Tensão aumenta na Alemanha com autor do atentado ainda foragido

Os mercados de Natal continuarão a funcionar na Alemanha, com a exceção do que sofreu o ataque

Mulher presta homenagem a vítimas do atentado, nesta terça-feira.
Mulher presta homenagem a vítimas do atentado, nesta terça-feira.CLEMENS BILAN (AFP)
Mais informações

Na Breitscheidplatz, a popular e turística praça localizada aos pés da famosa Gedächtniskirche e que foi palco –na noite de segunda-feira– do pior ataque terrorista ocorrido na Alemanha nos últimos anos, reina um respeitoso silêncio. O local continua sendo vigiado pela polícia e ninguém pode ver o ponto exato onde um caminhão surgiu por um dos lados e atropelou de maneira mortal 12 pessoas.

Um enorme tapume de tecido impede que se veja a parte interna e um cordão policial não deixa que os pedestres se aproximem. A polícia é rigorosa e aconselha aos jornalistas que ficam de guarda no lugar que sejam prudentes no trabalho. “Houve um massacre aqui na noite passada e a prioridade é respeitar a dor das famílias das vítimas”, diz um agente, que não está autorizado a dar mais informações.

Todas as barracas e bancas do mercado de Natal que não foram destruídas pelo caminhão permaneceram fechadas. Ninguém sabe quando a situação voltará ao normal, embora o ministro do Interior, Thomas de Maizière e seus colegas regionais tenham acordado que os mercados devem continuar funcionando em todo o país, recomendação que foi aceita pelo resto dos mercados de Berlim, que abriram suas portas na terça-feira.

Os danos causados no mercado de Breitscheidplatz são enormes, e a consternação se refletia nos rostos das pessoas que lá estiveram na terça-feira para ter uma noção da tragédia. Embora algumas pessoas tenham se deixado fotografar, a grande maioria não escondia uma mistura de tristeza e indignação.

A praça onde o mercado é instalado todos os anos tornou-se durante todo o dia um lugar de peregrinação e também um inédito cenário onde as pessoas trocavam opiniões ou se deixavam entrevistar por dezenas de jornalistas que montaram guarda no local.

Um tema recorrente foi a notícia que colocou em dúvida que um jovem refugiado paquistanês de 23 anos, preso na noite de segunda-feira, era o motorista do caminhão assassino. “E então, quem é o assassino?”, queria saber Erich Schmidt, um trabalhador da construção civil que foi entrevistado pelo canal de notícias NTV.

Ninguém sabe. E a ideia de que o assassino está foragido e possivelmente armado causou inquietude na praça. Na tarde de terça-feira, dezenas de pessoas caminhavam pela praça, que tinha um aspecto sombrio, quase sinistro, por causa da escuridão e do frio. O único lugar iluminado era a capela, onde foi realizado um culto ecumênico para homenagear as vítimas.

A atmosfera na praça era diferente quando Berlim começou a viver seu primeiro dia após o atentado. Um garçom do restaurante Vapiano, que testemunhou o ataque à distância, resumiu a trágica noite com uma frase breve e categórica, que foi compartilhada por várias pessoas. “Ouvi gritos de pessoas pedindo ajuda. Se o autor do atentado é um refugiado, como diz a imprensa, então o responsável indireto pela tragédia é a chanceler Merkel, disse o jovem de 28 anos que não quis se identificar. “Quantos terroristas chegaram ao país no ano passado disfarçados de refugiados graças a ela?”.

A possibilidade de que o autor do ataque fosse um refugiado paquistanês– como se cogitou durante horas, até que o principal suspeito foi libertado sem acusações– contaminou a atmosfera da praça com um pesado halo de xenofobia. Este só começou a se dissipar quando o presidente da polícia de Berlim, Klaus Kandt, expressou suas dúvidas sobre a verdadeira autoria. “Na verdade, não há certeza de que [o detido] seja o motorista”, admitiu à imprensa. “Não podemos confirmar isso”, disse.

A confissão do policial causou alívio e preocupação entre os transeuntes que foram até a praça. Pouco antes do início do culto ecumênico na capela, várias dezenas de pessoas que queriam assistir à cerimônia religiosa perguntavam quase em voz alta sobre o paradeiro do fugitivo. “Um assassino está solto na cidade”, disse Klaus Müller, um médico que tem consultório a poucos metros de distância. “Está em andamento uma grande operação policial para capturá-lo”, respondeu um agente da polícia, admitindo uma medida que não foi tornada pública pelas autoridades.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: