Ataque dos EUA ao Afeganistão

Como é “a mãe de todas as bombas”

EUA testou a GBU-43 em 2003 na Flórida, mas não a havia utilizado depois disso

Vídeo: teste da bomba em março de 2003.

Mais informações

Os Estados Unidos, sob a gestão do presidente Donald Trump, lançaram sobre o Afeganistão a "mãe de todas as bombas", como é conhecida a MOAB GBU-43, durante uma ofensiva no país nesta quinta-feira. É a primeira vez que o explosivo é usado em um conflito, sendo que o objetivo da missão era destruir a infraestrutura de túneis do Estado Islâmico.

A bomba, dotada de um dispositivo com GPS, tinha como meta “minimizar o risco enfrentado pelas forças armadas afegãs e estadunidenses”, segundo o Pentágono. O comunicado oficial afirma que o Exército dos EUA “tomou todas as precauções” para evitar mortes de civis nesses ataques e que suas operações prosseguirão “até que o Estado Islâmico do Afeganistão seja destruído”. Ainda não se sabe, porém, se houve vítimas.

A bomba MOAB GBU-43/B, em uma imagem de arquivo do departamento de Defesa dos EUA.
A bomba MOAB GBU-43/B, em uma imagem de arquivo do departamento de Defesa dos EUA.

Apesar de as primeiras informações terem descrito a GBU-43 como “a bomba não nuclear mais potente” do armamento dos Estados Unidos, a Foreign Policy afirma que existe uma de maior peso. A MOB, com 6 metros de comprimento, pode carregar 15 toneladas de explosivos, contra as 11 contidas na lançada pelo país nesta quinta-feira sobre o Afeganistão. A diferença entre ambas, e a razão pela qual a “mãe de todas as bombas” é assim conhecida, reside no fato de que seu raio de impacto é o maior de todos.

A “mãe de todas as bombas”, assim chamada porque em inglês as iniciais dessa designação coincidem com a do acrônimo oficial MOAB –Massive Ordnance Air Blast—,  pesa 10 toneladas e foi lançada de um avião MC-130 do Comando de Operações Especiais das Forças Aéreas e tem um raio de impacto de mais de um quilômetro e meio. A MOAB substituiu um artefato similar da época da Guerra do Vietnã e foi desenvolvida no princípio de 2000 com o objetivo de destruir túneis subterrâneos. No entanto, os EUA só a haviam detonado uma vez em condições de testes, em uma base da Flórida, poucos dias depois de a Guerra do Iraque começar.