PSDB e DEM adiam decisão sobre desembarque e dão sobrevida a Temer

Legendas decidiram protelar decisão sobre apoio ao presidente até julgamento pelo TSE

Pichação em Brasília.
Pichação em Brasília. UESLEI MARCELINO / REUTERS

Dois dos principais partidos aliados do presidente Michel Temer, o PSDB e o DEM, decidiram blindar a economia e dar uma salvaguarda ao peemedebista antes de decidirem se abandonam a sua base no Congresso Nacional ou se mantêm seu apoio incondicional. A data limite para tratar do desembarque é a primeira quinzena de junho, quando o Tribunal Superior Eleitoral poderá ter encerrado a análise do processo que pede a cassação da chapa Dilma-Temer, eleita em 2014.

Mais informações

Em diversas entrevistas durante o dia, lideranças das duas legendas informaram que não vão travar o andamento das reformas que o peemedebista apresentou no Legislativo e que continuarão trabalhando para aprová-las. Tanto a reforma da Previdência, que está na Câmara, quanto a trabalhista, que está no Senado, são incentivadas e esperadas por investidores do mercado financeiro, assim como pela cúpula do empresariado brasileiro.

Disse o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aliado de primeira hora do presidente e possível herdeiro de sua cadeira: “A Câmara dos Deputados não será instrumento para a desestabilização do Governo”. Segundo ele, entre os dias 5 e 12 de junho a Casa estará pronta para debater a Previdência. No Senado, quem tomou a frente dos debates foi o presidente interino do PSDB, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). “Não podemos deixar o país degringolar em função da crise do Governo. A crise do Governo nós vamos avaliar separadamente. O nosso trabalho no dia de hoje é o de ter responsabilidade”.

A declaração de Jereissati ocorreu no mesmo momento em ele anunciou ter chegado em um acordo com o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), relator da reforma trabalhista, para que ele mudasse de ideia de levasse o seu relatório à votação na próxima quarta-feira. A ideia é que o polêmico projeto, que altera praticamente toda a legislação trabalhista, seja votado no Senado até o dia 15 de junho.

Apesar de dizer que seu partido ainda não se decidiu sobre a continuidade do apoio a Temer, Jereissati reforçou a necessidade de se investigar os delitos apresentados pelo magnata Joesley Batista, da JBS. “As denúncias são gravíssimas e vão ter o seu desdobramento à parte. Não significa férias para o Senado nem recesso para a Câmara”, ressaltou.

A crise política se instalou no país na última quarta-feira, quando o jornal O Globo noticiou que Joesley gravou um diálogo com Michel Temer no qual ele teria concordado em comprar o silêncio de Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O crime é insistentemente negado por Temer. O presidente chegou a contratar uma perícia particular para comprovar que o áudio apresentado como prova foi manipulado. A gravação faz parte da delação premiada assinada pelo empresário com o Ministério Público Federal que resultou na abertura de um inquérito contra o presidente pelos crimes de corrupção passiva, obstrução à investigação e constituição e participação em organização criminosa. O senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) também são investigados.

Enquanto os governistas dão sobrevida a Temer, os opositores tentam constranger um dos homens fortes de seu combalido Governo, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Nesta segunda-feira, o deputado Ivan Valente (PSOL) protocolou na Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara um pedido de convocação do ministro. Quer que ele explique se tinha conhecimento de toda a corrupção que a J&F praticava. O tema será posto em discussão na quarta-feira.

Meirelles entrou em 2012 no grupo, que controla a JBS, para fazer parte do conselho consultivo. Segundo uma reportagem do jornal Valor Econômico, de quando ele assumiu o cargo, uma de suas principais tarefas seria a de “criar uma estrutura de governança corporativa” na empresa. Ele se desligou da holding em 2016. “Queremos saber se ele tem informações sobre tudo o que a JBS financiou no país, sobre toda a corrupção que se propalou esses anos todos”, destacou o deputado. O requerimento que pode culminar na convocação do ministro será votado na quarta-feira.

Outra estratégia é tentar fazer prosperar um dos pedidos de impeachment que já tramitam na Câmara. Até a noite desta segunda-feira, 13 foram protocolados, sendo nove relacionados ao escândalo da JBS e quatro a razões anteriores. Um novo pedido deve ser apresentado ainda nesta semana pela Ordem dos Advogados do Brasil.

Mais informações