O fracasso das revoluções

Peru tem agora dois presidentes na prisão, um terceiro com mandado de prisão e outro investigado

O ex-presidente do Peru Alberto Fujimori durante uma cerimônia militar em Lima
O ex-presidente do Peru Alberto Fujimori durante uma cerimônia militar em LimaPILAR OLIVARES (FILE PHOTO (REUTERS))

Começo a acreditar que a última revolução bem-sucedida foi a revolução cultural de Mao Tsé-Tung. Embora tenha causado mais mortes do que a russa, em termos comparativos foi relativamente pacífica, uma espécie de lavagem cerebral constante, algo muito bem compreendido pelos integrantes do chamado “Grupo dos Quatro”, liderado por Jiang Qing, esposa de Mao.

MAIS INFORMAÇÕES

O líder chinês era um homem muito complicado, que entendia bem o poder. Por isso, nunca confiou em ninguém, só em seus últimos dias se tornou um velho egoísta que se deixou levar pelas ambições de sua esposa e ideólogos. Nunca saberemos o custo real, mas o que de fato fica claro quando contemplamos seu cadáver embalsamado na Praça da Paz Celestial é que, depois de tantos excessos, a vitória da revolução cultural se refletiu na imposição da ideia de um país, dois sistemas de Deng Xiaoping e no início do caminho da China para se tornar um dos países mais desenvolvidos do mundo e a primeira economia ao lado dos Estados Unidos.

Quando observamos o restante das revoluções, só vemos fracasso após fracasso. Especialmente as rebeliões da moralidade e da reivindicação que caíram sobre os ombros dos filhos da ditadura, encarregados de limpar o rastro de sangue deixado por seus pais. Há muitos exemplos. Um deles, o dos espanhóis, que decidiram que o melhor sistema para promover sua Transição — o maior êxito desde que a infantaria castelhana consolidou a conquista da América— seria a democracia. Os espanhóis decidiram que o preço da vitória de sua revolução seria que as vítimas pedissem perdão aos verdugos e, assim, foi possível construir o êxito da Transição.

Quando analisamos o que está acontecendo com o que sobrou da revolução bolivariana e com as contribuições dos cubanos, além de limpar a dignidade nacional daqueles que falam espanhol frente à política do Big Stick do Norte, conclui-se que as revoluções não devoram seus filhos, e sim que os bons sentimentos são incompatíveis com a natureza humana.

Outro exemplo é o Peru, onde Fujimori foi eleito por seu povo e, a sangue frio, decidiu que para melhor servir sua nação a melhor coisa que podia fazer era acabar com a ordem constitucional pela qual havia sido eleito. Embora não tenha sido o primeiro, Hitler fez praticamente o mesmo e pela mesma razão. Há sempre um Reich dos 1.000 anos ou dos 100 soles. Fujimori impôs ordem. Além disso, estabeleceu sua própria desordem e sua própria anarquia por sua ganância e promiscuidade no poder.

No final, a história nos ensina que todo Tibério tem um sucessor, e que todo sucessor acaba sendo pior do que qualquer Tibério. Quem Fujimori teria escolhido caso pudesse fazê-lo? Alejandro Toledo, Alan García, Ollanta Humala? Dá na mesma.

O surpreendente é que, apesar da corrupção, do abuso e da violação dos direitos humanos, a memória do fujimorismo é o que permite que continue sendo a força majoritária no Congresso peruano. O fato de que Ollanta Humala esteja na mesma prisão que Fujimori por um crime de corrupção, um dos muitos cometidos pelo ex-ditador, mostra que as revoluções não só precisam ter uma primavera, mas também que é rara a revolução que aguenta a passagem das quatro estações sem se perverter.

Neste momento, o Peru é o único país que tem dois ex-presidentes e uma primeira-dama — Nadine Heredia — na prisão, um terceiro ex-presidente com ordem de prisão —Alejandro Toledo — e um quarto —Alan García — investigado para acabar com certeza no mesmo lugar.

Nesse sentido, a revolução peruana não pode ser considerada vitoriosa. Talvez seu maior êxito seja continuar tendo pessoas que acreditam nas instituições, como o presidente Kuczynski, que não fica interpretando as razões pelas quais alguns presidentes — para os quais trabalhou como ministro — deixaram-se corromper pela Odebrecht.

Que valores permanecerão de todas as revoluções democráticas ocorridas na América Latina? O que fazer agora? Decretar uma anistia para começar a acreditar novamente que a revolução tecnológica e as novas gerações serão mais limpas? Ou simplesmente aceitar que, em alguns lugares, o mais difícil de tudo não consiste em punir o que está errado, e sim em manter a punição, mesmo que depois de um tempo?