Eleições Estados Unidos

Donald Trump chama de “asquerosa” Alicia Machado, a imigrante que ele humilhou

Hillary Clinton responde que o candidato republicano age de forma “patética”

O candidato republicano, Donald Trump, em um ato de campanha. John Locher (AP)

O candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, redobrou nas redes sociais seus ataques contra Alicia Machado, a ex-Miss Universo que denunciou ter sido humilhada publicamente por ele há 20 anos. Em uma série de tuítes enviados na madrugada de sexta-feira, Trump qualificou Machado de “asquerosa” e incentivou os leitores a buscarem um vídeo de conteúdo sexual da antiga rainha da beleza, que data de quando ela participou de um reality show espanhol, há uma década.

Mais informações

A democrata Hillary Clinton, que alçou Machado à fama ao mencioná-la na segunda-feira como exemplo de atitude machista de Trump, durante o primeiro debate presidencial, respondeu pela mesma via para defender a ex-modelo. Também aproveitou o último arroubo de seu rival –que, além do mais, nas últimas horas ameaçou outra vez levar à campanha os escândalos sexuais do ex-presidente Bill Clinton– para denunciar de novo o que considera uma atitude misógina e machista do republicano, algo que o está afastando do voto feminino no país.

“A corrupta Clinton ajudou a asquerosa Alicia M. (comprovem em uma fita de vídeo sexual de seu passado) a se tornar cidadã norte-americana para poder usá-la no debate?”, se perguntou Trump em um tuíte publicado às 5h30 da manhã.

O suposto “vídeo sexual” ao qual faz referência é de um reality show espanhol, La Granja, da apresentadora espanhola Terelu Campos em 2005, e do qual Machado participou. Mostra, em imagens muito imprecisas, vários dos participantes, entre os quais a ex-Miss, mantendo relações sexuais depois de uma festa. As imagens, que não são explícitas nem nítidas, foram recuperadas na quinta-feira pelo jornal sensacionalista britânico The Sun.

Machado reiterou nos últimos dias suas críticas a Trump, que, segundo ela afirma, a perseguiu e humilhou publicamente em 1996, por ganhar peso depois de ser coroada Miss Universo no primeiro ano em que o magnata passou a controlar o concurso, que copresidiu até 2015.

Segundo Machado, Trump chegou a chamá-la de Miss Piggy (Miss Porquinha) e também de Miss Housekeeping (Miss Empregada Doméstica) por ser hispânica. Machado, que é natural da Venezuela, conseguiu em meados deste ano a cidadania norte-americana e se tornou uma defensora pública de Clinton, em quem tem incentivado os eleitores a votar, fato que levou a democrata a destacar seu caso no debate, que teve mais de 84 milhões de espectadores e foi o mais visto da história.

Uma longa série de ataques

Mas os ataques de Trump à ex-Miss e a Clinton nem começaram nem acabaram com esse tuíte. Em outra mensagem, o republicano afirma que Clinton foi “enganada” –não esclarece se quer dizer que foi enganada por Machado ou por seu marido, Bill Clinton, em referência a suas infidelidades do passado– e “usada” por Machado, a quem qualifica de sua “pior Miss Universo”.

Hillary a fez parecer um “anjo” sem checar seu passado, que é “terrível”, disse Trump na primeira das mensagens dedicadas às duas mulheres, publicada pouco depois das 5 da manhã local. Nos últimos dias, a equipe de campanha de Trump tentou controlar as mensagens do candidato nas redes sociais, que mantiveram um tom visivelmente mais moderado. Os tuítes da madrugada de sexta-feira, pelo contrário, recuperam o tom descontrolado e agressivo característicos do candidato.

“Usar Alicia M. no debate como exemplo de virtude não é mais do que uma amostra da falta de noção da corrupta Hillary. Hillary foi enganada por uma trapaceira”, continua em sua série de mensagens madrugadoras.

Clinton contra-ataca

O arroubo de Trump teve uma resposta rápida da campanha da democrata, que usou a mesma via, o Twitter, para denunciar o que considera ser mais uma amostra da misoginia de um candidato cujos “patéticos” insultos a mulheres por sua forma física não fazem mais do que demonstrar, afirmou Clinton, sua “desconsideração e até desprezo” pelas mulheres.

“Que tipo de homem fica levantado toda a noite para difamar uma mulher com mentiras e teorias conspiratórias?”, se pergunta Clinton em um tuíte, enquanto em outro faz referência a outra notícia recente sobre o machismo de Trump: a revelação de que seu rival só queria mulheres bonitas em seus negócios e que pressionava para que fossem demitidas as que não considerava suficientemente atraentes.

“Para Donald, mulheres como Alicia só valem em função do que ele opine sobre sua aparência física”, acusa Clinton. “Trump perseguiu de forma obsessiva Rosie O’Donnell, uma atriz renomada. E insultou Kim Kardashian por seu peso, quando estava grávida. Patético”, continua em outra mensagem digital. Durante o último ano, Trump reiterou em numerosas ocasiões seus ataques contra O’Donnell, a quem chamou de “porca” e gorda.

View this post on Instagram

"El candidato republicano y su equipo de campaña nuevamente están generando ataques, insultos e intentando revivir difamaciones y falsas acusaciones sobre mi vida. Todo eso con la finalidad de intimidarme, humillarme y desequilibrarme una vez más. Los ataques que han surgido son calumnias y mentiras baratas generadas con malas intenciones, que no tienen fundamento que han sido difundidas por medios amarillistas. Ésta, por supuesto, no es la primera vez que enfrento una situación así. Por medio de su campaña de odio, el candidato republicano insiste en desacreditar y desmoralizar a una mujer, lo que definitivamente es una de sus características más aterradoras. Con esto, busca distraer la atención de sus reales problemas y de su incapacidad para pretender ser el líder de este gran país. Cuando era apenas una jovencita, el ahora candidato, me humilló, me insultó, me irrespetó públicamente, como lo hacía usualmente de forma privada de la forma más cruel. Así como esto me pasó a mí, es claro a través de los años, que sus acciones y conductas se han repetido con otras mujeres durante décadas. Por lo tanto, seguiré de pie, compartiendo mi historia, mi apoyo absoluto a la señora Clinton en nombre de las mujeres, de mis hermanas, tías, abuelas, primas, amigas y la comunidad femenina. A mis latinas y en general, quiero agradecerles todo el apoyo, el amor y el respeto, a mi carrera, a mi persona como ser humano y a mi familia. Yo me hice ciudadana de este gran país porque aquí nació mi hija y porque quería ejercer todos mis derechos, entre ellos votar. Continuaré de pie, firme en mi experiencia vivida como Miss Universo y ustedes conmigo apoyándome. He estado tan complacida por tantas palabras amables, por tanto amor. Yo estoy centrándome en mi ocupada carrera, en mi labor de madre y voy a seguir dando pasos positivos para la comunidad latina, seguiré como activista en pro de los derechos de la mujer y el respeto que nos merecemos. Aprecio todo su amor y todo su apoyo nuevamente, gracias". Miles de bendiciones.

A post shared by Alicia Machado (@machadooficial) on

A avalanche de tuítes contra Machado demonstra, também, segundo Clinton, que “quando algo penetra sob a pele fina” de Trump, “não é capaz de deixar passar”. Algo que, continuou em outro de seus tuítes, “é perigoso para um presidente”.

A própria Machado se defendeu na sexta-feira nas redes sociais. Em um comunicado publicado em sua conta do Instagram, acompanhado de uma foto na qual posa envolta em uma bandeira dos Estados Unidos, a hoje atriz de telenovelas e empresária rejeitou as “calúnias e mentiras baratas geradas com más intenções” e acusou Trump de tentar “distrair a atenção de seus reais problemas e de sua incapacidade para ser líder” dos EUA com uma nova campanha para “desacreditar e desmoralizar uma mulher, o que definitivamente é uma de suas características mais apavorantes”.