MUDANÇAS TRABALHISTAS

Temer diz que a reforma trabalhista vai trazer “emprego e harmonia”

Presidente comemora o Primeiro de Maio com uma mensagem para tentar convencer a população das "inúmeras vantagens" das mudanças na CLT

Após minimizar a greve geral da última sexta-feira e anunciar que não vai recuar na reforma trabalhista, o presidente Michel Temer comemorou o Primeiro do Maio com uma mensagem aos brasileiros para defender as mudanças na CLT que o Governo tenta aprovar. O mandatário assegura que a reforma tem "inúmeras vantagens", já que vai conseguir "mais empregos" e "mais harmonia na relação de trabalho".

Mais informações

Na mensagem de vídeo difundida pelo Planalto, Temer se apresenta como o defensor dos direitos dos trabalhadores e afirma que o Primeiro de Maio deste ano "marca um momento histórico" porque "iniciamos uma nova fase, uma fase em favor do emprego". O presidente tenta se defender das críticas de que a reforma vai tirar direitos dos trabalhadores, uma ideia compartilhada por 58% dos brasileiros, segundo uma pesquisa da Datafolha divulgada nesta segunda-feira. "Todos os seus direitos trabalhistas estão assegurados", diz Temer. O presidente ainda afirma que o projeto do Governo "concede direitos a aqueles trabalhadores que antes não tinham", como os temporários e os terceirizados. De agora em diante "todos" terão com carteira assinada, garante o mandatário, que também afirma que haverá punições para as empresas que discriminarem as mulheres no salário.

Temer também destacou ser positiva a parte da reforma que impõe mais empecilhos para os empregados entrarem em ações trabalhistas na Justiça. Segundo Temer, isso vai ter como resultado "mais harmonia na relação de trabalho".

A mensagem culpa o anterior Governo petista, do qual era vice-presidente, pelo elevado número de desempregados – por primeira vez o Brasil ultrapassou a cifra dos 14 milhões. "O desemprego ainda persiste, mas estamos trabalhando o tempo todo para mudar esse quadro", acrescenta. "A área econômica está recuperando a confiança do país. Isto significa que você terá a abertura de mais empregos muito brevemente". Isso vai acontecer, segundo ele, porque com "a modernização trabalhista", aprovada a semana última pela Câmara dos Deputados, "a criação de postos de trabalho, inclusive para os mais jovens, ocorrerá de forma muito mais rápida". 

Alheio a forte impopularidade de seu Governo, refletida em todas as pesquisas de opinião pública, Temer termina seu pronunciamento com uma "mensagem de otimismo e harmonia entre todos os brasileiros". "Os resultados já começam a aparecer", promete.

O presidente não falou da reforma da Previdência, que entra nesta semana em uma fase decisiva de debate na Câmara, sem que o Governo tenha garantido o número suficiente de votos para aprová-la. A pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda calcula que 71% dos brasileiros são contrários a ela.