Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

As minas que os nazistas puseram e tiraram

'Terra de Minas’, uma produção dinamarquesa, ilustra como os habitantes desse país se aproveitaram de soldados alemães, muitos deles crianças, para desminar seu litoral após a Segunda Guerra Mundial

Fotograma de 'Land of Mine'.

Quando a Segunda Guerra Mundial terminou, 2,2 milhões de minas ficaram enterradas nas praias da costa oeste da Dinamarca. Durante anos os nazistas imaginaram que o desembarque aliado poderia ocorrer por esse país, daí seu meticuloso trabalho de minar centenas de quilômetros quadrados de litoral. O Governo dinamarquês decidiu então usar seus 20.000 prisioneiros alemães – ex-soldados nazistas, quase todos menores de idade – para limpar as praias (tarefa que, no entanto, só viria a terminar em julho de 2012). A maior parte dos detentos morreu ou voltou para a Alemanha mutilada, num capítulo da sua história que a Dinamarca preferiu esquecer.

Até que o cineasta Martin Zandvliet (Fredericia, 1971) decidiu investigar esse caso abominável e encontrou ali o material para seu novo filme. Terra de Minas, sem estreia prevista ainda no Brasil, mostra esse obscuro trabalho através de um pelotão comandado por um sargento dinamarquês com 14 soldados alemães: alguns são adolescentes, e os outros são meninos. Com esse longa, Zandvliet chegou ao Oscar – pelo segundo ano consecutivo a Dinamarca emplacou um filme bélico no quinteto finalista à estatueta ao melhor filme de língua estrangeira –, e foi de Nova York, em plena atividade promocional na semana prévia à cerimônia, que o cineasta falou por telefone a este jornal. Acabou sendo um visionário: "Ganhará O Apartamento, de Farhadi, porque é o melhor.

Para o Zandvliet, seu filme retrata “uma dessas histórias as quais não parece haver um momento bom para contá-las”. O dinamarquês continua seu discurso: “A maior parte dos países prefere construir sua História através de mitos, de heróis que na verdade desenhamos conforme o nosso desejo. Neste caso eu estava procurando um tema sobre traições, sobre capítulos obscuros. Eu sabia que havia ao redor da Segunda Guerra Mundial muitos momentos dos quais a Dinamarca não se orgulhava. Investiguei e encontrei um livro sobre o assunto. A maior parte dos soldados era de crianças, obviamente não por culpa dinamarquesa, mas sim porque o regime nazista alistou meninos nos últimos meses do conflito. E aí estava a história.” Os filmes bélicos costumam acabar depois de um brutal confronto, com a idealização do vencedor; Terra de Minas fala do dia seguinte, do sentimento de raiva que os dinamarqueses abrigavam: “Aqui não há ação, e sim emoções. Depois de uma guerra ou de um atentado, a vingança e o ódio triunfam entre as pessoas. Agora, e quando o olho por olho resolveu um problema? Isso é que me interessava”.

“Depois de uma guerra ou um atentado, a vingança e o ódio triunfam entre as pessoas. Agora, e quando o olho por olho resolve um problema?”

Para o filme, Zandvliet contratou atores alemães para fazerem os soldados, e ninguém conhecia a história. “Assim como os dinamarqueses, eles viviam na ignorância. Filmamos de forma cronológica e nos lugares em que os prisioneiros realmente estiveram desarmando as minas. Quando alguém morria no filme, despedia-se, e então todos puderam entender muito bem a solidão e os sentimentos dos presos da vida real.” Os últimos quatro nunca souberam se seus personagens iriam ou não sobreviver. “Truques para motivar”, confessa o cineasta, entre risos.

Zanvliet ama o teatro: seus dois filmes anteriores tinham conexão com os palcos. “Amo, sobretudo, a interpretação, as caras, as personagens. Inclusive acho que Terra de Minas tem um certo clímax teatral. Aliás, nos campos de prisioneiros dinamarqueses os garotos costumavam representar obras durante a noite. Eu me interesso por contar as histórias de forma clássica e direta, sem experimentos. Minha esposa, Camila Hjelm, é a diretora de fotografia, e ela gosta de filmar com um estilo documental, centrando-se nos rostos”. Curiosamente, Terra de Minas acabou sendo um projeto familiar, já que sua filha também atua no filme. “Não queríamos ser pais ausentes, porque além disso adoramos trabalhar juntos, então quando podemos ela viaja conosco.”

Como é possível que a Dinamarca, um país com apenas 5,6 milhões de habitantes, tenha um grupo tão impressionante de cineastas e atores, que faz sucesso não apenas na Europa, mas também em Hollywood? “Bem, desde crianças, na escola, somos educados a amar o cinema. E somos uma comunidade pequena, todos nos conhecemos, então nos inspiramos uns nos outros e levamos muito a sério a arte e o cinema.”

MAIS INFORMAÇÕES