Seleccione Edição
Login

Tesouro nazista é achado em quarto secreto na Argentina

São 75 peças que, segundo o Governo local, são originais e pertenceram a líderes do regime alemão

Tesouro nazista Ver galeria de fotos
Algumas das peças nazistas recuperadas pela Polícia Federal argentina. EFE

Atrás de uma porta oculta numa parede falsa, um quarto secreto, e dentro dele a maior coleção de objetos da Alemanha nazista já encontrada até hoje na Argentina: 75 peças que, segundo o Governo, são originais e provavelmente pertenceram a líderes do regime de Adolf Hitler. Entre as relíquias se encontram um busto do ditador nazista, uma escultura de uma águia imperial com uma suástica, uma lupa que supostamente foi usada pelo próprio Hitler e um macabro utensílio médico utilizado para medir tamanho da cabeça e demonstrar que alguém não era da raça ariana.

As peças estavam escondidas em um cômodo ao qual se tinha acesso através de um passadiço situado detrás de uma biblioteca, no domicílio de um colecionador e comerciante de antiguidades em Béccar, um subúrbio ao norte da capital argentina. A polícia não identificou o colecionador, que está em liberdade, mas sob investigação de um tribunal federal.

Segundo o jornal La Nación, o tesouro foi encontrado como parte da chamada Operação Oriente Médio, que começou em outubro passado, após a descoberta, numa galeria da zona norte de Buenos Aires, de obras de arte de procedência ilícita, que estavam na Lista Vermelha de Objetos Culturais Chineses, emitida pela Unesco, ou sob o amparo da Lei de Proteção do Patrimônio Arqueológico e Paleontológico.

Agentes da Interpol e da seção de Crimes Culturais da Polícia Federal argentina monitoraram os movimentos do colecionador e realizaram buscas na sua casa em 8 de junho. Lá, uma estante de livros chamou a atenção dos investigadores, que tiveram uma incrível surpresa ao retirá-la.

Além do tesouro nazista, as buscas em dois estabelecimentos comerciais e no domicílio do colecionador levaram à descoberta de outras antiguidades de origem chinesa, japonesa e egípcia. Trata-se de vasos chineses, animais mumificados egípcios, vasilhas e utensílios líticos e objetos paleontológicos, como fósseis polidos de amonites, âmbar e partes de uma carapaça de gliptodonte. Entre os objetos nazistas há também brinquedos que podem ter sido usados para doutrinar crianças, pistolas Luger, punhais em elegantes caixas com suásticas, binóculos, jogos de talheres, uma ampulheta, quadros e um trompete.

A principal hipótese dos investigadores e da comunidade judaica argentina sobre as antiguidades nazistas é que elas foram levadas para o país por um ou vários ex-dirigentes nazistas depois da Segunda Guerra Mundial, quando o país se transformou em refúgio de criminosos de guerra, incluindo alguns dos mais conhecidos, como Josef Mengele, que viveu em Buenos Aires durante uma década. Mengele, médico no campo de concentração de Auschwitz, mudou-se para o Paraguai, e depois para o Brasil (onde morreu), quando agentes do serviço secreto israelense capturaram Adolf Eichmann, tenente-coronel das SS e responsável pelo envio de judeus aos campos de concentração, e que também se refugiara em Buenos Aires. Até agora, nem a polícia nem o Governo argentino informaram os nomes dos líderes aos quais os objetos supostamente pertenceram.

“O processo corre sob sigilo e ainda não podemos saber quais são as conexões”, disse a ministra de Segurança, Patricia Bullrich, admitindo sua preocupação em saber como e há quanto tempo as relíquias entraram no país. “Estamos comovidos, é muito impressionante a descoberta destas peças com simbologia nazista, emblemas de uma época trágica da história. Nossas primeiras investigações demonstram que as peças são originais”, afirmou Bullrich, que por causa da descoberta foi condecorada pela Delegação de Associações Israelitas Argentinas (DAIA).

A ministra recebeu a condecoração junto com o chefe da Polícia Federal Argentina, Néstor Roncaglia, e o chefe do Departamento de Proteção do Patrimônio Cultural, Marcelo El Haibe. No ato, Bullrich reconheceu que a recuperação demonstra que ainda existe na Argentina “gente que apregoa esta ideologia ou que faz negócios” com ela. “É uma parte da história que a Argentina precisa revelar”, destacou a ministra da Segurança.

Uma das provas mais contundentes em poder dos investigadores para determinar o valor histórico desta coleção é o negativo de uma fotografia de Adolf Hitler em que ele aparece segurando uma lupa igual a uma das peças achadas numa caixa. “A lupa original que Hitler usava estava lá”, declarou Roncaglia, taxativo. “Há uma foto dentro do mesmo compartimento onde Hitler aparece com a lupa. É um negativo. Já recorremos a historiadores que nos disseram que é a lupa original. Estamos fazendo contatos internacionais para aprofundar", acrescentou. Segundo Bullrich, as fotos da época foram seriam usadas “para poder comercializar [as peças] provando que foram utilizadas pelo Führer”.

“Não há antecedentes de um achado assim. Sempre foram sequestradas peças ou imitações. Mas isto é original”, salientou Roncaglia. Para ele, outro indício não menos importante para determinar a origem dos objetos é que eles foram achados em uma região próxima às casas onde Mengele e Eichmann viveram depois de fugir da Europa. “É a prova irrefutável de que depois da Segunda Guerra Mundial as portas se abriram para que líderes nazistas” entrassem na Argentina, defendeu, por sua vez, Ariel Cohen Sabban, presidente da DAIA, acrescentando que provavelmente foram esses dirigentes nazistas quem “esconderam” os elementos agora encontrados.

O que acontecerá agora com o tesouro nazista? Bullrich informou que, depois de serem investigadas, as peças relativas ao nazismo serão expostas no Museu do Holocausto de Buenos Aires, destinado a manter viva a memória da Shoah (Holocausto, em hebraico). O resto será devolvido aos seus países de origem.

MAIS INFORMAÇÕES