Exploração espacial

60 anos da bola prateada que abriu a corrida espacial

História do satélite Sputnik está muito relacionada ao desenvolvimento das armas nucleares soviéticas

Selo comemorativo da Sputinik 1
Selo comemorativo da Sputinik 1Reprodução

Completam-se nesta quarta-feira 60 anos do lançamento do primeiro satélite Sputnik, aquela bola prateada que abriu a corrida espacial. Sua história, que levaria décadas para vir a público, está muito relacionada ao desenvolvimento das armas nucleares soviéticas.

Mais informações

Em 1953, os Estados Unidos já não detinham o monopólio da bomba atômica. A União Soviética havia detonado seu primeiro dispositivo de fissão em 1949, e agora os esforços de ambos os países se dirigiam para a bomba de fusão. Os EUA testaram a primeira no Pacífico, no segundo semestre de 1952; a URSS fez o mesmo nove meses depois no Cazaquistão.

A bomba soviética rendeu apenas 400 quilotons, frente os 10 megatons (25 vezes mais) da norte-americana. Tratava-se de um protótipo, desenvolvido pelo físico Andrei Sakharov, que, apesar do seu sucesso, estava condenado de antemão: diferentemente do artefato norte-americano, este não tinha como aumentar muito mais a sua potência, embora isso não fosse sabido naquela época. Imaginava-se que bastaria elevar a quantidade de material físsil para aumentar de forma proporcional a sua capacidade destrutiva.

No final de 1953, Sakharov foi convocado a uma reunião do Politburo para responder a uma pergunta crucial: quanto pesaria uma bomba de hidrogênio cuja potência pudesse se medir em megatons?

Ele não tinha nem ideia. Com base no resultado da sua primeira bomba, as armas com potências muito mais elevada deveriam ser também muito maiores. Dois, três, quatro toneladas? Pressionado a dar uma resposta rapidamente, ele preferiu se cobrir com uma ampla margem de segurança: entre cinco e seis toneladas.

Assim seria feito, então. A URSS obteria um míssil capaz de enviar essa carga ao outro lado do mundo.

O problema é que, um ano antes, a equipe dirigida por Sergei Korolev havia começado a trabalhar em um novo foguete projetado para uma carga de apenas três toneladas. De repente, as especificações dobraram, para incredulidade de todos os técnicos. Ninguém jamais havia cogitado tal desafio. E ele precisaria estar pronto para o lançamento em menos de quatro anos.

O satélite artificial Sputnik I
O satélite artificial Sputnik I

Vários enfoques foram tentados: foguetes de vários estágios, foguetes médios unidos lado a lado, veículos enormes que transferiam combustível dos tanques de reserva para o principal em pleno voo...

Finalmente, Valeri Mishin, o braço-direito de Korolev, topou com a solução mais simples: agrupar quatro propulsores em torno de um corpo central, como um maço de aspargos, e ligá-los todos ao mesmo tempo. Isso implicava acionar 32 motores de uma só vez — os 20 principais, mais 12 de direcionamento. Ao chegar a 50 quilômetros de altura, os quatro propulsores já esgotados se desprenderiam, e o central seguiria viagem.

Um foguete com essas características já não seria um cilindro esbelto, e sim uma espécie de cone com mais de 10 metros de diâmetro na base. Pesaria no mínimo 250 toneladas e exigiria instalações de lançamento até então inexistentes. Nunca se havia visto nada igual.

Acompanhando a nomenclatura de projetos anteriores, este se denominaria R-7. O “R” era de raketa (“foguete”, em russo). Mas logo todo mundo começou a se referir a ele pelo apelido carinhoso de Semiorka (“sétimo”).

Para o R-7, Korolev e sua equipe desenvolveram técnicas insólitas. Por exemplo, o foguete, em vez de se apoiar diretamente na plataforma, ficaria suspenso no ar sobre um enorme poço, para dar espaço aos gases resultantes do lançamento. Quatro braços metálicos o agarrariam aproximadamente pela metade da sua altura. Quando os motores fossem acionados, o peso sobre esses suportes diminuiria, e os braços seriam retirados automaticamente graças a um conjunto de contrapesos simples. A ideia foi de Vladimir Barmin, o chefe de design de sistemas de lançamento. Em princípio, Korolev a aceitou com certo receio, desprezando a ideia de retrair os suportes mediante um mecanismo hidráulico, como sugeria uma comissão encabeçada pelo acadêmico Blagonravov. Mas o fato é que Korolev ameaçou Barmin com os piores males se o seu invento não funcionasse. Hoje, sessenta anos depois, esse sistema continua sendo utilizado.

Outro sistema revolucionário era o método de unir os aceleradores ao corpo central do foguete: simples rótulas redondas na parte superior e tiras metálicas para segurá-los na inferior. Chegado o momento, explosivos rompiam essas tiras, e os quatro propulsores simplesmente giravam ao redor de seu vértice para se desprenderem sozinhos. Essa separação é um espetáculo bonito de se ver, tão simétrico que os segmentos formam uma cruz ao redor do corpo central, a chamada “cruz de Korolev”.

Um foguete com essas características já não seria um cilindro esbelto, e sim uma espécie de cone com mais de 10 metros de diâmetro na base. Pesaria no mínimo 250 toneladas e exigiria instalações de lançamento então inexistentes. Nunca se havia visto nada igual

À medida que o projeto progredia, Korolev percebeu que o novo foguete teria capacidade para colocar em órbita cargas superiores a uma tonelada. Consultou Mikhail Tikhonravov, cuja equipe trabalhava havia anos em estudos teóricos e aplicações de um hipotético satélite artificial, e assim começou a construir o “Objeto D”. Com um peso total de 1,5 tonelada, levaria 300 quilos de instrumentos científicos ao espaço, possivelmente até câmeras fotográficas ou uma cápsula para animais. Chamava-se assim porque o D é a quinta letra do alfabeto cirílico: as quatro primeiras (A, B, V, G) já haviam sido atribuídas a diferentes tipos de ogivas nucleares.

A reação dos EUA

Entretanto, os Estados Unidos tinham anunciado sua intenção de contribuir para o Ano Geofísico Internacional (1957-58) com o lançamento de um pequeno satélite. A intenção de Korolev era lançar o deles antes que o evento começasse, assegurando uma vitória espetacular sobre os ocidentais.

Mas os dois projetos tropeçavam em dificuldades. O americano, por falha no lançador. A administração de Eisenhower tinha exigido que se utilizasse um foguete com novo design, baseado na tecnologia dos foguetes-sonda já existentes. Isso excluía a equipe de von Braun, contratado pelo Exército. Tratava-se de evitar o uso de mísseis militares para dar ao programa uma maquiagem puramente civil. Seu desenvolvimento toparia com inúmeras dificuldades, até a catástrofe final. Mas essa é outra história.

Da parte dos russos, o problema era o satélite. Mês após mês, a fabricação do objeto D ia se atrasando, em grande parte por não cumprimento de prazos por parte de diversos fornecedores. No início de 1957, Korolev decidiu mudar de planos: tentaria lançar um satélite muito mais simples e ligeiro. Talvez dois. E para evitar depender de outros, seriam construídos em seu próprio complexo industrial, o OKB-1, o mesmo no qual o R-7 estava sendo montado. Só as baterias e a equipe de rádio seriam subcontratadas de outras empresas estatais.

Assim nasceu o PS-1 (“Simples satélite”), uma esfera de alumínio polido com um espelho, do tamanho de uma bola grande de praia, da qual saíam quatro antenas de vareta. O Objeto D teria de esperar pelo menos um ano para ir ao espaço. Seria o terceiro Sputnik.

Os três primeiros testes do R-7, entre a primavera e o verão de 1957, acabaram em vários outros fracassos. O primeiro, explodiu no voo; o segundo, não chegou a decolar: foi preciso desmontá-lo e devolvê-lo à fábrica para substituir componentes defeituosos; e o terceiro falhou também ao se desprender dos aceleradores antes do tempo.

Por fim, em 21 de agosto, um novo Semiorka respondeu perfeitamente. Depois de um voo de 6.500 quilômetros foi cair na península de Kamchatka. Sua ogiva, sem dúvida, se destruiu devido à fricção atmosférica, mas esse era o menor dos problemas. O foguete tinha funcionado.

Korolev aproveitou para propor um trato à Comissão Estatal: se um segundo lançamento tivesse sucesso, o terceiro poderia ser dedicado a colocar em órbita um satélite. A ideia levantou dúvidas entre alguns integrantes da comissão, interessados apenas nos aspectos militares do projeto. Korolev — bom engenheiro tanto quanto era hábil político — sugeriu elevar a proposta ao Soviete Supremo. Isso acabou com toda a oposição.

O lançamento de setembro também foi bem-sucedido. Korolev já tinha seu foguete, seu satélite e a decolagem: em volta da Terra já girava uma lua artificial.

E o que aconteceu com a bomba de Sarajov? No fim, seu desenho foi modificado e acabou ficando pronta muito mais rápido do que o físico tinha estimado. De fato, a primeira pôde ser lançada de um avião, como uma bomba convencional. Mas, graças a esse erro de estimativa, a URSS se viu com um foguete de tal potência que lhe permitiria lançar naves para a Lua e os planetas e levar Gagarin ao espaço. Sessenta anos depois, os descendentes do R-7 continuam transportando astronautas para a estação espacial internacional.

Ninguém jamais havia cogitado semelhante desafio. E ele precisava estar pronto para ser lançado em quatro anos

O lançamento do Sputnik coincidiu com a realização do congresso da Federação Astronáutica Internacional em Barcelona. De imediato, a delegação soviética, encabeçada pelo acadêmico Leonid Sedov, se tornou a estrela do encontro. Assediado por perguntas da imprensa, Sedov respondeu a todos com seu melhor sorriso e evitando de todas as formas dar qualquer detalhe concreto sobre o satélite ou seu foguete portador.

Não é de se estranhar. Nem Sedov nem seus colegas de delegação sabiam do alcance do projeto. E muito menos conheciam a iminência do lançamento. No entanto, a imprensa na época lhe atribuiu nada menos do que a paternidade do satélite, um título que nunca se incomodaria de confirmar. Nem de desmentir.

Os verdadeiros artífices do êxito russo (Korolev, Thikonravov e Glushko, entre outros) tiveram de se conformar com o anonimato oficial. O Politburo os considerava valiosos demais para expô-los a um sequestro ou — pior ainda — um atentado por parte da espionagem ocidental. Seus nomes e o papel que tinham desempenhado não se fariam públicos até muitos anos depois. No caso de Korolev, até depois de sua morte.