A crise política no Brasil

Lava Jato denuncia Lula por obras no sítio de Atibaia

Ministério Público Federal acusa o ex-mandatário de corrupção e lavagem de dinheiro. Outras 12 pessoas também foram denunciadas

O ex-presidente Lula discursa em Curitiba, em 10 de maio.
O ex-presidente Lula discursa em Curitiba, em 10 de maio.

Mais informações

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi mais uma vez denunciado nesta segunda-feira pela força-tarefa da Operação Lava Jato. Desta vez, os procuradores baseados em Curitiba acusam Lula de corrupção e lavagem de dinheiro no caso envolvendo as obras do sítio de Atibaia, no interior de São Paulo, frequentado pelo petista e sua família. Outras 12 pessoas também foram denunciadas, entre elas Fernando Bittar, amigo do ex-mandatário e proprietário do imóvel – junto com Jonas Leite Suassuna Filho –; Leo Pinheiro, dono da construtora OAS; o pecuarista José Carlos Bumlai; e os empresários Emílio e Marcelo Odebrecht. Agora, cabe ao juiz Sérgio Moro aceitar ou rejeitar a denúncia feita. Lula já responde a outras cinco acusações, sendo três delas na Lava Jato.

A Procuradoria acusa agora o ex-presidente de ter recebido 1,02 milhões de reais através das obras do sítio feitas pela Odebrecht, OAS e Schanin. A acusação também diz que o imóvel pertence ao ex-presidente, que por sua vez sempre garantiu que o sítio é de seu amigo – que teria comprado o imóvel para que ele tivesse um lugar para descansar depois da presidência.

Mas para o MP, a reforma do sítio foi parte de uma propina, de ao menos 128,1 milhões de reais, que a Odebrecht pagou a partidos e políticos por quatro contratos assinados com a Petrobras. Já a OAS teria pago propinas que somam 27 milhões por três contratos com a petroleira. A força-tarefa acredita que parte da reforma também foi bancada com propinas oriundas de um contrato entre a Petrobras e a Schahin para o operação da sonda Vitória 10.000.

Os procuradores argumentam que o ex-presidente foi o responsável "por comandar uma sofisticada estrutura ilícita para captação de apoio parlamentar, assentada na distribuição de cargos públicos na Administração Pública Federal". O juiz Sergio Moro interrogou o ex-presidente no último dia 10 de maio em Curitiba sobre o caso envolvendo um triplex no Guarujá. De acordo com a Lava Jato, o imóvel foi ofertado pela OAS também como parte do pagamento de propinas referente a três contratos assinados com a Petrobras. Lula também nega que o apartamento seja seu. Espera-se que Moro emita sua sentença sobre este caso – a primeira do ex-presidente – entre o final de junho e o início de julho. Não há uma data definida.