Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Na Argentina, os ricos são homens e os pobres, mulheres

Entre quem ganha até 100 dólares há duas vezes mais mulheres. Proporção é oposta entre os mais ricos

Vendedora informal nas ruas de Buenos Aires.
Vendedora informal nas ruas de Buenos Aires.

A renda das mulheres na Argentina é 27% inferior à dos homens. É uma enorme disparidade salarial que aumenta ainda mais no topo e na base da pirâmide. Entre os 10% da população que ganham menos de 300 reais por mês há duas vezes mais mulheres que homens e a porcentagem feminina é superior à masculina até a metade da pirâmide. Nesse ponto, os números começam a se inverter até chegar ao topo: de cada 100 argentinos com renda próxima de 40.000 pesos (7.900 reais), 63 são homens e 37 mulheres. Os dados de distribuição de renda obtidos a partir da Pesquisa Permanente de Lares do primeiro trimestre do ano evidenciaram a grande desigualdade que persiste entre gêneros e a necessidade de uma mudança cultural e de políticas públicas que permitam reduzi-la.

A baixa remuneração de alguns trabalhos desempenhados pelas mulheres, a menor carga horária em seus empregos e as dificuldades para serem promovidas a cargos mais bem remunerados são algumas das explicações para as diferenças. Em média, os homens na Argentina recebem 14.690 pesos (2.915 reais) frente aos 10.710 pesos (2.125 reais) das mulheres.

Distribuição da renda na Argentina. EPH Primeiro trimestre 2017.
Distribuição da renda na Argentina. EPH Primeiro trimestre 2017.

A renda dos homens tem quase o mesmo valor da cesta básica calculada pelo órgão oficial de estatísticas (Indec) para delimitar a linha de pobreza, o que deixa grande parte dos lares que têm uma mulher como chefe de família abaixo dessa linha. Ser mulher implica, ainda, em um risco muito maior de cair na pobreza extrema: quase 20% da população feminina ganha abaixo do custo da cesta alimentar, que beira os 1.150 reais; no caso dos homens, a porcentagem é de 10,9%.

“Na Argentina não existe um mecanismo do Estado para o cuidado gratuito dos filhos e as mulheres que são chefes de família e têm vários filhos enfrentam grandes problemas para trabalhar. A Bolsa Universal por Filho é uma ajuda, um mecanismo de combate à pobreza que é preciso manter, mas por si só não basta”, diz Eduardo Donza, pesquisador da Universidade Católica Argentina.

Não só no país austral, como também em toda a região e até em países desenvolvidos, alguns trabalhos realizados quase exclusivamente por mulheres – como as tarefas de limpeza ou de cuidados – estão entre os mais mal pagos. Na Argentina, cerca de 20% da população feminina trabalha no setor doméstico e são minoria as que estão em situação regular. “Existe uma lei que regulamenta o emprego doméstico, mas não é cumprida. Mais de 75% estão na informalidade e muitas delas são chefes de família com filhos sob sua guarda que limpam lares alheios enquanto alguma de suas filhas mais velhas ou uma vizinha cuida das crianças”, descreve a economista Mercedes D'Alessandro, cofundadora de Economia Feminista.

A informalidade é outro fator que aumenta a disparidade salarial. As diferenças por gênero entre os trabalhadores informais sobe para 55%: os homens ganham, em média, quase 3.000 reais por mês, enquanto as mulheres que não têm contrato, 1.300. Nos empregos formais, as diferenças diminuem para 21%.

Distribuição desigual das tarefas domésticas

D'Alessandro destaca também o peso significativo da distribuição desigual das tarefas do lar. Apesar dos grandes avanços nos últimos anos, os únicos dados oficiais disponíveis, de 2013, mostram que as mulheres dedicam 6 horas a tarefas domésticas e de cuidado, o dobro dos homens. “Essa carga assimétrica funciona como obstáculo para trabalhar em tempo integral e as mulheres com família procuram ocupações flexíveis ou com menos horas, que é o que lhes permite conciliar”, observa a economista. Esse obstáculo é conhecido como chão pegajoso. “As pessoas costumam dizer que as mulheres trabalham menos, como se fosse uma escolha. Na verdade não podem trabalhar mais porque faltam creches ou porque precisam cuidar de idosos”, diz. Grande parte da população argentina ainda acha natural que essas tarefas recaiam nas mulheres e há empresários que preferem contratar homens por essa razão.

A cultura machista também dificulta quebrar o telhado de vidro nas camadas mais altas do mercado trabalhista, que permanecem nas mãos dos homens. As mulheres ocupam somente 4% dos cargos de diretoria de empresas na Argentina, os mais bem remunerados. Um relatório do PNUD mostrou que as que chegam ao topo na Argentina têm melhores qualificações que seus colegas homens, ou seja, exige-se mais delas para posições similares. Por outro lado, ter um filho penaliza muito mais as carreiras trabalhistas das mães que as dos pais. Mesmo entre as que não têm filhos existe outra barreira difícil de superar, as formas de socialização masculinas fora do horário de trabalho. “Muitos homens se sentem mais à vontade entre homens. Socializam em jogos de futebol, no happy hour, e ali as mulheres quase nunca vão”, diz D'Alessandro, e cita como exemplo o presidente argentino, Mauricio Macri, procedente do mundo empresarial e que joga futebol com parte de seu Gabinete. Entre seus 21 ministros, há apenas duas mulheres.

“É preciso haver uma mudança empresarial, mas também social. Seria necessário distribuir as tarefas domésticas de maneira mais equitativa, além de igualar as licenças de maternidade e paternidade e outras medidas desse tipo”, ressalta Donza, especialista em desigualdade e trabalho. Ampliar a presença da mulher em todos os setores do mercado de trabalho e criar mais creches também facilitaria o caminho para sociedades mais igualitárias.

MAIS INFORMAÇÕES