Stanislas Wawrinka tatuou no braço uma famosa citação de Beckett, retirada do seu livro Para o Pior Avante: “Você tentou. Você falhou Tanto faz. Tente novamente. Fracasse novamente. Fracasse melhor”. De acordo, ainda não é uma opinião hegemônica, mas me parece sintomático de uma erosão do modelo dominante.

P. Em que momento começou essa mudança de mentalidade?

R. A crise financeira da década passada foi um ponto de inflexão. Foi um kairós, para usar o termo dos filósofos gregos, um momento oportuno para a mudança. A crise questionou o sistema de valores que sustentava a ideia do sucesso. Foi um momento em que muitas portas se fecharam, mas algumas janelas também se abriram.

P. Seu ensaio também analisa o fracasso do ponto de vista psicanalítico. Ele o define como uma vitória inconsciente, pois nos aproxima do que realmente queríamos apesar de não sermos conscientes disso.

R. Lacan costumava dizer que todo ato falho esconde um discurso de sucesso. Podemos usar o exemplo de Nicolas Sarkozy. Quando ele se retirou da vida política, a primeira coisa que disse foi que isso permitiria que ele cuidasse mais da família, que havia negligenciado durante anos. Inconscientemente, viu em seu fracasso eleitoral a oportunidade de fazer algo positivo. É perigoso não se dar conta da dissociação em relação aos nossos desejos inconscientes. Muitas vezes, temos que fracassar repetidamente até cairmos rendidos e até nos sentimos deprimidos. É quando percebemos que estamos errados, que isso não é o que queríamos fazer com nossas vidas, tanto no aspecto profissional quanto no afetivo. Fracassando uma e outra vez vamos nos aproximando, pouco a pouco, da verdade.

P. Não existe o perigo de cair na lógica do pensamento positivo, inspirado na filosofia de Emerson, que considerava que qualquer experiência, boa ou ruim, sempre acaba sendo proveitosa?

R. É muito sedutor pensar isso, mas não é o que defendo. Acredito que todas as experiências não são benéficas. A negatividade total também existe. Há fracassos dos quais nunca se recupera, o que pode até levar ao suicídio. O que eu digo é que o fracasso é uma experiência humana. E que chegaremos mais longe se o adotarmos e o corrigirmos do que negando sua existência. O fracasso nos ajuda a nos reorientar e a nos reinventar.

MAIS INFORMAÇÕES