Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Slavoj Zizek, o filósofo viral

Pensador esloveno estoura nas redes sociais com vídeos e linguajar sem preconceitos

Slavoj Zizek
O filósofo e sociólogo esloveno Slavoj Zizek no Círculo de Belas Artes, em Madri.

Desenvolver um discurso lúcido misturando pornô com subjetivismo, escatologia com refundação da esquerda, Lacan com Ernst Lubitsch, temperado com piadas locais e referências a Taylor Swift –eis uma coisa que não está ao alcance de muita gente. No caso do filósofo Slavoj Zizek (Liubliana, Eslovênia, 1959), isso se transforma em arte. Ou espetáculo, como dizem seus críticos.

O pensador esloveno é um filósofo controverso e polêmico, um agitador de consciências alinhado com o politicamente incorreto. Sua erudição, sua fluidez teórica e seu amplo leque cultural o transformaram em uma espécie de Sartre deste começo de século, pelo menos quanto à sua capacidade de expansão na esfera pública, segundo seus defensores. A um só tempo, sua capacidade de comunicação (esmagadora), o uso de um linguajar desprovido de preconceitos (nas antípodas da Academia) e seu domínio das referências da cultura pop o ajudaram a levar sua mensagem a jovens de 20 e 30 anos insatisfeitos com o estado atual das coisas, inconformados com a ordem estabelecida pelo paradigma neoliberal. Ele se ligou a eles por aquilo que defende.

E pelos vídeos no YouTube.

A viralidade de suas intervenções, como a da hilariante explanação em que explica as diferenças entre o pensamento francês, inglês e alemão fazendo uma analogia com a forma com que são desenhados os vasos sanitários em cada um desses países, ajuda a explicar, ao menos em parte, a fila que se formou na quarta-feira passada nas proximidades do Círculo de Belas Artes de Madri para assistir à palestra intitulada Alegações em defesa de um socialismo burocrático. Cerca de 500 pessoas, segundo os cálculos feitos nesse centro cultural da cidade, ficaram do lado de fora.

Pérolas e piadas

Pérolas. Em seu encontro de quinta-feira com jornalistas no Museu Reina Sofía, Zizek soltou frases como...

“Ao ver Trump, a gente sente saudade de George Bush”.

“A alternativa política será alguma forma de comunismo. O capitalismo está chegando perto de seu limite”.

“Não confio nas máquinas. A tecnologia não é neutra”.

Piadas. O autor esloveno gosta de rechear suas intervenções com piadas. Na quarta-feira passada, ele explicou, no Círculo de Belas Artes, porque os marxistas gostam tanto da psicanálise: "porque é a única explicação para o fato de as pessoas ainda não terem feito a revolução."

O caso de Carlos Fulgado, jovem estudante de Física de 18 anos, ajuda a explicar o fenômeno. Na quarta-feira, ele chegou pouco antes das 17h no Círculo de Belas Artes para reservar um bom lugar para assistir à conferencia, marcada para as 19h30. Fulgado conta que chegou a Zizek “pelo lado mais mainstream [tendência da moda]”, ou seja, ouviu falar dele e viu pedaços de seus vídeos no YouTube, principalmente trechos do seu Guia de cinema para pervertidos e do Guia ideológico para pervertidos, documentários escritos e apresentados por ele. Tentou ler coisas maiores e mergulhar no livro Em defesa da intolerância, que se mostrou uma droga pesada para um garoto com apenas 15 anos na época. Ele foi o primeiro a se aproximar para dar um aperto de mão quando o filósofo chegou ao local. “Ele subverteu a forma clássica de abordar a filosofia”, diz o jovem espanhol, “em vez de falar de cima de uma torre de marfim, apelou para o fenômeno hipster. Sabe criar empatia com a juventude, com essas referências que utiliza, David Lynch, Starbucks...”. Conta também que, hoje, já devorou de oito a dez livros de Zizek. Isso, com seus 18 anos.

Pouco antes dele, às 15h45, chegou Pablo Castellano, de 24 anos, o primeiro da fila, estudante de filosofia que confessa não ter lido os livros mais importantes de Zizek (leu Lacrimae Rerum; ensaios sobre o cinema moderno e ciberespaço, mas conhece bem seus vídeos no YouTube). “Entre os alunos da faculdade é muito popular, mas academicamente não tem presença, não é estudado.”

Estertores do capitalismo

O carisma de Zizek ao vivo é incontestável. A sala de colunas do Círculo de Belas Artes se abarrotou com cerca de 500 pessoas, a grande maioria na faixa dos vinte e trinta anos, que ali foram para escutar sua digressão em defesa de uma burocracia socialista. Seu provocador slogan esconde uma reflexão: depois da rebelião nas praças, é necessário um maquinário invisível que se encarregue das coisas importantes de nossa rotina, a Saúde, a Educação. Zizek proclamou que estamos vivendo os estertores do capitalismo; clamou contra o vazio de Emmanuel Macron, candidato do establishment francês; disparou contra a globalização; e fez um chamado à esquerda para que lute por constituir uma maioria moral. Tudo isso, alinhado com referências a Lacan, Althusser e Malcom X, e declamado em um estilo aparentado ao de Roberto Benigni, tanto pelo sotaque, como pela capacidade de sedução, e a facilidade para fazer a audiência rir. O público se deparou com alguém brilhante no monólogo, aos atropelos e caótico, incisivo, que empregou toda uma coleção de tiques que o transformam em um personagem: agarra o nariz, tira a língua pela direita, arranca a camisa, joga o cabelo para trás, faz uma parada brusca: e tudo, assim, como uma compulsão, enquanto faz jorrar suas reflexões contra a corrente.

Na quinta-feira, em um encontro com jornalistas no Museu Reína Sofía –onde na tarde deste sábado dará a conferência Lições do ‘Airpocalipse’, disse que considera ser muito difícil dar uma palestra séria a mais de 40 pessoas, mas que é crucial expandir os limites da filosofia. “Chegou o momento de voltar às grandes questões metafísicas. Não vivemos na era da superficialidade. Há um público para grandes e sérios trabalhos teóricos.” E se reportou aos 10.000 exemplares que vendeu a versão inglesa de Menos que NadaHegel e a Sombra do Materialismo Dialético (lançado no Brasil pela Editora Boitempo), obra de fôlego em que lida com Hegel.

Há quem pense que o personagem criado por Zizek e sua viralização devoraram o pensador que ele é. Mas o certo é que há um pensador por trás de seu personagem.

O agitador que gosta dos debates

“Zizek escreve muito bem”, argumenta o filósofo espanhol César Rendueles. “Tem grande capacidade argumentativa e habilidade para nos levar a lugares reflexivos que não esperávamos e nos quais, na realidade, preferiríamos não entrar. Nisso é insuperável: sabe como lançar debates incômodos.”

O autor esloveno, que teve editado na Espanha, no final de 2016, Problema no Paraíso (Editado no Brasil pela Zahar, em 2015), é um filósofo rejeitado por uma parte da Academia, que o considera um showman. “Está longe da filosofia light de [José Antonio] Marina ou [José Luis] Pardo”, afirma Fernando Castro Flórez, professor de Filosofia na Universidade Autônoma de Madri, que dirigiu uma tese de doutorado sobre o polêmico e corajoso (ou ousado, conforme se olhar) intelectual, que teve entre seus últimos atrevimentos reescrever e analisar Antígona, a tragédia de Sófocles. “Seus livros não são ligeiros. Eu continuo lendo-o. Busco o Zizek pensador. Na realidade, é um filósofo anti-pós-moderno, mais inclinado a Hegel que ao século XXI. Mas é muito mais dinâmico que os fósseis da Academia, com essa coisa que têm de sotaina”.

O prolífico autor esloveno, um escritor compulsivo, capaz de publicar até três ou quatro livros por ano (alguns, compilações de artigos) soube antecipar, tal como aponta Rendueles, o “esgotamento da globalização neobliberal” e “proporcionou”, como escreve Rendueles por email, “armas filosóficas para entender a crise”.

Seu carisma na Espanha também tem a ver com La Tuerka, o programa televisivo de Pablo Iglesias, dizia na quarta-feira uma das espectadoras da conferência, a estudante de Direito e Economia María Merchán, de 24 anos.

E, claro, com sua capacidade de se conectar com uma juventude descontente, que se sente deixada de lado, menosprezada, essa com que se consolidou o ajuste salarial –os menores de 40–, como na própria sexta-feira indicou um estudo do INE.

MAIS INFORMAÇÕES