Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Por que a história de amor adolescente deste anúncio acaba mal?

Uma reviravolta inesperada na história serve como denúncia nesse spot

Evan é um estudante de escola secundária norte-americana que está iniciando uma inesperada história de amor. Depois de escrever um comentário banal numa das escrivaninhas da biblioteca, recebe a resposta de uma desconhecida, com a qual começa uma curiosa relação epistolar. Quando finalmente descobre a menina que está por trás das mensagens anônimas, um acontecimento inesperado interrompe o encontro entre ambos.

O vídeo criado para a ONG Sandy Hook Promise foi publicado no YouTube na sexta-feira e atingiu 1.200.000 visitas nas primeiras 48 horas. Nos segundos finais do anúncio é mostrado que um fato muito mais preocupante aconteceu diante dos nossos olhos sem que tenhamos prestado atenção a ele. Quando Evan finalmente conhece, no ginásio da escola, a menina com a qual estava se correspondendo, outro aluno irrompe no lugar com uma arma, no que parece ser o início de um massacre.

“Enquanto você observava Evan, outro estudante estava mostrando indícios de estar preparando uma fuzilaria. Mas ninguém percebeu isso”, diz o vídeo. Então, algumas das imagens mostradas na história romântica inicial são mostradas novamente.

Nelas se pode ver o agressor em segundo plano, consultando livros e sites sobre armas, sofrendo abusos por parte de colegas, publicando uma fotografia nas redes sociais com uma arma na mão e fazendo gestos violentos.

Por que a história de amor adolescente deste anúncio acaba mal?

A violência com armas pode ser evitada... se você souber identificar seus indícios”, diz a organização no final do vídeo. A Sandy Hook Promise foi fundada em 2012, depois do massacre numa escola primária em Connecticut de mesmo nome no qual 27 pessoas morreram.

Uma das agências de publicidade mais importantes do mundo, a BBDO, criou esse anúncio. O protagonista do filme de apenas dois minutos e meio de duração observa todas as salas da escola em busca da misteriosa pessoa com quem se corresponde. Mas em nenhum momento percebe o colega solitário nem o que está acontecendo ao seu lado, como acontece com boa parte dos espectadores.

EUA e armas em cinco dados

  1. No ano passado aconteceram 64 assassinatos em massa em escolas norte-americanas, apontou no começo do ano a BBC numa reportagem intitulada Armas nos EUA: As Estatísticas por trás da Violência.
  2. Um total de 8.124 pessoas morreram assassinadas no país em 2014, como o The New York Times destacou no último verão a partir de dados do FBI.
  3. Desde os acontecimentos em Sandy Hook em 2012, a cada dois dias uma criança norte-americana morre baleada, segundo a análise publicada pela NBC News com base em dados do Gun Violence Archive.
  4. Uma criança menor de três anos ferir ou matar outras pessoas ou a si mesma depois de ter acesso a uma arma acontece uma vez por semana nos EUA, calculou o The Washington Post em 2015.
  5. Entre 2001 e 2013, 3.380 norte-americanos morreram por causa do terrorismo, contra 406.496 que morreram por causa de uma arma de fogo, apontou em dezembro de 2015 uma comparação realizada pela CNN em seu artigo Violência Armada nos EUA: A História em Gráficos.

MAIS INFORMAÇÕES