_
_
_
_
_

Parlamento europeu rejeita embaixador proposto por Trump para a União Europeia

Conservadores e socialistas criticam escolha de antieuropeu como representante em Bruxelas

O presidente dos EUA, Donald J. Trump, nesta quarta-feira.
O presidente dos EUA, Donald J. Trump, nesta quarta-feira.EFE
Mais informações
Quando a Alemanha deportou o patriarca dos Trump
Theresa May vai discutir com Trump novo acordo comercial pós ‘Brexit’
Chefe do Conselho Europeu define Trump como “ameaça externa”
EUA barram os primeiros refugiados após decreto de Trump contra imigrantes

O temperamento volátil de Donald Trump e suas investidas contra a Alemanha, a Europa e os refugiados começam a despertar a UE. O Parlamento europeu escolheu na quarta-feira uma bandeira carregada de simbolismo, a nomeação do embaixador dos Estados Unidos na UE, para mandar uma mensagem clara contra o feroz antieuropeísmo do novo Governo norte-americano. O Parlamento rejeitou o indicado (mas ainda não nomeado) por Trump, Ted Malloch, que em declarações recentes previa um final abrupto para o euro. O Conselho Europeu também se mostrou muito duro contra a “ameaça” dos Estados Unidos. E mesmo assim, os sócios, seguindo uma inveterada tradição, não conseguem chegar a um acordo sobre o tom mais adequado para articular a resposta europeia à contínua provocação trumpista.

A indicação de Malloch se encaixa perfeitamente na lógica teatral do novo Governo norte-americano. O secretário de Comércio de Trump, Wilbur Ross, é contra os acordos comerciais internacionais. O encarregado do Meio Ambiente, Scott Pruit, nega a mudança climática. Betsy DeVos, a escolhida para a Educação, pretende privatizar a rede de escolas públicas. Rex Tillerson, ex-número um da ExxonMobil, a maior petroleira do mundo e com grandes interesses na Rússia, será secretário de Estado, um cargo fundamental. Assim ad infinitum: à luz dessa enxurrada de nomes – e há muitos mais –, faz sentido que o homem designado para ocupar a Embaixada dos Estados Unidos na UE acredite que, em um futuro próximo, nem sequer haverá União Europeia. “O euro pode sofrer um colapso dentro de um ano ou um ano e meio”, disse recentemente o professor Ted Malloch na BBC. “Não tenho certeza de que ainda existirá UE para negociar um acordo comercial”, acrescentou.

Na quarta-feira, o Parlamento europeu se uniu contra o autor dessas declarações, que ainda nem foi nomeado. “Se Washington escolher Malloch, ele deveria ser declarado persona non grata na Europa”, disse o líder dos sociais-democratas, Gianni Pittella. Manfred Weber, do conservador Partido Popular Europeu, salientou que a UE “não pode credenciar alguém como Malloch, que diz que o euro está na reta final, que o Brexit é só o começo do fim”. “É impossível colaborar com alguém assim”, concluiu. Malloch continua no ataque: rejeitar sua nomeação seria como “cuspir na cara de Trump”, salientou em uma entrevista. Só os eurofóbicos o defendem em Bruxelas, capitaneados pelo britânico Nigel Farage, que qualificou Trump de “genuíno democrata”.

O genuíno democrata que capitaneia a primeira potência mundial já avisou sobre suas intenções durante a campanha. Longe de moderar-se, duas semanas lhe bastaram para convulsionar a ordem liberal das últimas décadas com medidas protecionistas, ataques violentos – mas não isentos de intenção, como no caso do superávit alemão – à Europa e à China, alusões intempestivas ao terrorismo e à tortura, e um veto aos imigrantes muçulmanos que também recebeu resposta no Parlamento europeu. A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, explicou que esse veto não afeta os europeus com dupla nacionalidade. Mas logo em seguida atacou a medida: “Rejeitar refugiados com direito à proteção internacional é injusto, é imoral. E não é legal”.

Uma década de crise provocou enormes fissuras norte-sul, leste-oeste, credores-devedores por conta da meia dúzia de crises que a UE é incapaz de resolver. A ameaça de Trump aparece nesse contexto como o inimigo que poderia fazer a Europa esquecer as divisões internas e unir esforços. Em 2003, com a guerra do Iraque, George Bush provocou uma cisão no clube: Reino Unido, Espanha e os parceiros do Leste ficaram do lado norte-americano; os demais se opuseram. O ataque de Trump foi tão devastador que não há diferenças de fundo, mas nem mesmo agora os europeus conseguem chegar a um acordo sobre o tom adequado para sua resposta. O Conselho e o Parlamento são duros; a Comissão Europeia, menos dura. Entre os países, Paris mostra firmeza, mas Berlim deu uma resposta mais contida, e Madri, ainda mais branda, pede para evitar reações exageradas.

E, ainda assim, algo começa a se mexer em Bruxelas. Há planos para reforçar a área de defesa, tendo em vista das investidas anti-OTAN de Trump. A Comissão anuncia negociações comerciais com o México e quer abrir negociações com vários países da Ásia para contrabalançar as novas tentações protecionistas dos Estados Unidos. O Conselho situa a “ameaça” de Trump à altura da Rússia ou do Estado Islâmico. E o Parlamento europeu rejeita o embaixador indicado, apesar de serem Mogherini e o Conselho os encarregados de examinar o candidato. Não se sabe como terminará esse capítulo. E outro: “O efeito Trump obriga a UE a amadurecer, mas é difícil vê-lo como uma oportunidade. É um problema, um desafio enorme ter o maior sócio da União no lado contrário”, concluem fontes diplomáticas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_