Donald Trump

Uma Casa Branca exclusiva para os escolhidos

Trump transforma seu clube Mar-a-Lago em uma sede paralela de onde dirige os Estados Unidos entre milionários

As crônicas da vida de Donald Trump na Casa Branca o descrevem como um leão enjaulado, fora do habitat, que se recolhe a seus aposentos ao anoitecer para escrutinar o que estão falando sobre ele na televisão, sozinho e de roupão. Mas, no fim de semana, o presidente sai de Washington e volta a brilhar sob o sol da Flórida.

Trump apresenta como assessor ao general McMaster (esquerda) em Mar a Lago.
Trump apresenta como assessor ao general McMaster (esquerda) em Mar a Lago.REUTERS

Depois de um mês no poder, o mundo todo já conhece sua mansão e clube de elite Mar-a-Lago como a Casa Branca de Inverno. Trump passou ali os últimos três fins de semana e está transformando seu luxuoso complexo para milionários em uma sede paralela de gestão dos assuntos públicos dos Estados Unidos com acesso exclusivo para seus convidados e os multimilionários do clube. Com uma área de sete hectares à beira do mar e avaliada em 100 milhões de dólares, Mar-a-Lago é apresentada em sua página na internet como um oásis que “oferece os mais altos privilégios” e “um estilo de vida reservado a uma seleta minoria”.

O presidente gosta de contar que quando recebeu o príncipe Charles em sua mansão disse a ele: “Acho que você é a única pessoa que eu conheço que tem uma casa mais bonita que esta”, referindo-se ao palácio de Buckingham, ao que o herdeiro da coroa britânica, sempre segundo palavras do orgulhoso Trump, teria respondido: “Bem, não estou tão certo disso”.

Mais informações

No último fim de semana Trump mandou trazer a sua mansão quatro aspirantes ao cargo de assessor de Segurança Nacional, entrevistou-os e, antes de retornar a Washington na segunda-feira, apresentou ali o escolhido, o general H. R. McMaster. No fim de semana anterior levou como convidado o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe. No sábado jogaram golfe durante o dia e, à noite, surpreendidos por um ensaio balístico da Coreia do Norte, Trump organizou um gabinete de crise com Abe em uma mesa do pátio, com os clientes do clube maravilhados jantando a seu lado. Dali foram para uma entrevista coletiva. Depois de falar à imprensa, o presidente passou pelo Grande Salão de Baile para cumprimentar os noivos que celebravam o casamento ali. Longe de Washington, esquecendo por um momento os mísseis de Kim Jong-un, o leão, feliz em seu habitat, tomou o microfone e brincou: “Eles são membros do clube há muito tempo e me pagaram uma fortuna”. Gargalhadas em Mar-a-Lago.

Tudo é mais relaxado na mansão, onde os sócios privilegiados podem topar com Jared Kushner, o poderoso genro de Trump, tomando um sorvete ou seu sombrio estrategista-chefe Stephen Bannon rondando ao ar livre. Mas isso tem um preço: 200.000 dólares (cerca de 600.000 reais) de inscrição – duplicada depois que o dono ganhou as eleições – mais 14.000 dólares de cota anual.

O limite de membros, 500 pessoas, não está longe de ser atingido com o aumento da procura agora que Mar-a-Lago deixou de ser só um paraíso de palmeiras com vista para o mar e se tornou o centro do poder. O jornal The New York Times revelou sua lista de integrantes, repleta de executivos como o magnata da mineração e do petróleo William I. Koch, um financiador da campanha de Trump e, segundo o jornal, possível “beneficiário” do projeto Keystone XL, o polêmico oleoduto que é uma das prioridades do presidente. Outro é Richard LeFrak, desenvolvedor imobiliário que contou que, no último fim de semana, Trump lhe perguntou quanto achava que poderia custar o muro com o México. “Pensei que a Segurança Nacional estava se ocupando disso”, estranhou LeFrak. “Bem”, terminou pensativo o presidente-anfitrião, avisando-o de que poderia ser procurado pelo titular da pasta: “Talvez você receba um telefonema do General Kelly”.

À vontade no contato com sua gente em seu palácio de estilo hispano-mourisco da Costa Dourada da Flórida, o presidente combina reuniões com seu gabinete sobre, por exemplo, o futuro do sistema de saúde, telefonemas a dignitários de outras nações e ataques ao poder judiciário pelo Twitter com saídas para jogar golfe, um passatempo que criticava em seu antecessor Barack Obama e que agora não deixa de desfrutar longe das câmeras dos meios de comunicação.

Trump disse que pretende ficar “indo e vindo” entre Washington e sua mansão. Se continuar assim pulverizará os registros históricos de excursões presidenciais, mas os gastos que isso acarreta podem obrigá-lo a se conter. Calcula-se que suas viagens a Mar-a-Lago em um mês já custaram 11 milhões de dólares, quase a média anual dos gastos de Obama.

Contudo, não será fácil para o presidente se afastar muito de sua joia da coroa, de seu agradável entorno natural, de sua estética de tetos dourados, telhas cubanas, azulejos espanhóis, tapetes orientais e tapeçarias flamengas do século XVI; nem de seu ecossistema social, dos seus pares, gente que o adora tanto como a sócia Toni Holt Kramer, fundadora de seu clube feminino de fãs, uma senhora de cabelos platinados e gosto por estampas felinas que declarou: “Se os Estados Unidos funcionassem como Mar-a-Lago, seríamos o povo mais feliz do mundo”.

Da grande dama ao furacão de Manhattan

Mar-a-Lago foi construída entre 1924 e 1927 por Marjorie Merriweather Post, herdeira do império dos cereais General Foods, que registrou em testamento que após sua morte a mansão deveria ser doada ao Governo para servir como residência de inverno dos presidentes dos Estados Unidos. O Governo a recebeu em 1973, mas, deviso ao alto custo da manutenção, acabou devolvendo a propriedade à família. Em 1985, foi vendida a um preço baixo para um tubarão dos negócios que lançou mão de todas as artimanhas e negociou duro até dobrar os proprietários: o furacão dourado de Manhattan, Donald J. Trump. Talvez Merriweather Post, uma dama esclarecida e de gostos refinados, tenha imaginado outra categoria de destinatário. Mas sua vontade póstuma foi cumprida. Hoje Mar-a-Lago é, como desejou, a Casa Branca de Inverno.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50