A árdua tarefa de Temer de fazer crescer seus 14% de aprovação

Levantamento Ibope-CNI divulgado após ratificação do Governo revela 38% de reprovação

Apenas 14% aprova gestão Temer, segundo pesquisa.
Apenas 14% aprova gestão Temer, segundo pesquisa.P. W. (REUTERS)

Mais informações

Cerca de 73% dos brasileiros considera que o Governo de Michel Temer é regular (34%) ou péssimo (39%) e apenas 14% apoia sua gestão, segundo a primeira pesquisa Ibope-CNI divulgada depois que o presidente foi ratificado com o impeachment de Dilma Rousseff. Na comparação com a ex-presidenta, 31% acredita que Temer faz um governo pior que o de Rousseff. Para 38% dos entrevistados o trabalho é igual ao da antecessora e apenas 24% considera melhor, mostrando a tarefa árdua do ocupante do Planalto para melhorar sua imagem em meio à crise econômica e com uma agenda de ajustes adiante.

De acordo com a pesquisa divulgada nesta terça-feira, há ainda um outro dado complicado para  Temer: somente 26% dos entrevistados afirmou que confia no presidente e 68% disse que não confia. A pesquisa revela, no entanto, que a aprovação do atual presidente não mudou significativamente nos últimos meses. Apesar de não ser diretamente comparável, no último levantamento do Datafolha, realizado em julho, quando Temer ainda não estava efetivado no cargo, 14% dos entrevistados aprovavam sua gestão e 73% consideravam regular ou péssimo.

A consulta desta terça-feira foi encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), foi realizada pelo Ibope entre 20 e 25 de setembro com 2.002 pessoas de 143 municípios brasileiros. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Os problemas identificados

A pesquisa mostrou que 67% desaprova a estratégia de combate ao desemprego - o presidente prometeu, na TV, fazer disso sua prioridade número 1 num país que alcançou a marca de 12 milhões de desempregados - , 70% é contra os planos para a segurança pública e 64% não está de acordo com as medidas para combater a pobreza e a inflação. O índice de desaprovação sobe novamente para 70% quando o assunto é política de impostos, saúde e educação.

O levantamento também apontou que as perspectivas dos brasileiros em relação a Temer não são otimistas. Para 38%, as perspectivas são péssimas, 30% disse que é regular e somente 24% respondeu que são boas.