EUA proíbem nadador Ryan Lochte de competir por 10 meses

O medalhista foi punido pelo Comitê Olímpico dos EUA após escândalo nos Jogos do Rio

Nadador Ryan Lochte proibido de competir
Lochte na Rio 2016. REUTERS

O nadador norte-americano Ryan Lochte, 12 vezes medalhista olímpico, foi punido e ficará 10 meses sem competir devido ao escândalo que protagonizou nos Jogos do Rio de Janeiro, quando inventou ter sofrido um assalto à mão armada, segundo informações divulgadas nesta quinta-feira pela imprensa local.

A punição imposta pelo Comitê Olímpico dos Estados Unidos e pela Federação de Natação USA Swimming impedirá Lochte de competir no Campeonato Mundial de Natação, que será realizado em Budapeste, em julho de 2017.

Segundo o jornal USA Today, os outros nadadores norte-americanos envolvidos no incidente no Rio, James Feigen, Gunnar Bentz e Jack Conger também receberão punições, porém mais leves do que a de Lochte. De acordo com o portal TMZ.com, que divulgou inicialmente a notícia, o prazo das punições para Feigen, Bentz e Conger não será superior a quatro meses fora das piscinas.

Durante os Jogos Olímpicos do Rio, os quatro nadadores, liderados por Lochte, inventaram um assalto à mão armada que teria envolvido criminosos disfarçados de policiais que, segundo eles, teriam parado o táxi no qual retornavam à Vila Olímpica de madrugada, depois de uma festa.

As contradições em suas versões, juntamente com um vídeo que mostrava a chegada dos nadadores às instalações olímpicas horas depois do suposto assalto, tranquilos e com seus pertences, levaram a polícia brasileira a iniciar uma investigação.

Essa investigação concluiu que foram precisamente os nadadores que causaram danos em um posto de gasolina quando pararam com o táxi e também um confronto com agentes de segurança, que os fizeram pagar pelos danos, um incidente que, em seguida, tentaram fazer passar por um assalto.

A Justiça brasileira ordenou a retenção dos passaportes dos atletas e impediu dois deles (Bentz e Conger), que já estavam no aeroporto do Rio, de embarcar no avião de volta para os Estados Unidos, embora tenham deixado o país no dia seguinte, depois prestar depoimento. Até então, Lochte era o único dos quatro que havia retornado aos EUA.

Os promotores brasileiros apresentaram acusações por “falsa comunicação de crime” contra Feigen, que fechou um acordo com a Justiça depois de uma audiência de quatro horas, ao pagar uma multa de 35.000 reais.

Lochte, por sua vez, enfrenta um processo no Brasil também por “falsa comunicação de crime”. Depois de reconhecer que havia mentido e pedir desculpas, Lochte perdeu todos os quatro grandes patrocinadores que tinha como a Speedo (vestuário esportivo), Gentle Hair Removal (cosméticos), Airwave (colchões) e Ralph Lauren (moda). Agora, o nadador aceitou uma oferta para participar da próxima temporada do popular programa de TV “Dançando com as Estrelas”, o original da norte-americana ABC.

MAIS INFORMAÇÕES