Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

‘Aquarius’ sai consagrado de premiação do cinema ibero-americano

Kleber Mendonça e Sônia Braga ganham os prêmios de melhor diretor e melhor atriz nos Prêmios Fênix

Sonia Braga discursa na gala dos Prêmios Fênix. Ver galeria de fotos
Sonia Braga discursa na gala dos Prêmios Fênix. AP

O Brasil soltou a voz numa noite em que se acreditava que o único canto seria o de Pablo Neruda. Embora o filme sobre a vida do Nobel chileno dirigido por Pablo Larraín tenha vencido a categoria de melhor filme nos Prêmios Fênix, foi Aquarius que deu o toque político à cerimônia, um ingrediente essencial para entender o cinema da região. Kleber Mendonça Filho ganhou o prêmio de melhor diretor e Sonia Braga o de melhor atriz de uma produção que se opôs firmemente ao Governo de Michel Temer, que substituiu Dilma Rousseff após um polêmico processo de impeachment.

Aquarius é um filme sobre amor, memória e liberdade democrática”, descreveu Wagner Moura ao apresentar os indicados para o grande prêmio da noite. Momentos antes, sobre o longo tapete vermelho estendido no centro da Cidade do México, o ator protagonista de Narcos disse ao EL PAÍS que Aquarius é um filme de resistência. “O cinema brasileiro é um cinema político. Esse filme sintetiza a resistência dos artistas à ditadura militar e, agora, ao que eu chamo o golpe político contra uma presidenta eleita”.

Sonia Braga foi premiada por sua interpretação de Clara, uma crítica musical que resiste a deixar o apartamento onde criou seus três filhos apesar das pressões que sofre. A atriz mora há vários anos nos Estados Unidos. No México, Braga afirmou que seu papel serve para dizer o que ela pensa do Brasil atual, apesar de suas opiniões terem perdido força e plataforma desde que vive no exterior. Ao receber o Prêmio Fênix, limitou-se a dizer que seu país vive um momento “muito difícil”. No tapete vermelho, entretanto, brincava. Quando os fotógrafos gritavam “à direita!” para captar outro ângulo, respondia sorridente: “Nunca, eu não faço isso”.

A produção de Neruda, do chileno Larraín, vai embora satisfeita da Cidade do México. Em uma entrevista coletiva, Gael García Bernal, um dos coprotagonistas do filme, afirmou que o prêmio outorgado pelos quinhentos cineastas agrupados no Cinema 23 aumenta as chances do filme na corrida para o Oscar. O ator mexicano, ao lado do ator Luis Gnecco e de Juan de Dios Larraín, o produtor e irmão do diretor, disse que esperam boas notícias em duas semanas, quando a Academia dos Estados Unidos divulgará a shortlist dos títulos que competirão pela estatueta de melhor filme estrangeiro.

Guillermo Francella, protagonista de O Clã, ganhou o prêmio de melhor ator, mas não pôde comparecer à cerimônia por estar em outra filmagem. O filme de Pablo Trapero, baseado no arrepiante caso real de uma família de classe média alta argentina que se dedicava ao sequestro, também levou o prêmio de melhor mixagem de som.

O melhor documentário foi para Tempestade, um relato cru sobre a violência no México. Sua diretora, Tatiana Huezo, nascida em El Salvador, mas radicada no país norte-americano, disse que o filme é um testemunho da época “difícil e impune” em que vivemos. “Tenho a esperança de que as coisas mudem”, disse. Segundos depois, um de seus produtores aproveitou o microfone para dizer que uma das filhas das protagonistas continua desaparecida. “Acreditamos que foi levada por policiais judiciais”, disse Sebastián Celis.

Esses momentos de denúncia se misturam com a aura hipster que os Fênix cultivaram em suas três primeiras edições. Os organizadores abominam o ritmo empertigado de outras premiações do cinema e tendem ao espetáculo. Isso permitiu misturar cineastas com rockeros, que interpretam versões musicais de sucesso. Por exemplo, os mexicanos do Titán tocaram uma canção com coros feitos pela peruana Stephanie Cayo e pela mexicana Ana de la Reguera. León Larregui, da banda pop Zoé cantou Besame Mucho junto com Adanowsky. O pai deste, Alejandro Jodorowsky, foi reconhecido pelas academias de cinema ibero-americanas por sua trajetória. “É agradável ser reconhecido depois de uma longa vida de luta para implantar o cinema puro e de arte no meio do cinema industrial”, disse em uma mensagem de vídeo o cineasta que se tornou “psicomago”.

A lista de ganhadores

-Melhor Filme: Neruda, de Pablo Larraín

-Melhor diretor: Kleber Mendonça Filho, Aquarius

-Melhor atriz: Sonia Braga, Aquarius.

-Melhor ator: Guillermo Francella, O Clã

-Direção de arte: Estefanía Larraín, Neruda

-Documentário: Tempestade

-Mixagem de som: Vicente D’Elia e Leandro de Loredo, O Clã

-Prêmio dos exibidores: Los 33

-Figurino: Muriel Parra, Neruda

-Música: Leonardo Heiblum e Jacobo Lieberman, Tempestade

-Edição: Hervé Schneid, Neruda

-Fotografia de ficção: Diego García, Boi Neon

-Fotografia documentário: Ernesto Pardo, Tempestade

-Roteiro: Gabriel Mascaro, Boi Neon

-Prêmio de trajetória: Alejandro Jodorowsky

- Prêmio de crítica: Miguel Marías

MAIS INFORMAÇÕES