Caso Neymar
Opinião
Texto em que o autor defende ideias e chega a conclusões basadas na sua interpretação dos fatos e dados ao seu dispor

“Assino o que meu pai manda assinar”

Neymar, processado na Justiça, recorre ao argumento de Messi

Neymar e seu pai.
Neymar e seu pai.L. S. Arribas (EL PAÍS)
Mais informações

Quando questionado na última sexta-feira se os problemas judiciais em que Neymar está envolvido poderiam afetar o seu rendimento em campo, o técnico do Barcelona, Luis Enrique, calmamente, respondeu: “Se existe um clube e um jogador acostumados com casos que não têm nada a ver com o futebol, como esse, são o Barcelona e Neymar”. E ele tem toda a razão. Não existe instituição com mais ações na Justiça do que o Barça. Bem, até que existe uma: o Partido Popular (PP). Mas isso é outra história.

A Audiência Nacional (instância superior de Justiça na Espanha) acaba de determinar ao juiz De la Mata que reabra o caso contra o jogador por desvio de dinheiro e corrupção na esfera privada. Os magistrados consideram que Neymar e o Barcelona atuaram contra “o livre mercado de contratações de jogadores” e prejudicaram o fundo DIS, dono de 40% dos direitos do atleta, quando, em 2011, o clube pagou 40 milhões de euros, mais 10 milhões de euros sob forma de empréstimo, para assegurar a ida do jogador para o clube barcelonês três anos depois. A Audiência determinou, assim, que sejam processados Neymar, seus pais, o Santos (seu clube de origem) e Sandro Rosell, que presidia o Barcelona na ocasião. Mas, atenção: este é o segundo Caso Neymar. O primeiro é aquele em que o clube e seus dois últimos presidentes, Rosell e o atual, Josep Maria Bartomeu, são acusados de crimes fiscais. Nesse caso, já se sabe qual foi o desfecho: um acordo com a promotoria por meio do qual os dois dirigentes acabaram inocentados e a culpa recaiu totalmente sobre o próprio Barcelona, que se tornou, assim, o único incriminado, condenado a pagar 5,5 milhões de euros. Não se conhece a opinião do conjunto da torcida (perdão pelo pleonasmo, mas ele vem a calhar) sobre isso, mas se sabe, sim, que quem continua sentado bem no centro do palco é Bartomeu, um homem que não para de sorrir, mesmo tendo transformado o Barcelona, um time com milhões de torcedores no mundo inteiro, em réu na justiça. Réu e condenado.

Em fevereiro passado, Neymar e seu pai foram à Audiência para depor no caso de desvio e corrupção. Ali, o jogador afirmou que assinava todo e qualquer documento que seu pai lhe apresentasse. Pode ter dito algo assim: “eu assinava porque papai me dizia para assinar”.... Desculpe, desculpe, mas essa frase não é de Neymar. É de Messi. Ter pais como os desses dois rapazes não é necessariamente ruim, claro, mas não deixa de ser arriscado. O progenitor pega um papel, coloca na sua frente como todo amor para que você o assine, e seja o que Deus quiser. Seria estranho se, nesse instante fugaz, em que se pega a caneta, aparecesse a imagem de um juiz togado, um banco de réus, até mesmo uma cela de prisão.

Sim, Luís Enrique estava certo. Neymar não se deixou abalar por seus entreveros com a justiça. Em Gijón, contra o Sporting, vestiu-se de Messi e deu um show, com direito a dois gols. Sua semana tinha começado com aquela polêmica sobre se a sua maneira de ser dentro de campo não pode criar, às vezes, situações humilhantes para o adversário. Vários nomes saíram em sua defesa, de Simeone a Zidane, passando por seus próprios colegas. Mas essa discussão é tão bizantina que não vale a pena ser feita. O futebol, quando se reduz aos 22 jogadores e se abstrai todo o lixo que existe à sua volta, é um espetáculo. Por isso, desde que se se realize nos limites de suas regras, é algo legítimo e a que devemos aplaudir. Neymar é um privilegiado porque a bola é um prolongamento do seu corpo, e ele faz com ela o que bem quiser. Com a sua voz, pelo visto, é igual, agora que resolveu cantar (é um modo de dizer). Outra coisa é não saber o que se está assinando. Mas, enfim, tendo um pai por perto, quem se importa? Bem, os juízes, pelo que se pode ver.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: