Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Comoção na Alemanha pelo assassinato de menino de 9 anos por um vizinho

Polícia prendeu um jovem de 19 anos que confessou duas mortes

Marcel Hesse, de 19 anos, suspeito de matar um garoto de 9.
Marcel Hesse, de 19 anos, suspeito de matar um garoto de 9. AFP

O assassinato de um menino de nove anos e a difusão de fotografias do crime causaram comoção na Alemanha. O suposto culpado é Marcel Hesse, de 19 anos, que vivia no mesmo bloco de moradias do menino, na localidade de Herne, no oeste do país. O jovem se entregou à polícia na noite de quinta-feira e confessou que matou o menor e outro jovem, de 22 anos, no qual deu 68 facadas, de acordo com detalhes divulgados nesta sexta-feira pela polícia.

Hesse, que não tinha antecedentes penais, afirmou que primeiro pensou várias vezes em suicidar-se, mas mudou de ideia e planejou os assassinatos, explicou numa coletiva de imprensa o procurador-geral da cidade de Bochum, Danyal Maibaum. Há dúvidas sobre o estado mental do jovem. Os investigadores demonstram certo ceticismo sobre a confissão de Hesse, disse Maibaum, embora reconheçam que ele se lembra dos detalhes dos assassinatos com grande precisão.

A morte do pequeno Jaden ocorreu na segunda-feira. Segundo a mídia local, Hesse tinha pedido ao menino que o ajudasse a levar algo até sua casa. A polícia achou na chamada darknet, ou Internet das sombras, imagens nas quais o jovem posava ao lado do cadáver e dizia: “Acabo de matar meu vizinho. A verdade é que não me sinto muito especial. Minhas mãos estão sangrando. É a única coisa que me incomoda”. O detido reconheceu ter feito fotos do menino morto, mas declarou que não foi ele quem as postou na Internet.

O cadáver, encontrado depois da prisão de Hesse, na quinta-feira.
O cadáver, encontrado depois da prisão de Hesse, na quinta-feira. AP

As autoridades emitiram na segunda-feira um alerta de busca, avisando que o jovem era perigoso, podia estar armado e cometer outros crimes. Os habitantes de Herne, em estado de comoção, evitaram que os filhos brincassem nas ruas, de acordo com a mídia local. Depois de vários dias, a polícia tinha recebido mais de 1.500 pistas de cidadãos sobre o possível paradeiro de Hesse, que não conduziram à sua captura.

Na noite de quinta-feira, o suposto assassino entrou em um restaurante fast-food de comida grega e disse: “Eu sou quem estão procurando. Por favor, chamem a polícia”. No momento da captura, Hesse avisou que havia um incêndio em uma residência próxima. Quando os agentes chegaram ao local o que encontraram foi o corpo de um homem morto. O procurador-geral explicou que o jovem reconheceu ter assestado 68 facadas na segunda vítima.

Depois da prisão, o advogado da família da vítima disse que seus parentes estavam “aliviados”, mas queriam saber o motivo do crime e entender o que havia acontecido. O funeral da criança será na quinta-feira da semana que vem.

Habitantes de Herne encheram de flores, bichos de pelúcia e velas a frene da casa de Jaden, o menino assassinado na segunda-feira.
Habitantes de Herne encheram de flores, bichos de pelúcia e velas a frene da casa de Jaden, o menino assassinado na segunda-feira. EFE