Polícia apura se corpo no Tâmisa é da oitava vítima do atentado de Londres

Investigadores prendem homem de 30 anos por relação com os atentados do sábado

Buquês de flores, velas e mensagens deixados em homenagem às vítimas em Londres.
Buquês de flores, velas e mensagens deixados em homenagem às vítimas em Londres.EFE

As investigações e prisões relacionadas ao atentado na ponte de Londres que causou a morte de sete pessoas e deixou quase cinquenta feridos no último sábado prosseguem quatro dias após os ataques e à véspera das eleições no Reino Unido. A Polícia de Londres anunciou nesta quarta-feira ter resgatado o corpo de um homem no rio Tâmisa informado sobre isso à família de Xavier Thomas, um francês de 45 anos que está desaparecido desde o atentado. A instituição afirma, em nota, que “a identificação formal ainda não foi realizada” e que os agentes já solicitaram informações sobre o desaparecido. O corpo foi localizado nesta terça-feira às 19h44 perto de Limehouse, a cerca de 5,4 quilômetros do Borough Market, um dos três locais atacados pelos terroristas. Se isso for confirmado, o número de vítimas dos ataques subirá para oito.

Mais informações
Em reta final de campanha eleitoral, May radicaliza discurso antiterrorista
Trump aproveita atentado de Londres para reivindicar seu veto migratório
Deixou o jantar pela metade durante os atentados de Londres e voltou para pagar a conta, com gorjeta

As informações sobre as vítimas são divulgadas aos poucos. O ministro do Exterior da França, Jean-Yves Le Drian, confirmou no início da manhã desta quarta-feira que um segundo cidadão francês morreu no atentado. “Trata-se de Sébastien Belanger, de 36 anos”, disse o ministro. No momento do ataque, ele estava em um restaurante do Borough Market. Poucas horas depois, o presidente do país, Emmanuel Macron, subiu para três o número de vítimas fatais de nacionalidade francesa e informou que oito franceses também estão entre os feridos. Segundo declarou, a informação sobre a terceira vítima fatal foi recebida nesta quarta-feira. De manhã. O primeiro morto francês identificado foi Alexandre Pigeard, um garçom de 26 anos, esfaqueado por um dos terroristas enquanto trabalhava, segundo relato feito por seu pai à agência France Presse.

Na madrugada desta quarta-feira, a Polícia londrina efetuou a prisão de um homem de 30 anos suspeito de cometer, preparar ou instigar atos terroristas, segundo informação da instituição, que continua fazendo apelo à população para que informe qualquer detalhe que tiver sobre os três terroristas que perpetraram o ataque.

A mais recente detenção foi efetuada pela polícia à 1h30 da manhã desta quarta-feira no distrito de Ilford, na região leste da capital britânica. O suspeito foi levado para a delegacia da região sul da Polícia de Londres. Os agentes informaram, também, que estão fazendo o registro formal da prisão. Os 12 primeiros presos após o atentado foram colocados em liberdades, sem acusações formais, segunda-feira passada (5).

Grande parte do cordão de isolamento instalado pela polícia na área onde se realizou o ataque já foi desfeita, entre a Borough High Street e as avenidas da região do seu lado leste. O mercado gastronômico Borough e uma pequena área ao redor continuam fechados, segundo a Polícia de Londres. Para acessar o local, é preciso apresentar as razões em um posto policial móvel ali instalado, e a pessoa, se autorizada, tem de ser acompanhada por um agente.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS