_
_
_
_

O inconsistente e perigoso ‘radar gay’

Estudo polêmico cria algoritmo que supostamente identifica gays através de inteligência artificial

Patricia R. Blanco

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Imagem do estudo, que supostamente mostra traços faciais homossexuais e heterossexuais
Imagem do estudo, que supostamente mostra traços faciais homossexuais e heterossexuais

A inteligência artificial pode determinar se alguém é heterossexual e homossexual através de seus traços faciais com maior precisão do que uma pessoa. Essa é a polêmica conclusão de um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Stanford, segundo o qual um algoritmo de computador pode distinguir se um homem é gay em até 91% dos casos e se uma mulher é lésbica em 83%, uma porcentagem sensivelmente superior ao olho humano, que acerta 61% e 54% das vezes respectivamente, de acordo com a pesquisa.

O estudo, que foi mencionado pela The Economist e que será publicado no Journal of Personality anda Social Psychology (Revista de Personalidade e Psicologia Social), é controverso não só pela invasão na intimidade que significa a possibilidade de se detectar a orientação sexual com uma máquina – imaginem o que aconteceria nos países onde a homossexualidade é proibida se o uso dessa espécie de radar gay se estender – como pelo fato de associações LGBTI+ (lésbicas, gays, transgêneros, bissexuais e intersexuais) o criticarem pelas limitações que apresenta: a amostragem com a qual foi realizada a pesquisa, um total de 35.326 imagens faciais, é toda de pessoas brancas e foi retirada de um site de encontros.

"A tecnologia não pode identificar a orientação sexual de alguém", critica uma organização LGTBI+

“A tecnologia não pode identificar a orientação sexual de alguém. O que sua tecnologia pode reconhecer é um padrão que encontrou em um pequeno subconjunto de pessoas brancas homossexuais que se parecem em um site de encontros”, criticou Jim Halloran, diretor digital da GLAAD, a Aliança Gay e Lésbica contra a Difamação. O estudo, realizado por Yilung Wang e Michal Kosinski, não incluiu em sua amostragem pessoas negras e asiáticas, por exemplo, como também não colocou transgêneros, bissexuais e idosos. “Não é surpreendente que pessoas homossexuais que escolham se inscrever em um site de encontros publiquem fotos de si mesmas com expressões e estilos semelhantes”, acrescentou Halloran.

Mas essa não é a única fragilidade do estudo. Os autores basearam sua investigação na teoria hormonal pré-natal como origem da homossexualidade. De acordo com essa teoria, os fetos masculinos expostos a menos andrógenos o que o normal – o hormônio que induz o surgimento dos caracteres sexuais secundários masculinos –, resultarão em um menino gay, e os fetos femininos expostos a mais andrógenos, em uma menina lésbica. Segundo os pesquisadores, uma vez que os andrógenos são responsáveis pelo dimorfismo facial, a teoria hormonal pré-natal prevê que “as pessoas homossexuais terão traços de gênero atípicos”, ou seja, os homens homossexuais apresentarão traços mais afeminados e as mulheres, mais masculinos.

Mais informações
O comandante transexual que se recusa a voltar para o armário
Ex-primeira-ministra lésbica da Islandia: “Os direitos LGBTIQ não deveriam ser um assunto local e sim global”
“Se para você ela é só lésbica, o problema é seu”: a mensagem viral de um pai na Parada Gay de Madri
“Alô, aqui é um robô sem sentimentos nem empatia”

Mas, mesmo que essa teoria, que tenta explicar a origem da homossexualidade, “esteja bem propagada” como argumentam os autores, não é a única que existe. Um estudo sobre a relação da epigenética e a homossexualidade – combina a teoria hormonal com a genética – publicado pela revista da Universidade de Chicago em dezembro de 2012 afirma que “ainda que os níveis pré-natais de andrógenos desempenhem um papel fundamental no desenvolvimento sexual, existem também evidências de que o paradigma pré-natal de andrógenos é parcialmente incompleto”.

Os autores da pesquisa reconhecem essa fraqueza. “Nós também conhecemos homossexuais muito masculinos e lésbicas muito femininas. Também conhecemos homens bem idosos, o que não invalida que estatisticamente as mulheres vivam mais”, se defendem.

Além do fato de que fosse realmente possível que o algoritmo possa identificar até 91% de homossexuais, as associações defensoras dos direitos LGTBI+ criticam que 9% dos heterossexuais seriam identificados de maneira errônea. E voltam a frisar o perigo dessa pesquisa: “Em um momento em que as minorias estão sendo atacadas, esses resultados imprudentes podem servir como arma para prejudicar tanto heterossexuais que são erradamente expostos como gays e lésbicas que se encontram em situação de perigo”, denuncia a GLAAD. Mas, de acordo com os autores do estudo, um de seus objetivos é justamente esse, “alertar” contra os perigos da inteligência artificial e sua invasão na vida íntima das pessoas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_