Democratas e republicanos prometem investigar se Rússia interferiu nas eleições

Trump classifica como “ridículas” as acusações de que Putin o ajudou a ganhar

O presidente eleito, Donald Trump, em entrevista para a 'Fox'.
O presidente eleito, Donald Trump, em entrevista para a 'Fox'.Richard Drew (AP)
Mais informações

“Acredito que é ridículo. Não passa de outra desculpa. Não acredito”, disse Trump neste domingo em entrevista às rede de TV Fox. “Cada dia aparece uma desculpa. Tivemos uma vitória eleitoral em massa”, insistiu, segundo um adiantamento da emissora. Na primeira reação aos informes da CIA, na noite da sexta-feira, a equipe de transição de Trump já tinha rejeitado a informação e, de quebra, zombado dos serviços de inteligência ao dizer que “são as mesmas pessoas que disseram que Saddam Hussein tinha armas de destruição em massa”, em referência à informação de inteligência − que resultou ser falsa − com a qual o então presidente George W. Bush justificou a invasão do Iraque em 2003, que Trump tanto criticou durante a campanha.

Segundo Trump − que pôs no topo da lista de favoritos para o cargo de secretário de Estado um homem muito próximo da Rússia, o presidente da Exxon Mobil, Rex Tillerson −, caso um hacker não seja flagrado no momento em que está invadindo uma rede de computadores, “não é possível” saber de quem se trata, por isso os serviços de inteligência “não têm nem ideia se é a Rússia, a China ou alguém mais. Poderia ser qualquer um deitado em sua cama em qualquer lugar”. Para ele, os democratas insistem no caso “porque sofreram uma das maiores derrotas da história política deste país” e estão “muito envergonhados”. Já na sexta-feira, a equipe do presidente eleito tinha afirmado que era “hora de seguir em frente” e pôr fim a esse tipo de especulações.

Mas um grupo de senadores, tanto republicanos como democratas, não parece disposto a virar a página tão fácil. Os senadores democratas Charles Schumer e Jack Reed, juntamente com os republicanos John McCain e Lindsey Graham, emitiram neste domingo um comunicado conjunto no qual manifestam sua preocupação com o relatório da CIA e pedem em esforço bipartidário para “examinar exaustivamente” o que aconteceu.

“Foram atacadas nossas instituições democráticas. As informações recentes sobre uma interferência russa em nossas eleições deveriam alarmar todos os americanos”, afirmaram os senadores, três dos quais integram o Comitê das Forças Armadas do Senado. O comitê é presidido por McCain.

De acordo com os legisladores, o Congresso tem a “obrigação de informar o público sobre os recentes ciberataques que atingiram o coração de nossa sociedade livre”. E isso requer, insistiram, que “republicanos e democratas trabalhem juntos para examinar de forma exaustiva esses recentes incidentes e encontrar uma solução integral para impedir e nos defender de futuros ciberataques”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: