Futebol Espanhol

Zidane: “O Barça de amanhã não será o do Anoeta”

Técnico não confia na má fase do rival: “É preciso ir ao Camp Nou como no ano passado, com muito medo”

Zidane, no último treinamento antes do clássico.
Zidane, no último treinamento antes do clássico.PIERRE-PHILIPPE MARCOU / AFP

Zidane não confia no Barcelona nem na vantagem de seis pontos com a qual o Real Madrid se apresentará no sábado no Camp Nou. Por isso, afirmou ao meio-dia desta sexta-feira, na coletiva de imprensa antes da partida, que é preciso visitar o feudo do inimigo com a mesma mentalidade do último clássico do Campeonato Espanhol, o do ano passado, que o Real venceu por 2x1, e de virada. Disse isso quando lhe perguntaram o que aprendeu nesse dia e que lição lhe poderia valer para o encontro de sábado.

Mais informações

"Amanhã vai ser uma partida completamente diferente. Na temporada passada fomos com muito medo. Este ano é diferente, mas temos que ir com a mesma sensação na cabeça”, respondeu. O técnico não poderá contar com Bale e Morata, que estão machucados. Tampouco com Kroos, que nesta sexta-feira treinou com o grupo (rompeu o quinto metatarsiano em 6 de novembro), pois ainda lhe falta um pouco para voltar a ser convocado.

O espelho no qual Zidane quer que o Madrid se olhe é a partida no Calderón (vitória por 3x0) e o profissionalismo de Cristiano Ronaldo. “É importante para toda a equipe porque sua energia é tremenda. Eu o vejo contente, alegre, arrojado. Este ano conseguiu tudo [Champions e Eurocopa] e ainda tem fome. Isso é bom para o grupo”, comentou o técnico francês, que desconfia da imagem que o Barcelona mostrou no estádio de Anoeta no último jogo da Liga.

"Não me atenho a essa partida porque o Barcelona amanhã será outro. Estou convencido disso. Vamos jogar contra um rival que é um campeão e os campeões sempre são bons nas grandes partidas”, analisou. “Não gosto disso que estão dizendo, que somos os favoritos. Não há favoritos em um clássico. A partida está em 50-50”, acrescentou.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete