Treinador da seleção inglesa é demitido após ser pego em câmera oculta

Gravação mostra como técnico se oferece para burlar normas por uma comissão próxima a R$ 2 milhões

Sam Allardyce, treinador da seleção inglesa de futebol.
Sam Allardyce, treinador da seleção inglesa de futebol.OLI SCARFF (AFP)

Dois meses e duas partidas depois de assumir o cargo de técnico da seleção inglesa, Sam Allardyce foi demitido nesta terça depois de ter vindo à tona uma gravação em que esclarece seus interlocutores, que tinham se apresentado a ele como representantes de investidores asiáticos, sobre como poderiam burlar a norma da federação inglesa que visa evitar a intervenção de fundos de investimento nas transferências de jogadores. Nas imagens divulgadas pelo Daily Telegraph se vê como Allardyce, que recebe por ano o equivalente a 18 milhões de reais e é o técnico mais bem pago do mundo, negociou uma comissão da ordem de 1,8 milhão de reais para viajar a Hong Kong ou Cingapura e participar de uma reunião para aconselhar os supostos investidores. A federação solicitou ao jornal londrino as transcrições completas de todas as gravações, pedido para o qual ainda não obteve resposta. Além disso, o Telegraph anuncia novas revelações. “Temos que respirar fundo, pôr todos os fatos sobre a mesa, escutar todo mundo e tomar uma decisão”, afirma seu presidente, Greg Clarke.

Mais informações

Mas o escândalo cresce a cada minuto. Allardyce já tinha tido problemas há dez anos, quando outra câmera oculta de um programa da BBC captou conversas com vários representantes que envolviam o então treinador do Bolton no recebimento de comissões ilegais. Allardyce supostamente embolsou dinheiro por contratar determinados jogadores, mas ele imediatamente clamou sua inocência e nunca foi demonstrado que tenha lucrado ilegalmente. Agora ficou numa situação mais comprometedora, não só do ponto de vista jurídico, mas também no ético, porque a gravação apresenta opiniões que no mínimo parecem imprudentes a respeito de quem lhe paga, sobre seu antecessor e mesmo sobre os membros da família real britânica.

“Estamos aqui falando de fazer dinheiro, certo?”, dispara Allardyce aos seus interlocutores. E explica: “Porque dizem que a federação inglesa é a mais rica do mundo e não é. É a que mais vende, mas, por exemplo, gastaram 870 milhões de libras na reconstrução de Wembley e se tivessem feito o estádio em outro lugar teria saído por 400 milhões”. Além disso, ele diminui o trabalho dos seus antecessores no cargo. Assim, ele afirma que Roy Hodgson não tem personalidade e que quando fala “todos começam a dormir”. E critica seu trabalho na última Eurocopa, muito dependente dos conselhos de Gary Neville, seu assistente. “Gary era uma má influência. Ele tinha de ter dito que se sentasse e calasse a boca”. Na gravação, Allardyce se refere a Roy Hodgson como “Woy”, uma gozação sobre seus problemas de dicção. Quatro anos atrás, a federação reclamou de uma manchete do tabloide The Sun que usava essa expressão para se referir ao veterano treinador. “É inaceitável, de mau gosto e desrespeitosa”, afirmou. A maioria dos meios de comunicação britânicos criticou esses modos jornalísticos.

Allardyce pedirá desculpas publicamente ao seu antecessor Roy Hodgson, mas acredita que seu comportamento não é o de um corrupto, porém estava "mal aconselhado"

As reações se sucedem poucas horas depois de Allardyce ter se colocado sob os holofotes. “Há muito dinheiro aí e não é um problema driblar regras ridículas”, sugere o técnico inglês sobre as normas da federação que paga seu grandioso salário e que agora deverá buscar uma maneira de resolver a situação quase imediatamente porque no dia 8, por enquanto com Allardyce à frente, a seleção recebe Malta em Wembley e três dias depois visita a Eslovênia em jogos válidos pela classificação à próxima Copa do Mundo. A primeira reação de Allardyce indica que fará um pedido público de desculpas a Hodgson, mas de acordo com a emissora de televisão britânica Sky Sports, está convencido de que a gravação não o mostra como uma pessoa corrupta mas como alguém “mal aconselhado”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: