Donald Trump

Em último dia no Twitter, funcionário expulsa Trump da rede social

Internet enlouqueceu nos 11 minutos em que a conta esteve desativada

@realDonaldTrump sumiu da internet
@realDonaldTrump sumiu da internetREUTERS

Mais informações

Alguns os chamaram, em tom de brincadeira, como os 10 minutos de paz. Durante 11 minutos a conta de Donald Trump no Twitter esteve desativada. Não foi bem um erro humano, como explicou o serviço inicialmente, mas o desabafo de despedida de um funcionário em seu último dia.

As primeiras suspeitas apontavam um ataque hacker ou talvez uma suspensão por transgredir os termos de uso, mas o Twitter esclareceu a situação: “Há pouco a conta de @realdonaldtrump foi desativada inadvertidamente por um erro humano. A conta esteve fora do ar durante 11 minutos e já foi reabilitada. Continuamos investigando e tomando as medidas para evitar que isso volte a acontecer”.

Pouco depois se descobriu que o desaparecimento da conta se devia à vingança de um funcionário prestes a deixar o trabalho na rede social. “Durante a investigação soubemos que isso foi feito por um membro da equipe de atendimento ao consumidor durante seu último dia. Estamos realizando uma profunda revisão interna”, reconheceram.

O Twitter é o meio de comunicação preferido pelo presidente. Entrou na rede social em março de 2009. Desde então enviou mais de 36.000 mensagens e tem mais de 41 milhões de seguidores. Em uma entrevista a Maria Bartimoro da Fox News em outubro ele reconheceu que uma das razões de sua chegada à Casa Branca era o uso dessa plataforma. “Você precisa manter o interesse das pessoas, como sabe. Quando alguém diz algo sobre mim posso ir diretamente e resolvê-lo”, afirmou.

A equipe mais próxima ao presidente tentou corrigir essa conduta. Seus embates, especialmente com a imprensa, e seus erros de ortografia são mais do que frequentes.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50