Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Coreia do Norte afirma estar preparada para qualquer tipo de guerra desejada pelos EUA

Regime de Kim Jong-un alerta para “consequências catastróficas”

Marines realizam operações de voo no porta-aviões Carl Vinson, no Mar da China.
Marines realizam operações de voo no porta-aviões Carl Vinson, no Mar da China. REUTERS

A tensão continua aumentando na península coreana. O regime de Kim Jong-un alertou para “consequências catastróficas” se os Estados Unidos continuarem suas provocações, depois que um porta-aviões norte-americano se deslocou para a região. “Tomaremos medidas mais duras contra os provocadores para nos defender com a poderosa força das armas”, declarou um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, citado pela agência estatal, KCNA.

O porta-aviões Carl Vinson rumou para a península coreana depois que os EUA ameaçaram ações unilaterais se a China, o principal aliada da Coreia do Norte, não aumentar a pressão para conseguir o fim do programa armamentista norte-coreano.

As declarações dos EUA foram feitas enquanto o país realizava os exercícios militares anuais com a Coreia do Sul, uma circunstância que costuma agravar as tensões todo mês de abril. Pyongyang vê esses exercícios como preparativos para invadir seu território.

Esta semana é especial para o regime norte-coreano: na terça-feira, uma sessão extraordinária da Assembleia Popular Suprema comemora o quinto aniversário da nomeação de Kim Jong-un como secretário-geral do Partido dos Trabalhadores da Coreia, a espinha dorsal do regime. No sábado será comemorado o 105º aniversário de nascimento de Kim Il-sung, fundador do regime e avô do líder atual. A Coreia do Norte prepara para esse dia um espetacular desfile militar como demonstração de força. Os analistas não descartam que Pyongyang queira comemorar a data também com o lançamento de um míssil, possivelmente de longo alcance.

A Coreia do Norte lançou, na última quarta-feira, um míssil de combustível líquido, que caiu no mar depois de percorrer apenas 60 quilômetros. No mês, passado lançou simultaneamente quatro foguetes, três dos quais chegaram a águas japonesas. Pyongyang, que já realizou cinco testes nucleares – os dois últimos no ano passado – poderia estar preparando um sexto: imagens recentes de satélite detectaram, segundo especialistas, movimentações suspeitas na região de Punggye-Ri, onde foram realizados os testes anteriores.

O regime de Kim Jong-un ameaçou testar neste ano um míssil de longo alcance que poderia chegar ao território norte-americano, algo que o presidente Donald Trump garantiu que não vai acontecer.

Os movimentos insensatos dos EUA para invadir a República Popular Democrática da Coreia – nome oficial do país – chegaram a uma fase grave”, diz o comunicado do Ministério das Relações Exteriores norte-coreano. A nação “está preparada para reagir a qualquer forma de guerra desejada pelos EUA”.

Preocupação de Washington e Pequim

A Coreia do Norte foi um dos principais assuntos abordados na reunião da semana passada na Florida entre Trump e o presidente chinês Xi Jinping, apesar de não terem conseguido aproximar as posições dos dois países. Washington pede que Pequim aumente a pressão sobre o vizinho, e a China afirma que já está fazendo o que pode

Depois de reuniões em Seul na segunda-feira, a China e a Coreia do Sul concordaram em “endurecer as medidas” se os norte-coreanos realizarem outro teste nuclear.

Em Washington, o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, general Herbert McMaster, afirmou que Trump pediu que assessores se preparassem para apresentar uma série de opções para “eliminar a ameaça” norte-coreana.

O lançamento de mísseis norte-americanos contra posições do regime sírio na semana passada foi interpretado como uma mensagem indireta ao regime de Kim Jong-un: em seu giro pela Ásia em março, o secretário de Estado Rex Tillerson declarou que “todas as opções” estavam sobre a mesa.

Um ataque preventivo contra Coreia do Norte seria mais complicado e teria consequências muito mais graves que a última ação na Síria. Seul está a apenas trinta quilômetros da fronteira e a Coreia do Norte possui numerosos mísseis apontados para seu vizinho do sul.

O próprio ministro da Unificação sul-coreano, Hong Yong-Pyo, já deixou claro: “os ataques preventivos poderiam resolver os problemas nucleares da Coreia do Norte, mas para nós também se trata de defender a segurança da população”, afirmou na segunda-feira.

MAIS INFORMAÇÕES