Real Madrid

Zidane fecha ano mágico no Real Madrid

Com o Mundial, o técnico fecha 2016 com três títulos e duas derrotas em 53 jogos

Zidane e Cristiano Ronaldo durante a final do Mundial.
Zidane e Cristiano Ronaldo durante a final do Mundial.Issei Kato / REUTERS

Os jogadores falam dele como o capitão do navio. Quando Zinedine Zidane assumiu a equipe no início de janeiro, o Real Madrid estava à deriva. Com 37 pontos em 54 possíveis no Campeonato Espanhol, sob o peso de ter de enfrentar uma equipe italiana –a Roma– nas oitavas de final da Champions League e com um horizonte cheio de nuvens. Nenhum jogador havia entrado em sintonia com Rafa Benítez: o grupo ia para um lado, o técnico espanhol ia para outro. A chegada de Zidane foi uma lufada de ar fresco. Ele operou o milagre e conseguiu em cinco meses o décimo primeiro título da Champions. Três meses depois, a Supercopa da Europa, e no domingo fechou 2016 com o terceiro título da temporada, o Mundial de Clubes. Conseguiu a vitória sofrendo mais da conta e na prorrogação. Mas até a isso parece ter se acostumado o técnico francês.

Mais informações

O banco do Real Madrid, lugar que via de regra desgasta todos pela pressão e a cobrança, parece não ter tido esse efeito sobre Zidane. “Sim, existe pressão, desgaste, estresse... e isso continuará enquanto eu estiver aqui. Outra coisa é que não se veja... Mas olhe para mim agora, estou sem voz e por dentro estou cansado, não consegui dormir bem desde que chegamos aqui”, disse na noite passada em sua última entrevista coletiva do ano.

“Minha família é quem está sempre aí e me apoia, faça as coisas bem ou mal”, respondeu quando perguntado se lembrava de alguém em especial depois do terceiro título da temporada. “Também quero agradecer os jogadores. O que eles estão fazendo é fenomenal, o que joga mais, o que joga menos, estamos todos no mesmo caminho”, disse.

Mesmo caminho, mesmo barco. São as palavras que foram usadas pelos jogadores e pelo técnico durante todo o ano. Sergio Ramos foi perguntado no sábado se este é o Real Madrid com mais mística e épica no qual tinha jogado desde que chegou ao clube. O capitão respondeu que de cada época ficaria com alguma coisa, mas que era difícil formar um grupo como o de agora. “Foram reforçadas as linhas em função do que a equipe precisava. Praticamente não houve mudanças, somos os mesmos jogadores, nos conhecemos bem e isso cria uma dinâmica de jogo muito mais simples. Nos entendemos com um olhar. Desde que Zizou chegou, o grupo mudou no nível anímico, ele controla bem o grupo e sabe tirar as virtudes de cada um. A chave é que ele sabe transferir ao técnico o talento que tinha como jogador e estamos muito satisfeitos que ele governe este navio”, analisou o central.

O barco passou por 53 portos. Das 53 partidas em que o técnico francês dirigiu o time em 2016, só perdeu duas: contra o Atlético no Espanhol, em fevereiro, e contra o Wolfsburg na Champions, em abril (a derrota foi devolvida no jogo de volta). Zidane sempre defendeu o trabalho. Não se cansa de repetir que quando se trabalha muito, bem e com paixão, é impossível que as coisas saiam errado. Força de vontade, nesse sentido, ele mostrou desde o dia em que foi apresentado. “Ofereço entusiasmo e vontade de trabalhar”, disse. Não estava claro, porém, que esse entusiasmo e essa vontade, por si sós, dessem resultados. Ou, pelo menos, que dessem tão bons resultados em tão pouco tempo.

Mão ‘dura’

Essa maneira de administrar o grupo, essa capacidade de ser ouvido –os jogadores continuam a olhá-lo com essa aura mágica que ele desprendia quando jogava–, seu bom humor, não o impediram de agir com mão dura. É o técnico e ele manda. A James e Isco, por exemplo, disse logo ao chegar que eram jogadores que tinham de dar carinho e confiança. Mas não contou com eles até que lutaram por um lugar entre os titulares. E James ainda está envolvido nessa batalha. Também não teve problemas em colocar Cristiano Ronaldo em seus revezamentos. Ninguém ousara fazer isso antes.

Zidane figura entre os três treinadores para ganhar o prêmio da FIFA de melhor técnico do ano no próximo 9 de janeiro. 

Zidane continua repetindo que está em fase de aprendizagem. A FIFA o incluiu entre os três melhores técnicos do ano (o prêmio será entregue no dia 9 de janeiro) e ele disse que talvez seja prematuro. “Há muitos treinadores que têm de estar antes nessa lista”, disse. Repete sempre que isso pode acabar um dia e que quer aproveitar o momento, porque tem a sorte de fazer o que gosta. Mas esperava isso quando se sentou no banco do Real Madrid no dia 5 de janeiro?, perguntaram. “No dia 4, cheguei no dia 4. Minha ideia era tentar, tentar fazer um grupo e ganhar jogos. E como sou positivo, embora não pareça, esperava um Real Madrid assim. Tendo esses jogadores é mais fácil”, respondeu. A positividade certamente o impede de pensar que o time possa sofrer um colapso semelhante ao da equipe comandada por Carlo Ancelotti depois de vencer o Mundial de Clubes de 2014. “Temos isso em mente, embora não tenhamos falado do assunto no vestiário. Eu acredito no trabalho, os jogadores também; se trabalharmos, por que isso vai mudar?”

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete