Seleccione Edição
Login

O “charlatão” que diz que seremos imortais em trinta anos

Apesar do discurso sedutor, especialistas de diversas áreas contradizem o conferencista José L. Cordeiro

José Luis Cordeiro pesquisador venezuelano
José Luis Cordeiro durante uma entrevista

O venezolano José Luis Cordeiro tem uma agenda de estrela internacional. Na segunda-feira passada estava em Lima (Peru), participando da Conferência Anual de Executivos (CADE 2017). Três dias antes havia estado em Viena (Áustria), num evento com Jimmy Wales, fundador da Wikipedia. Na mesma semana participou de um evento em La Coruña (Espanha), convidado pela Fundação Barrié, uma instituição que costuma lidar com oradores de prestígio. Chega a todos esses lugares com um discurso repleto de afirmações extraordinárias: “Não penso em morrer, e não só isso, em trinta anos serei ainda mais jovem”, “a morte será opcional em duas ou três décadas” e “vamos criar uma civilização pós-humana que será quase igual a Deus”.

Um homem comum com esse discurso seria, muito provavelmente, tachado de charlatão, e ele é descrito dessa forma por vários especialistas contatados pelo EL PAÍS. Mas Cordeiro, engenheiro formado pelo Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT), não é alguém comum. Pelo menos é o que ele diz. No amplo currículo enviado aos jornalistas pela Fundação Barrié para anunciar sua conferência, a estrela do futurismo se apresenta como “professor fundador e assessor de energia da Universidade Singularidade na NASA, Vale do Silício”. Essas credenciais ajudam a tornar mais digerível um relato que pode ser considerado pura fantasia. Procurada pelo EL PAÍS, entretanto, a Universidade da Singularidade (SU, na sigla em inglês) é taxativa: “José Luis Cordeiro não está de forma alguma ligado à Universidade. É lamentável que tenha decidido apresentar-se a si mesmo dessa forma enganosa”.

O engenheiro se apresenta como fundador da Universidade da Singularidade, no Vale do Silício. A instituição nega qualquer vínculo

Na apresentação de outra de suas conferências, neste caso na Fundação Rafael del Pino, em Madri, consta que foi um dos fundadores da Internet Society. Mas essa organização esclarece que não. “A Internet Society foi fundada por Vint Cerf e Bob Kahn”, recorda um porta-voz. Nessa mesma apresentação, Cordeiro aparece também como fundador e presidente emérito da World Future Society (Venezuela). Embora o nome coincida com a World Future Society à qual pertencem personalidades como Al Gore ou Neil Degrasse Tyson, essa organização esclarece que a seção nacional venezuelana à qual Cordeiro faz referência não tem caráter oficial. A WFS tampouco tem relação com o site futurovenezuela.net, citado pelo conferencista em suas palestras, sob o nome de Sociedade do Futuro da Venezuela.

Cordeiro responde sobre seu sumiço da Universidade da Singularidade enviando um vídeo em que Ray Kurzweil, presidente e cofundador que efetivamente continua aparecendo na lista de pessoas destacadas apresentada pela própria instituição – ao contrário de Cordeiro –, o apresenta durante uma conferência como uma das pessoas que estiveram na origem da universidade. Também envia outro vídeo em que aparece dando uma aula. Seu desaparecimento de qualquer registro oficial decorreria, segundo o conferencista, de um desentendimento pessoal com o atual diretor-geral da instituição, Rob Nail. Cordeiro nega que se apresente como fundador ou professor da US na atualidade, embora assim apareça em um recente programa televisivo e assim seja apresentado em outra entrevista, sem que ele esclareça a confusão. Sobre sua vinculação real com a Internet Society, Cordeiro não ofereceu nenhuma elucidação.

Além de proporcionar numerosas filiações mais ou menos pitorescas, Cordeiro se baseia em prestigiosos cientistas para sustentar seu discurso fascinante. Quando afirma que a morte será opcional em três décadas, cita o trabalho de pesquisadores destacados no campo do envelhecimento. “Muitíssima coisa está sendo feita, tanto na Espanha como fora. Aqui, por exemplo, está María Blasco, a diretora do Centro Nacional de Pesquisas Oncológicas (CNIO, na sigla em espanhol), que conseguiu triplicar a vida adulta de ratos através de modificações genéticas. Outro espanhol é Juan Carlos Izpisúa, do Instituto Salk de Estudos Biológicos, em La Jolla (San Diego), que também conseguiu rejuvenescer ratos. Nos últimos anos descobriu-se que temos células que não envelhecem”, declarou ao jornal La Voz de Galicia.

Izpisúa recrimina a leviandade com que Cordeiro usa seu trabalho. “A imaginação é fundamental para avançar na ciência, mas nunca deve suplantá-la. Há uma linha muito clara de separação entre a ciência e a pseudociência. A interpretação enviesada de determinados dados científicos não é ciência, e em muitos casos nos leva à fantasia”, afirmou ele ao EL PAÍS. “Afirmar que a ciência vai conseguir nos tornar imortais nas próximas décadas não se sustenta de maneira nenhuma com os dados científicos atuais, e não se sustentará nunca. De todo modo, a opinião de um cientista ou de um pseudocientista é irrelevante diante da evolução. A imortalidade é incompatível com a evolução”, afirmou.

“Fico de cabelo em pé toda vez que escuto uma entrevista dele.”

Manuel Collado, diretor do laboratório de Células-Tronco em Câncer e Envelhecimento do Complexo Universitário do Santiago de Compostela, não tem ideias fechadas sobre a longevidade e, embora acredite que “a biologia implica um desgaste que parece insuperável, hoje de fato se cogita como algo sério encontrar mecanismos moleculares relacionados com o envelhecimento para adiar o período de doenças associadas a esse processo”. No entanto, acredita que isso está muito longe de validar “a mensagem de juventude eterna de Cordeiro”, a quem não concede nenhum tipo de autoridade. María Blasco nem sequer quis dar declarações, para não continuar dando publicidade a um indivíduo cuja relevância ela não entende.

A vida eterna não é o único campo sobre o qual Cordeiro costuma perorar. Numa entrevista ao jornalista Iñaki Gabilondo, o engenheiro também prevê a chegada da idade pós-humana. Será o momento “dos humanos aumentados”, dotados de cérebros capazes de “processar à velocidade dos computadores”. “Atualmente, os cérebros humanos funcionam a 1 hertz, 10 hertz, 100 hertz. Um cérebro muito rápido como o meu é um cérebro de 1.000 hertz”, gaba-se. “Os computadores, entretanto, funcionam em gigahertz”, prossegue. Sem considerar se no futuro será possível propiciar capacidade de supercomputação aos cérebros humanos, a colocação inicial do Cordeiro é falsa. Assim afirma Juan Lerma, pesquisador do Instituto de Neurociências de Alicante (CSIC/UMH). “Como ele mediu?”, pergunta-se. “Há cientistas que afirmam que os animais, incluindo o homem, movimentam-se a 7-10 hertz, mas pensam a 40 hertz. Isto se baseia na frequência dos ritmos cerebrais (teta e gama), e portanto há base mecânica. Se for assim, como faz esse grande homem para funcionar a um ritmo de 1.000 hertz? Não se conhece um ritmo tão rápido. Charlatães há de monte”, conclui.

Para arrematar seu desenho de um futuro idílico e iminente, Cordeiro costuma terminar falando de inteligência artificial. Em 2045, no máximo, chegará a singularidade, o momento em que as máquinas superarão a inteligência humana e começarão a ser autônomas. Mas, como em toda a mensagem de Cordeiro, não há nada a temer na terra prometida pós-humana. Viveremos em perfeita harmonia com esses novos seres inteligentes, que nos ajudarão a ser mais felizes e poderosos. Como nos casos anteriores, apesar do sucesso do engenheiro perante públicos mais ingênuos, suas visões são rejeitadas por quem entende do assunto. “Não se deve prestar atenção a esse personagem que fala do que não sabe”, alerta Ramón López de Mántaras, diretor do Instituto de Pesquisa em Inteligência Artificial (IIIA) do Conselho Superior de Pesquisa Científica da Espanha. “Nunca na vida dele trabalhou com IA”, acrescenta. “No que diz respeito à IA, à singularidade e às superinteligências, ninguém da comunidade científica presta atenção nele. É uma pena que tenha tanto eco midiático, está fazendo mal à IA. Fico de cabelo em pé toda vez que vejo ou escuto uma entrevista dele. A melhor definição do que é José Luis Cordeiro é que é um enganador”, ressalta.

Cordeiro atribui todas essas críticas a um obscuro complô de pessoas às quais não conviria a concretização das suas ideias sobre a longevidade indefinida e o rejuvenescimento. Pesquisadores como María Blasco e Juan Carlos Izpisúa, entre tantos cientistas que vivem parcialmente de recursos públicos, “não podem se dar o luxo de dizer o que pensam realmente”, afirma. “Não só isso: às vezes precisam inclusive se distanciar de ideias nas quais acreditam”, acrescenta. “No meu caso, não tenho problemas em dizer o que penso, porque não vivo de recursos públicos e não me importa que me chamem bobo, louco, enganador ou o que seja”, conclui.

UMA CONSPIRAÇÃO DA OPUS DEI

Numa entrevista publicada na semana passada pelo jornal peruano El Comercio, Cordeiro dizia que algumas dúvidas sobre seu currículo, publicadas no blog Ulum.es, eram fruto de uma conspiração de parte da organização católica conservadora Opus Dei. “Sou diretor da associação transumanista mundial, a Humanity Plus. Nós somos os vilões no último filme do Código da Vinci, Inferno. No livro de Dan Brown, na página 292, diz que há um cientista que acredita existirem pessoas demais e vai lançar um vírus para esterilizá-las. Lá menciona a Humanity Plus. Eu estou na ponta da ponta das tecnologias. A morte da morte é o mais disruptivo que há. Então, se eu triunfar é o fim da religião.”

MAIS INFORMAÇÕES