Cinema

O dia que Jacques Cousteau deixou o cilindro de oxigênio no barco

‘Galápagos Evolution’ mostra que a apneia é melhor técnica para mergulhar com tubarões-martelo

Cena do documentário
Cena do documentário

Todo visitante que coloca os pés nas Ilhas Galápagos sabe ao menos duas coisas. A primeira é que nessas ilhas Charles Darwin descobriu a teoria da evolução ao perceber que a mesma espécie de iguana, por exemplo, havia desenvolvido de forma diferente as patas ou a boca, dependendo se vivesse em Santa Cruz ou em San Cristóbal. A segunda é que os animais das chamadas Ilhas Encantadas não fogem, por mais selvagens que sejam, do ser humano porque não se sentem ameaçados. A Unesco declarou o arquipélago Patrimônio da Humanidade em 1978 e desde então não param de chegar turistas para mergulhar entre cardumes de tubarões-martelo, nadar com leões marinhos ou ver tartarugas centenárias. Portanto, sempre há alguém que, mais cedo ou mais tarde, compartilha esses dois mandamentos com os visitantes.

Mas o que mostra o documentário Galápagos Evolution, do mergulhador convertido em diretor Roberto Ochoa, é que é possível ir mais além na relação entre o homem e a vida selvagem. É possível interagir com tubarões e baleias sem perturbá-los. O jovem equatoriano, fã de esportes de risco, começou a se apaixonar pelo mundo submarino até um dia descobrir a chave da evolução. Se quisesse se intrometer no plácido ir e vir dos peixes debaixo d’água, tinha de ser um deles. Ou seja, não deveria respirar. A apneia foi, então, uma experiência nova que ele tinha de compartilhar.

MAIS INFORMAÇÕES

Com essa ideia dando voltas na cabeça, ele conheceu um dia o filho de Jacques-Yves Cousteau, pioneiro do mergulho submarino e da exploração dos oceanos. Quando Pierre-Yves Cousteau visitou o arquipélago equatoriano, Roberto Ochoa já sabia nadar como um peixe. Sem cilindro de ar e durante vários minutos.

Primeiro ele seduziu Cousteau com a riqueza marinha de Galápagos para que o francês se juntasse ao projeto do documentário. Depois mostrou que ele também deveria evoluir. Tinha de superar o pai e deixar o cilindro de ar no barco se realmente quisesse nadar perto dos grandes mamíferos. “Vou tentar”, aceitou o francês diante da câmera, sem muita expectativa. “A apneia faz com que você seja mais um debaixo d’água”, disse o mergulhador equatoriano. Ao sair da água, não restava nada de incredulidade em seu rosto. Ele nunca havia filmado planos tão próximos de tubarões-martelo que passeavam, sem a menor preocupação, em torno dele.

A apneia, fácil de aprender segundo Ochoa, permite ficar debaixo d’água durante vários minutos apenas controlando a respiração e a mente. Até três, com uma única semana de prática. Os biólogos e os campeões dessa técnica que participaram de Galápagos Evolution gravaram 40 minutos de documentário durante duas semanas de rodagem submarina. Sem as bolhas de ar, foi possível filmar inúmeros planos de humanos nadando ao lado de animais selvagens. É o que Ochoa destaca de seu projeto.

“Quando você desce com o cilindro de ar, as bolhas espantam os animais. Repete-se a mesma cena: quando você se aproxima de um banco de peixes, este se abre para te cercar e, se você olhar para trás, eles voltam a se juntar”, explicam no filme depois de um dos mergulhos.

Mas além de cenas hipnotizantes sobre beleza marinha, Galápagos Evolution tem uma mensagem. O arquipélago alberga tanta diversidade porque está há anos protegido da pesca maciça, do turismo sem controle e das atividades industriais. “Outras áreas do mundo poderiam recuperar a vida marinha que perderam se fizessem o mesmo”, encoraja Ochoa. “Se o ser humano avançou tanto em tecnologia e na indústria para sobreviver diante das adversidades naturais, já é hora de ele aproveitar sua superioridade para se tornar a única espécie do planeta que se dedica a cuidar das outras”. E assim termina o documentário. Pura teoria da evolução.

Arquivado Em: