Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Donald Trump: “Quando você é uma estrela, elas te deixam fazer qualquer coisa”

Uma gravação mostra o candidato republicano numa conversa obscena sobre mulheres em 2005

O candidato republicano Donald Trump teve desde o primeiro dia um desafio significativo com o eleitorado feminino dos Estados Unidos. A partir desta sexta-feira esse desafio pode se tornar um obstáculo intransponível. Uma gravação de 2005 obtida pelo The Washington Post registrou a conversa que teve com um apresentador de televisão referindo-se às mulheres em termos obscenos e se jactando de que “quando você é uma estrela, elas te deixam fazer qualquer coisa. Pegue-as pela buceta”.

A fita, gravada meses depois de Trump ter se casado com sua terceira mulher, Melania, pode ser um divisor de águas na campanha eleitoral. Hillary Clinton, a primeira mulher candidata à presidência por um dos dois grandes partidos, conseguiu atacar Trump no primeiro debate entre ambos citando suas referências a uma vencedora do concurso de Miss Universo, Alicia Machado. Clinton disse no Twitter depois da publicação da fita: “Isso é terrível. Não podemos permitir que esse homem seja presidente”.

Nesta sexta-feira as televisões reproduziram a gravação, entrecortada por apitos para ocultar a linguagem explícita daquele que agora aspira a ocupar o Salão Oval na Casa Branca. Na versão completa do áudio, os norte-americanos podem ouvir Trump, com suas próprias palavras, admitir suas tentativas para levar uma mulher para a cama nestes termos: “tentei fodê-la, eu tentei. Era casada”, ou “fui com tudo e fracassei”.

O candidato republicano emitiu uma breve declaração em que diz que era uma “brincadeira de vestiário, uma conversa particular que aconteceu há muitos anos”. Na mensagem, Trump pede desculpas “se alguém se sentiu ofendido” e diz que Bill Clinton, ex-presidente e marido da candidata democrata, “me disse coisas piores no campo de golfe, muito piores”.

A gravação foi feita quando Trump rumava, de ônibus, a um estúdio de televisão em 2005. “Eu fui com tudo. Na verdade, levei-a para procurar móveis. Ela queria móveis e eu disse, ‘vou te mostrar onde tem bons móveis’”, continua a conversa de Trump. “Mandei ver como se ela fosse uma cadela, mas não consegui. E era casada”. Enquanto ouve o resto dos acompanhantes, o empresário continua sua história: “De repente, eu encontro com ela e tinha esses peitos postiços enormes e tudo. Tinha mudado completamente de aspecto”.

O empresário nova-iorquino que rompeu todas as regras de qualquer campanha eleitoral se dirigia, então, para gravar um episódio da telenovela Days of Our Lives ao lado do apresentador Billy Bush, que atualmente faz o programa Access Hollywood. Ao estacionar nos estúdios, ouve-se Bush dizer “sua menina está bem gostosa vestida de roxo” referindo-se à atriz que os aguardava, ao que Trump respondeu “uau, uau”.

"Como avô de duas preciosas crianças, não encontro desculpa para os comentários degradantes de Donald Trump sobre as mulheres", critica o republicano Jeb Bush

“Tenho que colocar alguns caramelos na boca se por acaso começar a beijá-las”, diz Trump antes de descer do ônibus. “Você sabe que eu me sinto automaticamente atraído por [mulheres] bonitas... eu começo a beijá-las diretamente. É como um ímã. Apenas beijos. Eu nem sequer espero”. Ao descer, o magnata dá dois beijos e abraça a atriz. Ao mesmo tempo, afirma: “Melania diz que isso é bom”.

MAIS INFORMAÇÕES