Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

NASA estuda missão interestelar para 2069

Projeto de exploração da Proxima Centauri pode levar quase um século

Reconstrução do planeta Proxima B.
Reconstrução do planeta Proxima B.

A Voyager-1 é a nave que chegou mais longe no espaço. Decolou em 1997 e levou 37 anos para sair do Sistema Solar. Com sua vertiginosa velocidade atual — 17 quilômetros por segundo —, vai demorar outros 70.000 anos para alcançar a estrela mais próxima. Se para nós, humanos, é tão difícil fechar um acordo sobre um plano para mitigar a mudança climática daqui a 100 anos, como pensar numa missão para alcançar outro astro e seus planetas num tempo razoável?

É o que fez Anthony Freeman, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA (JPL, na sigla em inglês). Juntamente com Leon Alkalai, chefe do Escritório de Planejamento Estratégico, o engenheiro acaba de apresentar o primeiro conceito para uma missão interestelar que seria lançado em 2069, no centenário da chegada do homem à Lua.

“A NASA começou a estudar missões interestelares há 30 anos”, diz Freeman, pelo telefone, de seu escritório. “Na época, o foco era como tornar possível a comunicação entre a nave e a Terra. Depois revisamos essas ideias mais ou menos a cada década.”

O novo projeto, ainda sem nome, “está numa etapa muito prematura como conceito de missão”, adverte Freeman, mas coincide com o recente lançamento de projetos similares impulsionados por organizações privadas. E também com a aprovação, pelo Congresso dos Estados Unidos, de um documento promovido pelo republicano John Culberson que pede expressamente à NASA que já comece a financiar esse projeto.

O destino da futura missão seria a Proxima Centauri, a estrela mais próxima do Sol. Recentemente, descobriu-se que ela possui um planeta habitável do tamanho da Terra. A proposta de Freeman contempla uma nave capaz de viajar a 10% da velocidade da luz, alcançando a Proxima em 40 anos. As primeiras imagens feitas de lá chegariam à Terra cerca de quatro anos mais tarde, em 2113, quase daqui a um século. Isso significa que os engenheiros e cientistas que analisarem essas imagens nem sequer terão nascido quando a nave for lançada e, provavelmente, a maioria de seus projetistas originais já estarão mortos. Nenhuma missão espacial enfrentou esse tipo de horizonte temporal - e esse é exatamente um de seus maiores desafios, admite Freeman. “As missões espaciais agora são feitas com um enfoque muito conservador. Se realmente queremos enviar uma missão a outra estrela, não podemos fazer isso. Temos que ser um pouco mais loucos”, reconhece.

“As missões espaciais são feitas com um enfoque muito conservador. Se realmente queremos enviar uma missão a outra estrela, temos que ser um pouco mais loucos”

Quando a nave chegar ao destino, a tecnologia do momento já será muito mais evoluída. O conceito de Freeman explora uma sonda capaz de se atualizar, reprogramar e transformar sem necessidade de receber todas as instruções da Terra. Por exemplo, usando impressoras 3D e sistemas de inteligência artificial capazes de criar novos programas de software. O conceito desenvolvido por Freeman e Alkalai também sugere uma missão de apoio, cujo objetivo seria viajar 550 unidades astronômicas (cada uma equivalente à distância entre a Terra e o Sol) na direção contrária à Proxima Centauri. Sua meta seria fazer imagens aproveitando o fenômeno das lentes gravitacionais, que usa a gravidade de corpos celestes, como o Sol, como se fosse uma lupa para ampliar a imagem do astro a ser observado.

A abordagem de longo prazo permitiria elaborar gradualmente as complexas tecnologias necessárias e testá-las com objetivos mais próximos e factíveis, como a nuvem de Oort e o Planeta X, diz Freeman, que apresentou seu conceito semanas atrás, durante o Congresso da União Geofísica dos EUA.

No momento, não existem novas formas de propulsão para uma viagem interestelar. Nem o combustível químico dos foguetes, nem a energia nuclear e nem os painéis solares servem para cobrir, num tempo acessível, as distâncias de mais de 40 trilhões de quilômetros até os astros mais próximos. Algumas ideias alternativas são a fusão nuclear e as explosões de matéria e antimatéria, que ainda não foram desenvolvidas.

Outra opção é a “energia direcionada” proposta pelo físico Philip Lubin, da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara (EUA). O sistema é baseado em naves com velas solares alimentadas por feixes de laser emitidos da Terra ou do espaço. Quanto menor for a sonda, mais rápida poderá ser, até um limite que chegaria a 20% da velocidade da luz, explica Lubin. A tecnologia para isso já existe, e o físico espera que ela passe por um desenvolvimento exponencial similar ao da eletrônica. Desde 2015, o projeto Deep-In recebeu duas rodadas de financiamento da NASA, num total de mais de meio milhão de euros (cerca de 1,9 milhão de reais). “Com um orçamento adequado, a tecnologia que estamos desenvolvendo pode estar pronta para uma missão interestelar antes do centésimo aniversário do pouso da Apolo [11]”, afirma Lubin.

Os engenheiros e cientistas que analisarem essas imagens nem sequer terão nascido quando a nave for lançada

Em 2016, ano em que o planeta da Proxima foi descoberto, Stephen Hawking apadrinhou o novo projeto para buscar vida lá fora com um arranjo de diminutas naves espaciais, impulsionadas por laser e capazes de chegar a essa estrela em 20 anos. Por trás da iniciativa estava Yuri Milner, um bilionário russo que se transformou num dos maiores mecenas da ciência mundial e que colocou 100 milhões de dólares (324 milhões de reais) na iniciativa. O sistema de propulsão dessas naves - que realizaram a primeira viagem ao espaço em 2017 - se baseia no de Lubin. “Estamos entusiasmados com o fato de que a NASA tenha começado a trabalhar em missões interestelares”, diz Pete Worden, ex-diretor do Centro Ames da agência espacial norte-americana e atual diretor executivo do Breakthrough Starshot, o projeto de Milner. A organização está negociando com a NASA para cooperar em vários campos, incluindo a viagem interestelar, e espera anunciar os detalhes dentro de alguns meses, diz Worden.

Outros especialistas que trabalham em missões atuais e futuras questionam a viabilidade desses projetos. Mar Vaquero, engenheira de voo do JPL, acredita que a proposta de seus colegas é “louca e teórica” demais. Mas diz que “não há dúvidas de que um conceito assim convida à reflexão”. Além disso, não faltam paralelismos com missões recentes de grande sucesso. “A rota primária da Cassini não havia sido completamente fechada no momento do lançamento. Foi projetada durante a fase de cruzeiro. Com esse conceito pode ocorrer algo semelhante. Vamos nos deparar com desafios em diferentes áreas, como a propulsão, a navegação e a própria proteção da nave e de seus sistemas durante tantos anos de viagem interestelar, mas não tenho dúvida de que poderemos resolvê-los”, afirma.

MAIS INFORMAÇÕES