Vice-presidente Mike Pence deixa estádio indignado por um protesto racial

Jogadores do San Francisco 49's se ajoelharam durante o hino, um protesto contra o racismo

Pence e sua esposa no estádio dos Colts antes de irem embora.
Pence e sua esposa no estádio dos Colts antes de irem embora.

No domingo o hino começou a tocar e vários jogadores do San Francisco 49's se ajoelharam no chão, o gesto que está ganhando visibilidade entre os atletas negros do futebol americano para denunciar a injustiça racial nos Estados Unidos. No palco estava o vice-presidente Mike Pence, que não aguentou e saiu indignado, com sua esposa, do estádio de seu amado Colts de Indianápolis (Indiana, onde foi governador pelo Partido Republicano).

Mais informações

Pence, um político de pensamento ultraconservador, escreveu no Twitter depois: “Hoje fui embora do jogo dos Colts porque @POTUS [Trump] e eu não vamos participar de nenhum evento no qual nossos soldados, nossa bandeira ou nosso hino nacional sejam desrespeitados”. O presidente Donald Trump imediatamente o apoiou com outra mensagem nesta rede social: “Pedi a Pence que deixasse o estádio se algum jogador se ajoelhasse e desrespeitasse nosso país. Estou orgulhoso dele e da Segunda Dama Karen [Sue Pence]”.

O gesto de se ajoelhar em silêncio enquanto toca o Star-Spangled Banner (A Bandeira das Estrelas), o hino dos Estados Unidos, foi iniciado pelo jogador de futebol americano Colin Kaepernick, antigo quarterback dos 49's agora desempregado e sem equipe que o queira contratar – de acordo com seus defensores como castigo por seu ativismo, segundo outras vozes por seu baixo rendimento na temporada anterior. O ex-presidente Barack Obama, primeiro presidente negro dos Estados Unidos, reconheceu “o direito constitucional de protestar” e disse que o alvo do protesto era “algo real, um problema legítimo que merece ser discutido”.

Jogadores do Detroit Lions ajoelhados durante o hino em 24 de setembro.
Jogadores do Detroit Lions ajoelhados durante o hino em 24 de setembro.

Em contraste, Trump entrou recentemente nesta polêmica como costuma fazer: sem medida. Deixando de lado a mesura esperada de um presidente, chamou de “filhos da puta” os jogadores que fazem este tipo de protesto: “Isto não tem nada a ver com raça. É apenas uma questão de respeito por nosso país e nossa bandeira”, afirmou. E defendeu o boicote da NFL (a Liga de Futebol Americano, o esporte mais popular nos EUA) se não proibisse que os jogadores fizessem o gesto de se ajoelhar.

Em suas mensagens por Twitter o vice-presidente Pence argumentou: “Apesar de que todo mundo tem direito a suas opiniões, não acho que é pedir demais que os jogadores da NFL respeitem a bandeira e nosso hino nacional”. “Estou com o presidente Trump, estou com nossos soldados e sempre estarei nossa bandeira e nosso hino”.